Mostrando postagens com marcador ditadura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ditadura. Mostrar todas as postagens

21/08/2017

Artigo: O ativismo pelo direito dos animais mergulhado em ditadura

Ontem me deparei com uma mensagem do ativista Julio Cesar Gomes, conhecido como Jota Caballero, que atua há bastante tempo na causa animal, desabafando sobre o comportamento inaceitável de certos veganos que tentam se apoderar de lutas iniciadas há muitos anos atrás como se fossem exclusivamente deles. Estas pessoas ditam regras/normas, falam e se comportam como se fossem os únicos capazes de promover o bem para os animais. Fazem um patrulhamento ideológico como se a causa de defesa animal fosse uma instituição hierárquica. Pera lá, calma aí.... Como diz o ditado: chegou agora e estão saindo na porrada para sentar numa janela que foi duramente conquistada? Evidente que estou falando de "certos veganos" e se alguém se sentiu incomodado com meu comentário, reflita por longos dois minutos se não é uma destas criaturas fora da casinha que exclui ao invés de agregar. Convidei, então, o Jota para escrever um texto elucidativo deste comportamento equivocado e que servisse para reflexão do coletivo. Quem sabe uma luz acende? Agora, pra mim, não podia ter sido melhor escrito.
===============

"O ativismo pelo direito dos animais mergulhado em ditadura"

Estão transformando uma luta tão nobre, talvez a maior, a luta pelos animais, em pequenos nichos, tutelados pelos mais graduados, condecorados por patentes que imaginam  possuir, com direito a regras, manipulação de pensamentos coletivos, sentimentos em linhas de produção e em série, é isso?   

A cobrança por comportamentos repetitivos e radicais acabam por não convencer ninguém, e sim — cansar. Ou seja, efeito colateral é uma realidade no ativismo pelo direito dos animais hoje no Brasil. A informação está aí, as ferramentas para fazê-la também, mas não há inteligência e nem raciocínio lógico, alguns estão desvirtuando  e denegrindo através de atitudes pra lá de irracionais, completamente impensadas.

Extremismo, assusta e rebela o alvo. Há diferenças brutais em mostrar  algo, para saber que aquilo existe, e apontar um dedo para acusá-lo, de algo que nem sabia que existia. Pelo que me lembro, não nasci sabendo e nem escolhendo o que poderiam me colocar na boca, o que deveria vestir, como deveria me comportar. Isso é pra lembrar que somos mais vítimas das circunstâncias do que da própria vontade até determinado ponto. Os mais justos e possuidores de uma consciência mais aflorada, percebem logo que existe algo de errado, e escolhem o caminho a si  tomar. É isso, se não respeitarmos esse limite do não conhecer, não agregaremos mais pessoas em uma era tão propícia para alavancar causas e libertar consciências e produzir efeito esperado.

O que vejo hoje é uma transformação em termos de informação que nunca tivemos, e a pouco tempo, onde, meros quinze,  vinte anos atrás, não imaginávamos que passaríamos por essa chuva meteórica e infinita de informação. Responsável por isso: internet.  Pois é, sabemos hoje tanta coisa,  que nos dão facilmente status de professor em determinado assunto, se comparado há alguns anos atrás, onde definitivamente quase nada se sabia, onde era só decorar livros estáticos e replicar o mesmo.

A causa animal se alavancou com a internet e produz hoje resultados pra lá de positivos. Nunca se resgatou tanto, salvou, ajudou. Nunca vídeos de crueldade passaram tanto por globos oculares, causaram reflexão e despertaram tanta gente. Isso é de fácil percepção. Precisamos ajustar o modo de atuar e não segregar um assunto tão profundo que é a vida dos animais. Em um mundo com 90% da população praticamente onívora, ser radical é ser comido também de garfo e faca, é potencialmente se enfraquecer, é se diminuir. Ainda não somos nada. 

Não temos a receita para o crescimento meteórico de um exército para  causa animal, no qual necessita-se muito, mas temos a lógica para que isso aconteça, que seria  introduzir, e não excluir, que seria trazê-los e não expulsa-los, digo, os que nem sabem o que é isso — causa animal.

Por favor não desvirtuem uma causa tão nobre, acusando, agredindo e se perfazendo como se fossem seres divinos, escolhidos, agraciados, não! Somos pessoas comuns que despertaram para a mentira sistêmica, para a violência velada por indústrias, para a covardia que a morfina social nos injeta e nos faz cometer atrocidades tão cruéis, como a que Hitler cometeu nos anos 40. É isso. 

Um ativista não poder expor pontos de vista pessoal, porque outro ativista não concorda? É no mínimo curioso. Ativistas  não saem de fôrmas de bolo, ativistas são seres humanos que passam por experiências pessoais desde o estado fetal, inerentes as suas condições sociais, culturais e religiosas,  que derivam para uma  visão política ou apolítica do  todo, conforme seus processos de percepção. 

Reprimir pensamentos alheios, linhas de raciocínio dentro de uma mesma causa, dá status de ditadura. Não concordar, não dá o direito de afrontar, e sim debater. Se a causa é a mesma e o objetivo é um só, as diferenças fazem parte do processo de aceitação e respeitar a adversidade de pensamentos.
Jota Caballero 

============
Leiam outros artigos do Jota Caballero:

07/01/2014

Off-topic - Roger do Ultraje a Rigor desabafa a dele e a minha verdade....

Publicação na Carta dos Leitores do Diário de São Paulo em 28/05/13. Quero dizer que faço as dele as minhas palavras, mas, não só referente ao Estado de São Paulo, mas, ao caos que se tornou o Brasil. Ah, ele não foi preso, mas, eu fui... por uma noite e um dia porque meu santo estava de plantão.... Que saudade tenho do Figueiredo e seus cavalos.... eu era feliz e não sabia.... sei não o que resta agora....


"Lutei contra a ditadura, sim! Tomei borrachadas, engoli gaz lacrimogênio, corri da cavalaria na Av. são João em direção à Praça Antonio Prado e à Praça da Sé. Participei das perigosas assembléias dos sindicatos, onde milicos escondidos na massa guardavam na memória o rosto dos mais exaltados. Arrisquei o emprego, pichei muro com os slogans "Abaixo à Ditadura". Distribui panfletos. Morri de medo. Chorei quando anunciaram a devolução do poder ao povo: eu e mais alguns milhões. Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de hospitais, bandidos matando por R$10, pessoas andando feito zumbis nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6 x 8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país desfilando uma incompetência absurda, a polícia corrompida, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos... Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz... Deveria ter ficado em casa", Roger Moreira.(do Ultraje a Rigor)

Fonte: Portal ANDIF

RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪