Mostrando postagens com marcador ressonância magnética. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ressonância magnética. Mostrar todas as postagens

20/03/2017

Ressonância magnética em cães ajuda a identificar capacidade de aprendizagem


Alguém poderia imaginar isto? caramba....
Fonte: Daily Mail
Colaboração: Helô Arruda
--------------------
Pesquisadores da Universidade Emory descobriram que exames cerebrais de candidatos a estagiários de cães de serviço podem ajudar a prever quais são os mais propensos a falhar no programa de treinamento.

Os exames de ressonância magnética aumentam a capacidade de identificar cães que falhariam em 67 por cento dos casos, acima de 47 por cento sem o exame.

As descobertas são importantes porque há longas listas de espera para os cães de serviço, e o custo de treinar apenas um cão de serviço varia de US $ 20.000 a US $ 50.000.

O estudo envolveu a realização de exames de ressonância magnética em 43 cães que foram submetidos a treinamento de serviço na Canine Companions for Independence (CCI) em Santa Rosa, Califórnia.

CCI é uma empresa sem fins lucrativos que cria e treina cães para ajudar os seres humanos, e seu programa de cão de serviço, projetado para pessoas com deficiência, fornece cães que foram treinados para realizar tarefas como ligar luzes, pegando chaves caídas, abrindo portas e puxar uma cadeira de rodas manual.


Os cães de serviço são geralmente golden retrievers ou labradores, ou cruzas dos dois, pois eles têm uma natureza calma e amigável.

"Os dados da ressonância magnética funcional (fMRI) proporcionaram uma melhoria modesta, mas significativa, na capacidade de identificar cães que eram candidatos fracos", disse o neurocientista da Universidade Emory, Gregory Berns, que liderou a pesquisa. "O que a imagem cerebral nos diz não é apenas quais cães são mais propensos a falhar, mas por que", disse ele.

Todos os cães do estudo foram submetidos a testes de comportamento mostrando que eles tinham um temperamento calmo antes de serem escolhidos para o treinamento. Mas, apesar de aparentemente calma, alguns dos cães mostraram maior atividade na amígdala - uma área no cérebro associada à excitabilidade. Estes cães foram mais propensos a falhar o programa de treinamento.

"Os exames cerebrais podem ser como tomar a temperatura mental de um cão", diz Berns.

"Você poderia pensar nisso como um teste médico normal para um cão de serviço.

"E a intensa atividade neural que vemos na amígdala de alguns cães pode estar fora desse padrão, indicando um valor anormal para um cão de serviço ter sucesso", disse ele.

Os achados são importantes porque é caro o treinamento para cães de serviço e até 70% dos animais que iniciam um programa de treinamento de seis a nove meses têm de ser liberados do programa por razões comportamentais.

"Há longas listas de espera para cães de serviço, e o treinamento é demorado e caro", disse o Dr. Berns. "Assim, o objetivo é encontrar maneiras mais precisas de eliminar cães inadequados no início do processo." Mas o Dr. Berns disse que a abordagem fMRI não é viável para treinadores individuais e seus cães por causa da despesa. "Seria apenas prático para as organizações que treinam grandes quantidades de cães todos os anos", disse ele. Para o estudo, os pesquisadores ensinaram os cães como permanecer quieto ao se submeter à varredura fMRI no início do programa de treinamento.

Em um experimento inicial de um projeto para entender a cognição canina e a comunicação entre espécies, os cães foram treinados para responder a sinais manuais. Um sinal significava que o cão receberia um petisco de comida, e o outro significava que o cão não receberia um.


A região caudada do cérebro, associada a recompensas em seres humanos, se ativou quando os cães viram o sinal positivo, mas não para o sinal negativo. Os pesquisadores adaptaram esta experiência ao estudo atual - o maior ainda envolvendo cães submetidos a exames de fMRI.

Os cães foram ensinados os sinais de "petisco" e "não petisco" - mas às vezes os sinais foram dados pelo treinador do cão e outras vezes por um estranho.

Descobriram que cães com maior atividade no caudado em resposta ao sinal do tratamento - independentemente de quem deu o sinal - foram ligeiramente mais propensos a completar com êxito o programa de treinamento de cão de serviço.

No entanto, se o cão tivesse relativamente mais atividade na amígdala em resposta ao sinal de petisco, particularmente se foi dado por um estranho, a probabilidade de o cão falhar aumentou.

"O cão de serviço ideal é aquele que está altamente motivado, mas também não fica excessivamente excitado ou nervoso", disse o Dr. Berns. "As duas regiões neurais sobre as quais nos concentramos - o caudado e a amígdala - parecem distinguir essas duas características. "Nossos resultados sugerem que podemos ser capazes de captar variações nestes estados mentais internos antes de chegarem ao nível de comportamentos abertos".

Dr. Berns disse que espera que a tecnologia possa tornar-se mais refinada e ter aplicações para uma gama mais ampla de cães de trabalho, tais como aqueles usados ​​para ajudar os militares e a polícia.

05/03/2014

Como os cães sabem o que você está sentindo

Acho que estes caras perdem um tempo enorme comprovando o que sabemos na prática faz milênios.... eles custam a se convencer que os animais são superiores à nós em tudo.... Bah, tem gente que acha que nós é que somos a "evolução" ... a espécie "superior"..... Céus!!!!
___________________

Cães no Centro de Pesquisa MR,
em Budapest. Crédito: Divulgação
Exames de ressonância magnética do cérebro de cães revelam áreas de processamento de voz similares às dos cérebros humanos

Quando você ouve a voz de uma amiga imediatamente vêm à sua mente a imagem dela, mesmo que não a veja. E a partir do tom da sua fala rapidamente sabe se está feliz ou triste. Tudo isso é possível porque o cérebro humano possui uma área de processamento de voz.

Agora os cientistas, por meio de exames de ressonância magnética em um grupo de cães, descobriram que os cérebros dos cachorros também têm áreas dedicadas ao processamento da voz. A descoberta ajuda a explicar como os caninos podem entrar em sintonia com os sentimentos dos seus donos.

“É uma pesquisa absolutamente brilhante, inovadora”, diz Pascal Belin, neurocientista da Universidade de Glasgow, Grã-Bretanha, um dos membros

RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪