21/07/2013

Cão da foto que comoveu o mundo morre aos 20 anos

Eu adoro cuidar de cães velhinhos.... tenho duas agora....
A Zulu, minha quase pit bull, está ceguinha, surdinha.... morre de medo do
terrorista que está morando aqui em casa atualmente... o tal Lobinho....
ela é 3 vezes maior que ele, mas, sempre foi gente boa.....

Clique na imagem para ler a matéria.... o dono está inconsolável....

14 comentários:

  1. Lindo!!!
    Só quem realmente ama um animal sabe como é a dor quando nos despedimos dele.

    ResponderExcluir
  2. Posso imaginar o que o dono está sentindo ,Sheila.Esse cavalheiro é um anjo na terra. A maioria das minhas meninas já está em idade avançada também. Samantha (poodle grande) é cega (foi jogada no meu jardim há alguns bons anos,deve estar com 15 agora). Beethoven que pertence à minha afilhada ,mas ele mora aqui comigo ,acaba de ficar totalmente cego também. Ele tem de 11 para 12 anos. Foi um problema no início até que ele se acostumasse a usar somente o faro. Agora já está bem menos agressivo.A foto e a história são emocionantes.

    ResponderExcluir
  3. Sei que é um assunto meio polêmico, mas... lá vai.... até que ponto vale a pena prolongar a vida se não há prazer, mas, pelo contrário, só sofrimento? Não estou falando do caso específico desse cão de quase 20 anos, até porque não podemos fazer julgamentos por uma simples e superficial notícia assim.
    Sabemos que a medicina (incluída a veterinária) está evoluída de tal forma que consegue manter a vida por um longo tempo, mesmo que não haja perspectiva de vida com qualidade e se trate apenas de prolongar o sofrimento. Sei que a tendência natural do ser humano, quando tem um certo nível de consciência e ama outra criatura, seja lutar pela vida dela dentro das suas possibilidades, as quais às vezes são muitas, às vezes são poucas. Resta saber até que ponto deve-se prosseguir nessa luta. Eu acho difícil dizer até que ponto. Mas não deixo de colocar para reflexão o fato de a ciência ter recursos de sobra para prolongar o sofrimento de um ser vivente, o qual em alguns casos pode ter seu sofrimento abreviado se não houver a interferência excessiva da ciência.
    Eutanásia... assunto difícil....
    Silvan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lendo o livro "As nove vidas de Dewey", sequência de "Dewey, um gato entre livros", acompanhei um relato interessante: um ex-combatente saiu de casa pela manhã e ouviu um "estrondo" imenso, como se tivessem jogado uma bomba no teto de seu carro. O primeiro impulso de um ex-guerrilheiro foi abaixar-se e, depois de constatar que nada havia acontecido ao redor, saiu do carro e deparou-se com um filhote de gato preto, todo ensanguentado em cima de seu carro. Levou-o ao veterinário e o mesmo disse que o pequeno guerreiro havia sido pego por uma coruja e debateu-se até conseguir soltar-se de suas garras. Sobreviveu. Foi levado pelo homem e com ele viveu até 19 anos. Sobreviveu ao ataque de lobos, uma pancada de urso (além do ocorrido inicialmente) e, após detectada a leucemia, já enfraquecido, foi levado para eutanásia. O homem, ao ver o olhar indagador do gato no momento da injeção, sentiu-se culpado pois, parecia que queria dizer: "Por que está fazendo isso, eu não queria morrer. Eu quero viver, tenho muito ainda pra fazer". Então eu penso: "Por que temos nós que sacrificar uma vida adorável? A vida inteira ouvi pessoas dizendo que só Deus pode tirar a vida de alguém. Se ele permite o sofrimento do animal (que eu descordo totalmente e me revolto com isso), eu é que vou matá-lo? Acho que está nas mãos de Deus, deixá-lo viver ou não. A minha consciência me diz que devo fazer a minha parte: ajudá-lo, cuidar dele até eu não mais ter forças. Quem vai decidir o quanto tempo ele permanecerá na terra, sofrendo(?) acho que não sou eu. Não tenho coragem de eutanasiar um animal. Se isso é o mais certo, sou covarde demais para realizar.
      Feliz do animal que encontra um ser humano, de verdade. Que esse bichinho descanse sem dor!!!

      Excluir
    2. Pois é, Yara, essa prática da eutanásia muita gente conhece bem. Faz-se com frequência por aí. Não sei se você já passou por essa situação, eu já passei e não é nada fácil. Nem gosto de ficar lembrando, tenho que continuar "tocando o barco".
      Mas deixo bem claro a minha ideia: eutanásia deve ser o último dos recursos mesmo. Posso citar o exemplo de cães com Leishmaniose, que é uma doença perfeitamente administrável, mas o que as pessoas, o poder público e - pasme - até alguns veterinários fazem? Sacrificam o cão por uma simples sorologia positiva. Tenho dois cães soropositivos, e administro a doença já faz um tempo, às vezes é uma luta, é dispendioso, mas posso dizer que eles têm hoje qualidade de vida satisfatória. Por outro lado, tenho consciência de que esse diacho de doença não permite que eles tenham a qualidade de vida que poderiam ter se não tivessem a doença e vai reduzir a longevidade deles.
      Mas afinal, por que toquei nesse assunto? Porque na reportagem fala que "o bichinho sofria de artrite e só na água conseguia relaxar". É claro que o homem que cuidou dele é muito abnegado e amou muito o cão. Evidente que todos nós, animais e plantas, temos um "programinha" dentro de nós que, em condições normais, nos faz lutar para que a nossa própria vida perdure o máximo possível. E os seres humanos, alguns deles, ainda têm a capacidade de se importar com a vida e o bem estar de outros seres que não sejam sua prole, como é o caso do homem da reportagem (esse tipo de ser humano é o mais nobre dos animais, eu acho). Me lembrei agora da famosa frase: "Os filhos são a ânsia da vida por ela mesma". Ou seja, todo ser vivo possui essa coisa misteriosa que é a vida, que busca incessantemente se perpetuar e se multiplicar. Acontece que a medicina, os recursos tecnológicos atuais, nos permitem manipular a vida de várias formas, inclusive prolongar uma vida que em situação natural não perduraria. Essa medicina pode ser bem ou mal usada. Então, o melhor uso que se faz da medicina, na minha modesta opinião, é propiciar vida de qualidade reduzindo ou eliminando o sofrimento, ou interromper essa vida de forma rápida e indolor, quando for o caso, também eliminando o sofrimento, por mais difícil que seja o momento. Se for pensar bem, uma pessoa que usa seus recursos disponíveis prolongando o sofrimento inevitável de um ser amado pode estar sendo egoísta, se tiver a consciência desse sofrimento irreversível. Então, em determinado caso, a decisão mais acertada pode ser simplesmente se conformar, aceitar a realidade da morte, e "let it go". Mas quando fazer isso seria uma decisão acertada? Isso sim, é, em vários casos, muito, muito difícil de responder. É um assunto delicado mesmo.
      Nossa, filosofei um bocado! Obrigado por responder ao meu post, Yara, é isso mesmo que propus, discutir o assunto, trocar ideia. Afinal, esse blog, esse espaço, é pra isso, entre outras coisas (né, Sheila? rs).

      Excluir
  4. Não importa quanto tempo um animal viva ao nosso lado, o fato é que sempre sentiremos sua falta quando ele se for. Por isso, não me conformo com gente que abandona seu melhor amigo e talvez o único, num dos momentos mais frágeis de sua vida.

    ResponderExcluir
  5. Ai que dorrrrrrrrr !!!! sem palavras !!!!

    ResponderExcluir
  6. anjinho querido, vai c/ Deus!

    ResponderExcluir
  7. Ana Lucia Nunes21/07/2013 21:38

    É triste demais perder quem se ama tanto, mesmo sabendo que agora ele não sofre mais !!!
    É muito lindo ver quando um ser humano não envergonha a sua espécie. Esse rapaz é uma Alma Iluminada, um Anjo encarnado na Terra. Ambos tiveram a sorte de viver essa linda estória de amor incondicional. Igual aos filmes verídicos: Para sempre ao seu lado, Marley e eu e tantas outras que não viraram filme.

    ResponderExcluir
  8. Essa fotógrafa que publicou a foto faz um trabalho maravilhoso com animais, vejam o perfil dela, é público e pode ser seguido:

    https://www.facebook.com/PhotographyofHannahStonehouseHudson?fref=ts

    Exite tb uma fan page oficial de Schoep e John, tb é um perfil público e pode ser seguido, lá há várias fotos do cão:

    https://www.facebook.com/Schoep.and.John?directed_target_id=0

    ResponderExcluir
  9. Cão de sorte, dono lindo, de corpo & alma. Descansa em paz, Schoepp.

    ResponderExcluir
  10. maria do carmo22/07/2013 20:19

    Que pena...mas ao mesmo tempo...como foi amado, cuidado e respeitado...descanse em paz lindo...e que seu dono consiga suportar a dor dessa perda.....

    ResponderExcluir
  11. Com esse amor que viveu esse cachorro... eu entendo porque viveu tanto tempo. O amor é mágico, é pura LUZ.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪