Mostrando postagens com marcador veganismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador veganismo. Mostrar todas as postagens

06/10/2017

3º Encontro Vegano JMA J’adore mes amis em Taubaté - SP

Bora lá, gente!!!!! Se eu tivesse em condições não perdia um encontro sequer!!!! adoro encontrar gente nossa!!!!! 
---------
Dia 7 de outubro realizaremos o 3º Encontro Vegano JMA J’adore mes amis em Taubaté/SP!
Estaremos no Taubaté Shopping com camisetas, artesanato, cosméticos, ração para animais, lanches, salgados, doces,

01/10/2017

Após veggie burger sangrento, startup planeja “peixe impossível”

Vendo os investidores desta startup, acredito que ainda vou ver uma revolução alimentar no mundo.... Estamos chegando, gente..... Mesmo que seja por outros motivos alem da crueldade contra os animais, estamos caminhando.....Olha isto...
----------
Impossible Foods, que tem Bill Gates e Google como investidores, agora quer salvar os oceanos

06/09/2017

Ato com manifestantes 'embalados como carne' promove veganismo em SP

Acho muito importante estas manifestações.... são esclarecedoras e impactantes....
-----------
Grupo se reúne na Avenida Paulista pelo fim do consumo de carne. Protesto usa até sangue fictício para chamar a atenção de quem passa pelo local.

A ONG internacional Peta, que luta pelo tratamento ético dos animais, realiza um protesto na Avenida Paulista, região central de São Paulo, na tarde desta quinta-feira (31). O grupo é conhecido por promover manifestações em todo o mundo pelo direito dos animais.

O ato da vez é contra o consumo de carne e acontece em frente ao Conjunto Nacional, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Augusta. Pessoas estão embaladas no local como se fossem pedaços de carne na tentativa de alertar que seres humanos também são animais.

FONTE: G1

21/08/2017

Artigo: O ativismo pelo direito dos animais mergulhado em ditadura

Ontem me deparei com uma mensagem do ativista Julio Cesar Gomes, conhecido como Jota Caballero, que atua há bastante tempo na causa animal, desabafando sobre o comportamento inaceitável de certos veganos que tentam se apoderar de lutas iniciadas há muitos anos atrás como se fossem exclusivamente deles. Estas pessoas ditam regras/normas, falam e se comportam como se fossem os únicos capazes de promover o bem para os animais. Fazem um patrulhamento ideológico como se a causa de defesa animal fosse uma instituição hierárquica. Pera lá, calma aí.... Como diz o ditado: chegou agora e estão saindo na porrada para sentar numa janela que foi duramente conquistada? Evidente que estou falando de "certos veganos" e se alguém se sentiu incomodado com meu comentário, reflita por longos dois minutos se não é uma destas criaturas fora da casinha que exclui ao invés de agregar. Convidei, então, o Jota para escrever um texto elucidativo deste comportamento equivocado e que servisse para reflexão do coletivo. Quem sabe uma luz acende? Agora, pra mim, não podia ter sido melhor escrito.
===============

"O ativismo pelo direito dos animais mergulhado em ditadura"

Estão transformando uma luta tão nobre, talvez a maior, a luta pelos animais, em pequenos nichos, tutelados pelos mais graduados, condecorados por patentes que imaginam  possuir, com direito a regras, manipulação de pensamentos coletivos, sentimentos em linhas de produção e em série, é isso?   

A cobrança por comportamentos repetitivos e radicais acabam por não convencer ninguém, e sim — cansar. Ou seja, efeito colateral é uma realidade no ativismo pelo direito dos animais hoje no Brasil. A informação está aí, as ferramentas para fazê-la também, mas não há inteligência e nem raciocínio lógico, alguns estão desvirtuando  e denegrindo através de atitudes pra lá de irracionais, completamente impensadas.

Extremismo, assusta e rebela o alvo. Há diferenças brutais em mostrar  algo, para saber que aquilo existe, e apontar um dedo para acusá-lo, de algo que nem sabia que existia. Pelo que me lembro, não nasci sabendo e nem escolhendo o que poderiam me colocar na boca, o que deveria vestir, como deveria me comportar. Isso é pra lembrar que somos mais vítimas das circunstâncias do que da própria vontade até determinado ponto. Os mais justos e possuidores de uma consciência mais aflorada, percebem logo que existe algo de errado, e escolhem o caminho a si  tomar. É isso, se não respeitarmos esse limite do não conhecer, não agregaremos mais pessoas em uma era tão propícia para alavancar causas e libertar consciências e produzir efeito esperado.

O que vejo hoje é uma transformação em termos de informação que nunca tivemos, e a pouco tempo, onde, meros quinze,  vinte anos atrás, não imaginávamos que passaríamos por essa chuva meteórica e infinita de informação. Responsável por isso: internet.  Pois é, sabemos hoje tanta coisa,  que nos dão facilmente status de professor em determinado assunto, se comparado há alguns anos atrás, onde definitivamente quase nada se sabia, onde era só decorar livros estáticos e replicar o mesmo.

A causa animal se alavancou com a internet e produz hoje resultados pra lá de positivos. Nunca se resgatou tanto, salvou, ajudou. Nunca vídeos de crueldade passaram tanto por globos oculares, causaram reflexão e despertaram tanta gente. Isso é de fácil percepção. Precisamos ajustar o modo de atuar e não segregar um assunto tão profundo que é a vida dos animais. Em um mundo com 90% da população praticamente onívora, ser radical é ser comido também de garfo e faca, é potencialmente se enfraquecer, é se diminuir. Ainda não somos nada. 

Não temos a receita para o crescimento meteórico de um exército para  causa animal, no qual necessita-se muito, mas temos a lógica para que isso aconteça, que seria  introduzir, e não excluir, que seria trazê-los e não expulsa-los, digo, os que nem sabem o que é isso — causa animal.

Por favor não desvirtuem uma causa tão nobre, acusando, agredindo e se perfazendo como se fossem seres divinos, escolhidos, agraciados, não! Somos pessoas comuns que despertaram para a mentira sistêmica, para a violência velada por indústrias, para a covardia que a morfina social nos injeta e nos faz cometer atrocidades tão cruéis, como a que Hitler cometeu nos anos 40. É isso. 

Um ativista não poder expor pontos de vista pessoal, porque outro ativista não concorda? É no mínimo curioso. Ativistas  não saem de fôrmas de bolo, ativistas são seres humanos que passam por experiências pessoais desde o estado fetal, inerentes as suas condições sociais, culturais e religiosas,  que derivam para uma  visão política ou apolítica do  todo, conforme seus processos de percepção. 

Reprimir pensamentos alheios, linhas de raciocínio dentro de uma mesma causa, dá status de ditadura. Não concordar, não dá o direito de afrontar, e sim debater. Se a causa é a mesma e o objetivo é um só, as diferenças fazem parte do processo de aceitação e respeitar a adversidade de pensamentos.
Jota Caballero 

============
Leiam outros artigos do Jota Caballero:

28/04/2017

Venda de cookies veganos ajudam Bianca no resgate de animais de rua

Muito legal!!!!! parece gostoso!!!! quando se quer, tudo pode....
------------------------
Nos corredores da UFMS, a estudante de Ciências da Computação Bianca Sakiyana consegue fazer com que suas receitas possam ajudar na causa que tanto defende: o resgate de animais de rua.

Vegetariana caminhando para o veganismo, a jovem mudou a dieta e a filosofia de vida há dois anos e, mais recentemente, decidiu unir suas duas bandeiras e reverter parte da renda para ONG's e protetoras independentes.

A ideia ainda é pequena no tamanho, mas de proporção significativa, principalmente pelo empenho de Bianca. "Sempre tive interesse em ajudar os animais. Não me enxergo superior porque sou humana, sempre os vi de forma diferente", conta. 

O fator decisivo para ela parar com o consumo de carne foram visitas à família nas férias, quando as refeições eram todas à base de carne, e também documentários. 

"Foi ali que decidi mudar minha alimentação e foi gradualmente. Primeiro parei com a carne vermelha, depois a branca e de lá para cá pesquisei como funciona a indústria de produtos de origem animal", explica. O que a levou a concluir que estava no caminho certo.

As receitas vieram posteriormente, depois de ver nas redes sociais um passo a passo de biscoito que poderia ser congelado, Bianca se atreveu a adaptá-lo ao paladar vegano. "Adoro coisas que se faz para congelar e pensei: 'que legal, imagina se desse para vender cookies congelados?'", recorda.

Na mesma época, ela resgatou um gatinho que precisava de cuidados e sentiu na pele o quanto é difícil. "As pessoas sofrem tanto a pressão familiar, quanto a financeira. Então por que não vender e reverter parte do lucro para ajudar as pessoas?", se perguntou. 

Quem resgata volta e meia apela às redes sociais para ajudar com as despesas de clínica e veterinários.

Os biscoitos têm duas versões: o vegano, de canela, e um de chocolate, que ainda está para ser modificado e não levar nenhum ingrediente de origem animal. O teste foi com os colegas de faculdade. "A maioria nem é vegetariana, mas gostaram e eu comecei a vender".

Os cookies veganos levam: óleo de canola, açúcar demerara, açúcar cristal, leite de coco, trigo, bicarbonato de sódio, sal, essência de baunilha e canela. Cada um custa R$ 1,50 e o pacotinho de congelados, com 20 unidades, sai a R$ 20,00.

Para encomendar os cookies, Bianca atende pelo WhatsApp: 9-9151-7477 e pelo Facebook Namie Saki.

FONTE: campograndenews

22/04/2017

Lançamento de Relatório sobre Moda Vegana no Rio de Janeiro

Vai rolar um evento bem original no Rio de Janeiro. Lá em Sampa, volta e meia rola algo relacionado a Moda Vegana. Que bom que estamos entrando no trilho!!!!!! kakakaka.... Parabéns aos promotores do Evento. Vou fazer um esforço para ir lá.... Quero conhecer toda esta tendência.  Confiram o Facebook do Evento.




Cliquem na imagem abaixo para ler o release completo do evento

21/04/2017

Criada por brasileiros, picanha vegana chega ao mercado

Tem gente que fala que o veganismo não deveria associar suas alternativas lembrando a carne animal. Eu não saberia avaliar. Só penso que tudo é valido em se tratando de tirar os animais da mesa, certo?
------------------------
Após muitas pesquisas, o açougue vegano No Bones – The Vegan Butcher Shop (Sem Ossos – O Loja do Açougueiro Vegano, em tradução literal) vai lançar a primeira picanha vegana do mercado, criada por brasileiros, sem qualquer ingrediente de origem animal.

Para se aproximar do estilo já conhecido, o produto será vendido em espetos como nas churrascarias. O alimento é feito com diversos ingredientes, como arroz vermelho, beterraba e fumaça em pó, que dá o gosto defumado. O que parece a gordura é uma espécie de queijo vegano criado pela chef do açougue.

“Estamos fazendo pesquisa há quase um ano para poder preparar o produto. Como não existe nada igual no mercado, tivemos que testar diversas receitas, assim como criar utensílios de cozinha para que formasse o corte certo do produto. A picanha foi testada na churrasqueira, forno e até na frigideira. Quem provou, aprovou”, afirma Marcella Izzo, chef do No Bones.

FONTE: catracalivre

20/04/2017

Vida sem carne

Estou muito feliz pela repercussão do vegetarianismo e veganismo. A imprensa vem retratando a tendência mundial de diminuição da matança de animais para alimentação humana....
---------------------
A atual crise da carne no Brasil levantou uma série de questionamentos na população. Origem, abate, conservação, qualidade, tudo isso tem gerado dúvidas. Alguns foram além e passaram a questionar o verdadeiro motivo pelo qual ainda comem carne. É crescente o número de vegetarianos e veganos.

A escolha, porém, é algo bem pessoal e muitas vezes intuitivo. Há quem pense no sofrimento dos animais, outros alegam que a pecuária consome muitos recursos naturais, algumas se deixam levar pela mídia e outros simplesmente buscam mais qualidade de vida, sentindo-se melhor sem ela no organismo.

A verdade é que pode-se, sim, viver sem carne. Apesar de ser uma excelente fonte de proteína e vitaminas, outros alimentos podem garantir a carga protéica e vitamínica que necessitamos. 
Atribui-se à carne o aumento de riscos para diabetes tipo 2, câncer de intestino e doenças cardiovasculares, e ainda aumento do colesterol e do ácido úrico no organismo. De acordo com o nutricionista vegano Luiz Felipe Albuquerque, não há problema algum retirar completamente a proteína de origem animal da dieta.
“Não só não tem problema, como trás muitos benefícios. A única vitamina, que é a B12, essa a gente não encontra nos produtos de origem vegetal”, comenta Luiz Felipe.

As toxinas presentes na carne vermelha estão associadas ao desenvolvimento de alguns cânceres. Mas por outro lado ela é muito rica em creatina e vitamina B12, tanto que alguns vegetarianos e veganos precisam de suplementação desses nutrientes. 

Entre as principais substituições para se obter proteína estão os grãos, sementes e leguminosas — feijões, lentilha, grão de bico, cereais integrais, como quinoa e aveia, sementes de abóbora e chia e ainda as oleaginosas, como castanhas, nozes e amêndoas. 

Entre as principais nomenclaturas das tribos que não comem carne estão: ovolactovegetarianos (excluem todas as carnes, mas consomem ovos, leite e derivados), lactovegetarianos (exclui carnes e ovos, mas consomem leite e seus derivados), vegetariano restrivo ou vegano (não consome nenhum alimento de origem animal). 

Uma atitude bem pessoal e intuitiva
Seja por influência de um amigo, pensando na saúde ou por questões éticas mesmo, cada um tem uma motivação para deixar de comer carne.
A empresária Raquel Jácome, 33 anos, está a quase dois anos sem a iguaria em suas refeições.

Foi a partir de um curso de meditação e respiração que os questionamentos surgiram. Nas aulas, ela teve que passar quatro dias sem comer carne. Ela gostou e decidiu levar para a sua vida.
“Acho que o momento é agora. Eu já tinha essa vontade dentro de mim.

Na época da faculdade, eu já tinha ficado um ano e meio sem comer carne vermelha e frango; só comia frutos do mar. E aí, por um deslize, acabei voltando a comer carne vermelha. Naquele momento eu era super imatura. Então, eu achei que só por um deslize tinha que jogar fora todo um ano e meio que eu tinha passado sem comer”, comenta Raquel, vendo no curso a oportunidade de recomeçar.

Dona de restaurante, Raquel tem que ver carne todos os dias. Comer ou não era uma opção. “ Eu coloquei na minha cabeça que não estava proibida de comer carne.”
Atualmente, ela enfrenta o desafio de passar de vegetariana para vegana, e não está sendo muito fácil.
Abandonar alguns derivados de leite, principalmente o queijo. “Leite, eu já não tomava; ovos, eu já não comia. Mas o queijo, que é base para vários tipos de alimentos, o creme de leite. Tudo tem queijo... nisso, eu sinto um pouco de dificuldade”, confessa a empresária, que diz sentir-se bem melhor e mais normal em termos de saúde. “Eu não adoeço; e se adoeço, tenho forças para trabalhar.”

Mais radical
Foi cuidando de três gatos resgatados das ruas que a advogada e empresária Aline Maraschin, 31 anos, passou a se questionar por que comia alguns animais e outros não.

A leitura de um livro sobre o hábito dos chineses de comer carne de cachorro também a despertou o desejo de deixar de comer carne. “Senti-me hipócrita por precisar de outras pessoas para matar um animal para que eu pudesse comer. Foi uma mudança de perspectiva, foi muito intuitivo, e eu decidi não fazer mais parte desse circo todo que envolve a morte dos animais para se ter carne”, revela Aline.

Logo de início, deixou de comer carne vermelha e frango. Depois foram largados peixes e frutos do mar. “Eu criei uma aversão à carne porque de repente eu passei a ver um animal e não mais um pedaço de uma comida.”

De início, ela era ovo lacto vegetariana — não come carne de nenhum tipo, mas consome ovo, leite e derivados. Mas depois de muito pesquisar sobre o assunto, viu que ainda não era suficiente para ela. Resolveu radicalizar cada vez mais. Em menos de um ano se tornou vegana.

Ela considera ter abandonado a carne uma das melhores coisas que já fez na vida. “É maravilhoso! “Senti uma leveza de alma mesmo, de espírito; de não ter mais sangue, não ter mais morte, dentro da minha casa, dentro do meu corpo, que é minha casa principal.”
Sem receio de ter recaídas, ela segue pesquisando e radicalizando. Hoje ela já se dedica ao crudiveganismo, linha ainda mais radical que consome alimentos crus, tem restrições à temperatura deles, conservantes, ingredientes artificiais.

Bate-papo
Luiz Felipe Albuquerque - Nutricionista vegano
- É difícil parar de comer carne?
As pessoas, desde criança, já são acostumadas, no próprio colégio, quando fala em proteína e ferro se fala sempre em carne. Então, todo mundo já cresce com essa mentalidade de que se não comer carne vai ficar fraco, vai ficar anêmico e ignora totalmente os vegetais terem ferro e proteína. Porque nos artigos científicos, o que mostra é que os vegetarianos não têm essa tendência maior a ter anemia. Eles têm uma tendência a ter uma reserva menor de ferro em alguns casos, mas que é saudável também porque o ferro é muito oxidativo para o corpo; e pode estar relacionado também o consumo de carne a um índice maior de diabetes, de câncer de intestino, de doenças cardio-vasculares. Então as pessoas ficam com medo de ter uma alimentação vegetariana quando, na verdade, os artigos mostram que a alimentação vegetariana previne muitas doenças. 

- As pessoas conhecem outras fontes de proteína? Pode citar algumas?
As pessoas de um modo em geral, pelo menos eu percebo em consultório, não têm percepção de o quanto o alimento atinge o corpo dela. Às vezes ela passa anos com algum tipo de doença ou sintoma, e nunca relaciona à alimentação. Então, quando você fala em reduzir carne, leite e derivados, para ela é um absurdo, porque ela já relacionava a consumir carne a melhorar de alguma doença; ou consumir leite a ficar mais forte, mais bem nutrido. Os vegetais, de um modo em geral, têm proteína, mas tem aqueles que têm mais, e são os que a gente substitui, que são os feijões, principalmente — um pouco menos o feijão verde, que é mais pobre em proteína e em ferro; tem o grão de bico, a lentilha, todos os grupos da castanha, tem o tofu, que é o queijo da soja, que é riquíssimo em cálcio, tem ferro, tem zinco. Quando a gente tira a carne de um prato, estamos tirando uma fonte de proteína, de ferro, de zinco e de B12. Então, para compensar isso a gente tem que pensar nos alimentos fontes de proteína também vegetal, e nunca carboidrato. Isso é um problema que eu vejo nos vegetarianos e veganos de um modo em geral, são aqueles que vão substituir a carne por outra fonte alimentar que seja fonte de carboidrato e não de proteína. 

- Alguma dica?
Um dica importante é em todas as refeições e lanches ter sempre uma fonte proteica, seja uma semente de abóbora, de girassol, um tofu. O próprio feijão é um alimento que pode virar um monte de receitas doces e salgadas.

FONTE: tribunadonorte

18/04/2017

Cosméticos sem ativos de origem animal ganham as prateleiras do Brasil

Entro em estado de graça quando leio matérias como estas!!!!! jamais imaginaria alcançar este avanço..... Já repararam o boom dos restaurantes veganos? Inacreditável!!!!!
------------------------
Produtos de beleza "veganos" são aqueles que, além de não terem ativos de origem animal nas suas composições, também não testam em animais. Produtos "cruelty-free" são aqueles que não fazem testes em animais

O veganismo, movimento que preza pelo não-consumo de carne e de produtos derivados de animais, foi além da nutrição alimentar e fincou os pés na indústria da beleza. Os chamados cosméticos veganos são aqueles que, além de não carregarem em sua composição ingredientes de origem animal, também não testam os seus produtos em animais. 

Ao lado da cosmética vegana, há também uma outra faceta sendo descoberta aos poucos, que é a dos produtos “cruelty-free” (em português “livre de crueldade”). Tais produtos não testam em animais, mas podem conter ativos de origem animal em suas fórmulas. Embora sejam diferentes, tanto os cosméticos veganos quanto os cosméticos “cruelty-free” têm ganhado espaço, devido à preocupação de seus usuários em não consumir produtos que causem impacto à vida animal. 

Atualmente, algumas marcas de beleza estão fazendo a transição total de seus produtos com fórmulas de origem animal para as fórmulas de origem vegetal. Outras marcas, por sua vez, estão lançando linhas voltadas para fórmulas de origem vegetal, mas continuam mantendo algunsprodutos com ativos de origem animal. As marcas voltadas para a beleza capilar são as mais impactadas pelo pensamento vegano.

Ativos substituíveis
De acordo com a médica tricologista Roberta Moretti, ativos como a queratina, alantoína, aminoácidos e aminoácidos da seda, esqualeno e tutano de boi são extraídos de animais. “A queratina é extraída da pele, pena, juba e chifres de diferentes animais. A alantoína é o acido úrico de bovinos e outros animais. Aminoácidos são extraídos de qualquer tecido proteico animal, inclusive o próprio animal, como é o caso da seda”, coloca a médica. A tricologia é o ramo da medicina que trata os pêlos e cabelos.

O esqualeno é obtido por meio do óleo de fígado de tubarão e é muito usado em hidratantes e tintas de cabelo. Outro ativo animal muito popular é o tutano de boi, conhecido pelo poder de nutrição. Segundo a médica, cada um desses ativos animais tem os substitutos vegetais. “Queratina vegetal pode ser substituída por proteína de soja ou óleo de amla (uma fruta groselha indiana). A alantoína, pelo extrato de confrei. Os aminoácidos, pelas proteínas vegetais. O esqualeno, pelo azeite de oliva, e o tutano de boi, pelo óleo de coco”, declara Roberta.

De acordo com a tricologista, os ativos de origem vegetal possuem tantos benefícios quanto os de origem animal. “A questão é mais sobre a crueldade com os animais e todo o resíduo lançado no ambiente”, destaca ela. Alguns ativos de origem vegetal podem, porém, ser irritativos para a pele e o couro cabeludo. “Os extratos vegetais também podem causar irritações. Para minimizar o risco, deve-se usar extratos puros e de boa qualidade e procedência, para uma menor chance de causar alergias”, pondera.

Algumas marcas e linhas veganas





FONTE: acritica

12/04/2017

Gary Yourofsky, um dos mais famosos ativistas veganos do mundo, se afasta da militância

Como eu entendo o Gary quando ele fala de críticas dentro do próprio movimento que militava. Isto é triste mesmo..... ser traído por gente que até então considerávamos no mesmo front, é broxante para qualquer um.... Seja bem-vindo ao barco, colega!!!!! liga não.... tudo passa....
------------------------
Ele alega exaustão por críticas, principalmente de dentro do movimento.

O ativista norte-americano Gary Yourofsky, famoso por palestras incisivas sobre o veganismo, publicou um longo texto em sua página oficial no Facebook explicando por que não vai mais fazer ativismo.

Comparando sua decisão à aposentadoria de grandes atletas, Gary afirma que está exausto mentalmente e que não tem mais a paciência necessária para ensinar. O título de seu texto, que em português é algo como “Peguei, tá com você!”, faz um paralelo com a brincadeira infantil pega-pega. Na analogia, Gary acaba de cumprir sua missão em relação aos animais e convoca o próximo a assumir o compromisso.

Gary tem 46 anos e passou quase metade de sua vida palestrando, dando entrevistas e advogando de várias formas em favor dos animais. Foram 21 anos de declarações contundentes, algumas delas controversas, inclusive mal vistas dentro do movimento vegano.

Segundo seu texto, Gary palestrou por 2.660 escolas e faculdades onde falou para mais de 60.000 pessoas que não eram veganas. Ele viajou por 30 estados nos Estados Unidos e foi preso 13 vezes em ações diretas contra exploradores de animais. Muita gente foi influenciada por ele a conhecer melhor o veganismo, tanto presencialmente em suas palestras, quanto pelos vídeos na internet.

O ativista alegou que parte de sua exaustão vem de críticas de pessoas do próprio movimento vegano. Segundo ele, muitos ativistas não admitem que se faça ativismo vegano sem incluir outras lutas e causas. Gary diz em seu texto que os “veganos que fazem saudação ao sol e trocam abraços de energia” são mil vezes mais desgastantes de lidar do que com carnistas.

Gary finalizou seu texto dizendo que será vegano para sempre. Ao lado do título de seu texto, uma frase indica que aquele é o último texto publicado por ele em mídias sociais.

FONTE: vista-se

11/04/2017

Berlusconi 'salva' animais em ação vegetariana e enfurece empresários

Coisa boa!!!!!!!! isto é que é um avanço para causa.... Pena que ele está envolvido com sonegação fiscal.... Mas, no nosso setor, foi uma bola dentro mesmo!!!!!
-------------------
Cordeiros e cabras são tradicionalmente abatidos para a Páscoa
Em vídeo, o ex-primeiro-ministro italiano dá mamadeira a cordeiros  

ROMA - O ex-primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi enfureceu a indústria da carne do país ao participar de uma campanha vegetariana, "adotando" cinco cordeiros que seriam abatidos para tradições de Páscoa.

Um vídeo da Liga Italiana de Defesa dos Animais e do Meio Ambeinte mostra Berlusconi acariciando, beijando e alimentando os animais com uma mamadeira. O vídeo viralizou nas redes sociais no fim de semana.

Ex-primeiro-ministro por quatro vezes, Berlusconi, de 80 anos, foi filmado em sua propriedade, na frente de uma placa com os dizeres: "Defenda a vida, escolha uma Páscoa vegetariana". A mensagem no vídeo acrescenta: "Seja como ele. Ele salvou cinco cordeiros da matança de Páscoa".

Berlusconi foi expulso do Senado em 2013 após ser condenado por fraude fiscal, mas o seu partido, o Forza Italia, é ainda um dos mais populares no país.

Os italianos tradicionalmente comem cordeiros e cabras no domingo de Páscoa, mas o consumo tem caído com força nos últimos anos — por problemas econômicos e também campanhas vegetarianas.

O lobby da carne Assocarni atacou o bilionário e pediu um boicote aos veículos de comunicação de propriedade de Berlusconi.

"É incrível que apesar dele ser um homem de negócios, está contribuindo para afetar a indústria da carne para conseguir os votos dos defensores dos animais", disse a Assocarni em nota.

Vários jornais afirmaram no ano passado que Berlusconi havia se tornado vegetariano. Ele respondeu, em comunicado, que "nunca fez declaração alguma sobre isso, em público ou âmbito privado".

Berlusconi usa um marca-passo há uma década e precisou passar por cirurgia no coração em junho do ano passado.

Fonte: Jornal O Globo
---------------
Veja também
 Açougues veganos’ lançam moda com coxinha de jaca e outras iguarias
 Plantas conhecidas como PANCs ganham espaço na mesa do brasileiro
Veganos são presos por negligenciar a alimentação de seus bebês

A carne do futuro poderá ser 100% carne e 0% animal. Servido?

A matéria é espetacular..... imperdível!!!!! Pena que não vou alcançar isto..... Acho que ainda vai demorar uns 20 anos para se consolidar..... Deus queira!!!!!! 
------------------------
Uma nova onda de startups está reinventando o negócio bilionário da proteína, com promessa de mais sustentabilidade à mesa e livre de sofrimento animal

São Paulo – Se você se interessou por essa matéria, altas são as chances de: a) você ser um comedor “hardcore” de proteína animal; b) você ser um vegetariano ou ativista dos direitos dos animais; c) você ser uma pessoa atenta à alimentação, talvez um “flexitariano” em busca de hábitos mais balanceados à mesa (“nem só carne, nem só vegetal”), ou d) quem sabe apenas um curioso sobre inovações científicas preocupado com o futuro do planeta.

Independentemente da sua motivação, há uma microrrevolução em curso que pretende reinventar a produção e o consumo de proteína no mundo e, de quebra, agradar a todos os paladares. Sem matar, a carne do futuro poderá vir do laboratório, ao invés de fazendas e abatedouros.

Saca aquela picanha suculenta do churrasco ou aquelas almôndegas da macarronada de domingo? É o mesmo alimento, só que cultivado em um ambiente estéril e controlado, sem que nenhum animal tenha sido morto no processo, e sem os impactos ambientais comumente associados à agropecuária convencional.

Atentas às oportunidades de mercado, uma série de startups estão capitaneando essas inovações. Em março, a Memphis Meats, sediada em São Francisco, Califórnia, promoveu a degustação de suas primeiras tiras de frango e pato cultivadas em laboratório, apenas um ano depois de ter causado frisson com o lançamento das primeiras almôndegas “sem sofrimento”, em fevereiro de 2016.

Em Israel, onde 8% da população se diz vegetariana e 5% vegana (não comem carne, mas também evitam qualquer produto à base de animais, incluindo ovos, laticínios, mel e couro), a startup de biotecnologia Super Meat angariou, quase 230 mil dólares (cerca de 720 mil reais), no ano passado, em uma campanha de financiamento coletivo, o dobro do valor pleiteado para dar início ao seu projeto de cultura de carne de frango em laboratório.

O cofundador da startup, Koby Barak, ele próprio um vegano veterano e ativista dos direitos dos animais, afirmou que a carne cultivada da sua empresa será tanto kosher — preparada obedecendo aos requisitos da dieta judaica, que incluem a “não-crueldade” — e “vegan-friendly”.
Cultivando proteína animal

A ciência por trás desse processo já está bem avançada, graças à extensa pesquisa em engenharia de tecidos no campo médico. Ao invés de cultivar tecido humano para ser transplantado como um substituto para órgãos e partes do corpo doentes ou lesionadas, usa-se amostras de células para crescer gordura e músculo com fins alimentares.

Os especialistas da área dizem que o processo é indolor. Um pedaço de tecido menor que um grão de gergelim é retirado através de um pequeno procedimento de biópsia, sem que o animal sofra ou seja abatido. As células são então colocadas em uma solução com nutrientes químicos, onde vão crescer e se multiplicar, formando o mesmo tecido do animal.

Em agosto de 2013, o primeiro hambúrguer de cultura celular, criado pelo professor Mark Post na Universidade de Maastricht, na Holanda, foi preparado e degustado ao vivo em plena televisão inglesa. Dois anos depois, uma aceleradora investiu 50 mil dólares para que as pesquisas avançassem sobre um sistema completamente livre de animais, sem necessidade de usar soro fetal bovino para cultivar o hambúrguer, como Post fez no começo.


A expectativa é que os primeiros hambúrgueres da startup fundada pelo cientista, a Mosa Meats, cheguem aos supermercados em 2020, com sabores e texturas aos produtos convencionais e, principalmente, a preços competitivos.

Reduzir os custos envolvidos no processo é provavelmente o obstáculo mais crítico para a comercialização da carne de laboratório. Para colocar os desenvolvimentos dos últimos anos em perspectiva, o primeiro hambúrguer de Post custou 330 mil dólares para produzir, e em poucos anos, o custo caiu para pouco menos de 40 reais a unidade, um valor bem mais realista.

Atualmente, meio quilo de carne de frango da Memphis Meat não sai por menos de 9.000 dólares [sim, 9 mil dólares], mas esse custo está caindo rapidamente a cada novo lote, disse ao site Gizmodo Steve Myrick, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da empresa. A expectativa é de que, quando as carnes sem abate da marca chegarem às lojas até 2021, o custo coincidirá com o da carne regular encontrada hoje nos mercados.

“À medida que o número de empresas produtoras de carne vegetal e ‘limpa’ aumenta e as empresas crescem, as economias de escala rapidamente reduzirão os custos desses novos produtos. Eles se tornarão mais baratos do que a carne de base animal com rapidez”, diz a EXAME.com Bruce Friedrich.

Friedrich é fundador da New Crop Capital, fundo de investimento por trás do frango da Memphis Meat, e diretor executivo do The Good Food Institute (GFI), instituição que promove alternativas à carne convencional, ovos e produtos lácteos.

Segundo ele, dentro de algumas gerações, o abate de animais para alimentação será extremamente raro no mundo desenvolvido. No lugar, entraria em cena a “carne limpa”, termo cunhado para designar a proteína cultivada em laboratório.

Qualquer semelhança com o termo “energia limpa” não é mera coincidência, na medida em que comunica as principais características da tecnologia — tanto os benefícios ambientais como a diminuição dos agentes patogênicos e dos resíduos de fármacos aplicados na criação de animais em massa.

Só no ano passado, a New Crop Capital investiu 5 milhões de dólares nessa seara. Este ano, até agora, foram mais 1,6 milhão de dólares e, daqui para frente, a meta do fundo é investir ao menos 5 milhões de dólares por ano em novas startups.

Friedrich não está sozinho em seu otimismo sobre a carne high tech. O bilionário Bill Gates, da Microsoft, já investiu nesse mercado e Eric Schmidt, presidente executivo da Alphabet (empresa-mãe do Google), considera os substitutos da carne umas das mais importantes tendências tecnológicas do momento. Não é de se espantar que o Vale do Silício abrigue uma lista crescente de startups empolgadas com as possibilidades desse novo mercado.

A ascensão dos “sangrentos” hambúrgueres a base de vegetais

No jogo para expandir as fronteiras da fabricação de alimentos, as carnes cultivadas em laboratório não estão sozinhas. A ascensão dos “sangrentos” hambúrgueres a base de vegetais das empresas Beyond Meat e Impossible Foods é prova disso. Engana-se quem pensa que o mercado vegetariano e vegano é o público alvo.

O objetivo de ambas é produzir um alimento similar em gosto, aroma e textura às opções convencionais para conquistar especialmente os comedores de carne. Para atrair a atenção do consumidor, elas adotaram abordagens radicalmente diferentes.

A Beyond Meat está empenhada em entrar nas prateleiras dos supermercados —especialmente na seção de carnes — para ficar à vista de milhares de carrinhos de compras de clientes que provavelmente nunca viram ou procuraram um hambúrguer vegetal na vida.

Seu hambúrguer é praticamente indistinguível no visual e no sabor em relação à versão bovina, exceto por ser feito de proteína de ervilha, extrato de levedura e óleo de coco. Ah, e ele também sangra, mas o sangue é de beterraba.

Já a Impossible Foods está usando os meios de comunicação social e chefs famosos para chamar a atenção. “Hoje eu provei o futuro e ele é vegano: este hambúrguer é suculento, sangrento e tem textura real como a carne, delicioso e é muito melhor para o planeta”, escreveu o badalado chef nova-iorquino David Chang, fundador do Momofuku em um post no Facebook. “Eu realmente não consigo compreender seu impacto ainda…mas eu acho que isso pode mudar o jogo inteiro”, acrescentou.


A Impossible Foods diz que a produção de um de seus hambúrgueres exige apenas um quarto da água e 5 por cento da terra necessária para produzir um hambúrguer convencional, e que o processo emite apenas 13% dos gases de efeito estufa emitidos pela produção convencional.

Seu grande diferencial é o molho secreto, que contém uma substância natural chamada leghemoglobina, ou “heme” para abreviar. Heme é o que torna o sangue animal vermelho, e é encontrado em todos os seres vivos, incluindo plantas. A empresa é a primeira do ramo de alimentos a adicionar heme aos seus produtos veganos em um esforço para replicar o sabor, cor e aroma da carne animal.

Até agora, o “Impossible Burger” só é encontrado em oito restaurantes nos Estados Unidos, porém a empresa anunciou que pretende abrir 1.000 restaurantes da marca até o final do ano. Para isso, está abrindo uma fábrica para produzir pelo menos 500 toneladas de hambúrgueres de carne vegetal por mês.


O fim de um império ou sua reinvenção?

Além da tecnologia de ponta, o que une as novas startups de “carne limpa” e de proteína vegetal é a preocupação com o meio ambiente. Números conservadores da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) indicam que a agropecuária é responsável por 15% das emissões de carbono do mundo e uma das principais fontes de degradação da terra e da água.

Considerando que a demanda global por produtos pecuários deverá aumentar em 70% até 2050 para alimentar uma população estimada em 9,6 bilhões, dá para ter uma ideia de que a conta ambiental será desastrosa se mantidos os atuais padrões de produção e consumo.

Isso não significa que o fim da carne está próximo, mas a indústria global de proteína animal, que movimenta quase 700 bilhões de dólares por ano, vai precisar se diversificar, seja para se adequar aos limites planetários, seja para atender às novas demandas do consumidor. E o tabuleiro já começou a girar.

Em entrevista à rede americana Fox Business News no mês passado, Tom Hayes, CEO da Tyson Foods Inc., segunda maior processadora de carnes do mundo atrás apenas da brasileira JBS, afirmou que vê a proteína de origem vegetal como uma grande parte do futuro da indústria de alimentos. A empresa, que possui 5% das ações da Beyond Meat, lançou recentemente um fundo de capital de risco para investir 150 milhões de dólares em startups de alimentos que busquem proteínas alternativas.

Se depender dos consumidores, esse mercado promete esquentar. A demanda por substitutos de proteína animal é projetada para chegar a 5,9 bilhões de dólares até 2022, com uma taxa de crescimento anual composta de 6,6% a partir de 2016, de acordo com a empresa de pesquisa Markets and Markets.

É fácil digerir essa mudança. Nunca a proteína esteve tanto no centro das atenções como agora. Ela é fundamental para a saúde humana, mas a forma como a cultivamos e consumimos está colocando uma pesada pressão sobre a saúde do planeta e de nossos corpos.

Em grande medida, as inovações no setor de alimentos são uma tentativa de responder a uma das perguntas mais urgentes de nosso tempo: como é possível alimentar uma população que vai chegar a nove bilhões de pessoas em 2050 de maneira acessível, saudável e boa para o ambiente?


As respostas não são simples e uma coalizão única de empresas, acadêmicos, organizações da sociedade civil e órgãos governamentais também está tentando encontrá-las através da iniciativa batizada de Protein Challenge 2040 (ou Desafio da Proteína 2040), orquestrada pela organização internacional sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento sustentável Forum For The Future.

Em entrevista a EXAME.com, Simon Billing, principal assessor de sustentabilidade em alimentos do Forum For The Future afirma que há uma desigualdade da distribuição e acesso à proteína no sistema alimentar global.

“Vivemos em um mundo onde mais de 50% de plantas de boa qualidade, como trigo e soja, é cultivada para alimentar animais, ao invés de ir diretamente para a mesa das pessoas. Enquanto isso, alguns comem mais proteína do que o necessário, enquanto outros enfrentam a desnutrição”, disse.

Segundo Billing, o que está em questão aqui não é a carne, mas as fontes de proteína como um todo.

“Existe uma cultura que associa proteína apenas a derivado animal, que acaba virando a estrela do prato. Mas existem outras fontes maravilhosas e diversas. As proteínas vegetais podem proporcionar uma ótima experiência à mesa, além de trazerem benefícios à saúde e ao Planeta. É urgente que a sustentabilidade e as questões da nutrição caminhem de mãos dadas e uma dieta mais balanceada é um caminho para isso”, defende.

A parte mais excitante de tudo isso é que, até o momento, nós só exploramos cerca de 8% das proteínas vegetais do mundo como potenciais substitutas da carne, segundo levantamento do Instituto Bill & Melinda Gate. ­­

Para Jade Perry, analista da área de inteligência da agência de publicidade multinacional J. Walter Thompson, as regras do jogo já foram dadas e que cabe às marcas de alimentos se inspirar nessas iniciativas e colocar a ética e a sustentabilidade na vanguarda do que fazem.

“Eles devem reconhecer que os valores em torno de alimentos estão mudando e que há um maior interesse em alternativas sem carne e sustentabilidade como um todo”, escreveu em um comunicado ao mercado.

Agradar a todos os paladares não será tarefa fácil, é verdade. “O comedor de carne é motivado em grande medida pelo preço, gosto e conveniência”, diz a EXAME.com Gustavo Guadagnini, representante no Brasil do The Good Food Institute. Um dos seus trabalhos é fazer com que as empresas brasileiras importem produtos de proteína alternativa.

“Há um desafio psicológico grande, muitos homens se sentem fragilizados quando dizem que não comem carne. A educação precisa mudar também, ensinar a comer de forma mais balanceada e melhor”, pontua.

O caminho para mudança de comportamento certamente será longo, mas sem dúvida é mais realista do que esperar que o mundo inteiro se torne vegetariano.

Quem sabe, à luz dos sinais de mudança, talvez seja possível encontrar um meio termo para preservar o churrasco da família, reduzir a pressão sobre o planeta, alimentar toda a galera em 2050 e ainda poupar a vida de 60 bilhões de animais abatidos anualmente.

Afinal, todo mundo tem o garfo e a faca nas mãos.

FONTE: exame.abril

05/04/2017

Nutricionista Andrea Burgos explica o que é veganismo

Matéria muito boa divulgando o veganismo.
-----------------
Você sabe o que é veganismo? A nutricionista Andrea Burgos explica: “No vegetarianismo, tem o ovolactovegetariano, que consome produtos de origem vegetal, ovo, leite e derivados. Tem o vegetariano estrito, que não consome nada de origem animal. E existe o vegano, que além de não consumir animais e derivados, não usa roupa, maquiagem, medicamento, nada que envolva um sofrimento da vida animal como um todo. É o mais radical”.

Pessoas experimentam hambúrguer 100% vegetal, feito com feijão 
preto e arroz negro (Foto: TV Bahia)
Andrea conta que, por ter muitos fitoquímicos e antioxidantes, a alimentação vegana é sadia – desde que tenha densidade nutritiva. “Tem que ter a gordura e a proteína de origem vegetal de boa qualidade, um equilíbrio de cada refeição”, orienta. O fisiculturista Paulo Victor conta que é vegano há 15 anos e mostra que é possível ter muitos músculos sem comer nada de origem animal. “Fiz minha transição para o veganismo na adolescência, quando tive uma noção de como era feito o confinamento animal, como ocorria a questão do abate, e optei por não consumir mais”, diz.

E a repórter Renata Menezes vai às ruas e pede que as pessoas experimentem um hambúrguer 100% vegetal, feito com feijão preto e arroz negro, além de queijo vegano. “Meio estranho”, diziam uns. “Uma delícia”, garantiam outros. Reveja a matéria, que foi ao ar no Mosaico de sábado, 1º.

20/03/2017

Conheça a diferença entre veganos e vegetarianos


O que acho muito legal é que o assunto está cada vez mais sendo divulgado.... Muito bom!!!
-------------------
A alimentação é um estilo de vida e faz parte das nossas escolhas pessoais. Além das pessoas vegetarianas, que não comem carne, existem os veganos, que escolheram tirar da dieta todos os alimentos relacionados a animais. Em Caruaru, já existem opções para quem decide seguir o veganismo. Veja na reportagem do "TV Jornal Meio-Dia", da TV Jornal Interior.

13/03/2017

BBC vai laçar filme vegano futurista mostrando um mundo sem crueldade animal


Só discordo que este ideal não é apenas dos veganos... é de todo um segmento que atua pelo direito animal há bem mais tempo que este segmento.
------------------------
A maior rede de televisão britânica, a BBC, acaba de anunciar o lançamento de um filme com a temática vegana e que será dirigido pelo ator vegano, comediante e diretor Simon Amstell com o título de “Carnage: Swallowing The Past” – tradução literal “Carnificina: engolindo o passado.

O enredo do longa mostra o ano de 2067 onde os

10/03/2017

Mercado voltado para o veganismo cresce no Brasil

.
Que matéria boa, gente!!!!! é muito bom ver este avanço!!!!!
----------------
É cada vez maior o número de pessoas que adotam estilo de vida vegano.
E o mercado está de olho nesse público.
O consumo de alimentos que não têm origem animal está crescendo em todo o mundo. E o mercado está de olho nesse público.

A inauguração da loja do empresário Rodrigo Pedrosa foi há um ano. Antes, ele vendia produtos naturais e resolveu restringir a oferta: “A gente se apaixonou pela causa. A gente mudou a nossa alimentação também e a gente decidiu mudar porque a gente já estava vendendo uma coisa em que não acreditava”.


E isso justificou o investimento no empório, onde não entra nada que tenha sido produzido a partir de animais: carne, laticínios, ovos, nem mesmo mel.

A pergunta é: você sabe quais são os campões de venda na loja vegana? Produtos que também são queridinhos nos supermercados comuns: linguiça, presunto, hambúrguer, salsicha. Mas nesse caso, a salsicha, a linguiça e o presunto são de soja. O queijo é de castanha de caju e o hambúrguer de grão de bico.

A indústria acordou para esse mercado. Uma fábrica no Recife abriu, há seis meses, e já vende para quatro estados. “A gente acredita que a gente começou o projeto na hora certa”, comemora a empresária Kátia Carrero.

Coxinhas de carne de jaca e de shimeji estão entre os 16 mil salgados produzidos por mês em uma cozinha onde tudo foi adaptado. “Buscamos substituir os que chegassem mais próximo no valor nutricional”, explica a empresária Emanuelly Albuquerque.

No lugar da carne, as leguminosas, é o que indica a nutricionista Natália Alcântara: “Porque esses alimentos têm proteína, cálcio, ferro e zinco, que são os substitutos principais dessa carne”.

Há um ano, o movimento no restaurante de Guilherme Malthus não para de crescer. Ele aprendeu que os veganos, como qualquer pessoa, também comem com os olhos e são exigentes quanto ao sabor. Para quem está pensando em aderir, ele tem uma dica: “Antes de tirar as proteínas animais, colocar, acrescentar vegetais, leguminosas, que tudo isso fortalece a alimentação e depois você vai para um próximo passo, que é a retirada da carne e do resto dos derivados animais, queijo, leite, laticínio”.

Fonte: Jornal Hoje - 09/03/17

06/03/2017

Faculdade carioca sedia evento de veganismo e feira de adoção de cães e gatos

Muito bom, gente!!!!!! quem puder compareça.... Acho que vai ser um show!!!!
----------------------
O veganismo e a libertação animal serão tema de ciclo de palestras nas Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA), no Rio, no próximo dia 16. O evento “Veganismo” é uma parceria com as ONGs Veg Rio, Mercy For Animals Brasil e Oito Vidas, e contará com uma série de exposições e palestras sobre o assunto.

As explanações sobre aspectos éticos, socioambientais, jurídicos e de saúde envolvidos na relação entre homens e animais começam às 19h. As inscrições devem ser feitas no site da instituição. Das

09/02/2017

Farinha de inseto triplica proteína de almôndegas e bolinhos

Noutro dia toquei aqui sobre a questão de como alimentar os animais carnívoros no caso de todo mundo virar vegetariano ou vegano. Falei, também, que já existem estudos de substituir a proteína animal com uso de insetos. Taí uma matéria que nossa leitora Verônica nos mandou provando que a coisa está bem adiantada.
------------------------
Insetos na alimentação
O incentivo para o uso de insetos na alimentação, evitando os problemas da criação de gado, teve um novo reforço.

Pesquisadores do Centro de Pesquisa Técnica VTT, da Finlândia, desenvolveram ingredientes alimentares feitos de bicho da farinha, um verme comestível, e grilos.

O material resultante, na forma de uma farinha,

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪