21/08/2013

Manifestação anti-tourada reprimida pela polícia - Portugal

Defender animais é levar porrada, de vez em quando.... que horror!!!!
_____________________
Cerca de 300 manifestantes marcaram presença com diversos cartazes e palavras de ordem anti-tourada, destacando-se várias associações de defesa dos animais nomeadamente a Animal. No entanto, a manifestação ficou marcada pela repressão policial que chegou a provocar ferimentos em duas pessoas. Por Paula Sequeiros

Foto de Artur Pinto
Um grupo de cidadãos de Viana do Castelo organizou um protesto contra a realização de tourada na cidade com a consigna Viana ManiFesta Amor. Depois de Viana ter sido declarada «cidade sem touradas» há alguns anos pelos autarcas de então, a Prótoiro tem feito questão de aí voltar a realizar esse espetáculo por ocasião das festas da cidade em Agosto.

Este evento tem suscitado forte discussão em Viana do Castelo, e uma boa
parte da população tem declarado que não quer as touradas associadas ao nome da cidade. A Câmara considerou não haver condições de segurança para a sua realização, mas o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou a providência cautelar dos organizadores, Prótoiro, em sentido contrário.

O protesto divulgado pelas redes sociais foi programado para se iniciar com manifestação até ao local da arena provisória, freguesia de Darque, e volta até ao centro da cidade para um festival musical com a participação voluntária de sete bandas. Recorde-se que a arena antiga, no centro da cidade foi desativada pela autarquia.

Cerca de 300 manifestantes marcaram presença com diversos cartazes e palavras de ordem anti-tourada, destacando-se várias associações de defesa dos animais nomeadamente a Animal. Várias frase pintadas afirmavam que a tauromaquia está usufruir de subsídios para uma atividade baseada na violência contra animais, violência tornada espetáculo público e que «Tortura não é arte nem cultura».

Contudo, e apesar das devidas comunicações prévias às autoridades e das garantias de proteção previamente prestadas pela PSP de Viana do Castelo às organizadoras, verificou-se que havia acessos públicos perto da arena barrados por seguranças privados com cães.

Forças policiais de intervenção estavam também presentes em grande número perto do recinto, sem a identificação pessoal visível. E foram polícias dessa força que carregaram sobre os manifestantes com uma violência desproporcionada depois de os cercarem com grades levando a que, após criarem dificuldades na assistência aos feridos, outras pessoas manifestantes tivessem tido de chamar o INEM.

Ficou registado pelas câmaras da SIC a frase dirigida a jornalistas «agora vê lá o que publicas» por parte de um desses agentes. Os acessos em torno da arena foram cortadas durante algumas horas, não permitindo a saída a quem aí se encontrasse, com exceção de toureiros e espetadores.

Entre os manifestantes encontravam-se algumas pessoas de forças políticas tais como Defensor Moura (ex-Presidente da Câmara Municipal), José Soeiro (Bloco de Esquerda) e Hélder Pena (candidato do PAN à autarquia de Viana).

Durante o caminho de regresso houve ainda manifestantes que confrontaram os aficionados com a violência que a tourada representa e com o facto de não ser espetáculo a que se devam expor crianças. Os aficionados foram invetivados também por terem tido entradas oferecidas e por muitos terem sido transportados em autocarros pagos pelos empresários tauromáquicos desde o sul do país, tal como acontecera em 2012.

Houve ainda momentos de confronto quando um desses aficionados galgou o passeio com o carro arrastando à frente alguns manifestantes e outros ainda que se infiltraram com bandarilhas – supostamente trazidas da arena como «souvenir» - provocando os manifestantes. Neste segundo momento a PSP de Viana interveio.

De volta à cidade o festival musical arrancou depois da hora anunciada, dados os constrangimentos impostos à circulação de manifestantes. Nos momentos finais do protesto o tema dominante das conversas era a violência desproporcionada da intervenção policial e a falta ou mesmo recusa de proteção a quem se quis manifestar.

FONTE: http://www.esquerda.net/artigo/manifesta%C3%A7%C3%A3o-anti-tourada-reprimida-pela-pol%C3%ADcia/29052

2 comentários:

  1. Ana Lucia Nunes23/08/2013 20:49

    É como eu sempre digo: imbecis travestidos de humanos, infelizmente, existem em qualquer parte do mundo.
    E como sempre, quem ama e defende os peludinhos, acaba sendo o vilão e os crápulas que aviltam os direitos dos animais saem impunes.

    ResponderExcluir
  2. É impressão minha ou tanto no Brasil como em Portugal, a polícia só aparece para atrapalhar?

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪