RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador curiosidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador curiosidade. Mostrar todas as postagens

23 de setembro de 2017

Um canal de vídeos espetaculares sobre animais

A Ana Marta nos mandou este vídeo e daí fui pesquisar sua origem. Caramba, encontrei uma coleção espetacular. Quase perco a hora vendo os vídeos deliciosos. Quando puder dá uma conferida..... Tenho certeza que vai gostar...
------------
National Dog Day! Estamos comemorando todos os melhores cachorros do ano (até agora)! Assista a esses cachorros bonitos comendo, fazendo truques e simplesmente sendo adorável!  O Pet Collective é o lar dos principais clipes de tendências, memes mais divertidos e vídeos de animais mais engraçados online. Simplificando, pensamos que os animais são os melhores de todos.

2 de julho de 2017

Porque é que gostamos tanto de vídeos com gatinhos?

Eu podia jurar que Maru era macho.... será que estou errada? Na matéria abaixo fala que é uma gatinha.... Estranho.....
-----------
Maru é uma gatinha japonesa que ganhou este ano um título no Livro de Recordes do Guiness por ser o animal com maior número de visualizações no YouTube (mais de 340 milhões de views). Este é um caso de sucesso mas está longe de ser o único: os vídeos de ‘animais a fazer coisas’ são uma receita de sucesso nas plataformas de partilha de conteúdos. Porquê este fascínio?

De acordo com a investigadora Jessica Gall Myrick, autora de um estudo sobre este tema, a razão pela qual as pessoas se deixam encantar com os vídeos de gatinhos e de cães tem a ver com o sentimento que estes proporcionam: sentimo-nos mais alegres e esperançados ao ver este tipo de conteúdo.

Mas não é só isso. Segundo uma investigação da Universidade de Hiroshima, no Japão, visualizar estes vídeos também torna as pessoas melhores no seu trabalho, porque facilitam a concentração e aumentam a atenção ao detalhe, refere o El País.

Assim sendo, já sabe: quando a jornada se começar a revelar frustrante, cansativa ou aborrecida, vá ao YouTube e procure um vídeo de um gatinho ou de um cachorrinho. São precisos apenas uns segundos para recuperar o sorriso.


28 de junho de 2017

Cidade dos EUA escolhe cadela como prefeita pela quarta vez

Acho interessante e curioso a ironia dos americanos nesta hora....
----------
Uma pitbull chamada Brynneth Pawltro venceu as eleições para a Prefeitura da pequena cidade de Rabbit Hash, no Kentucky (EUA).

O pleito foi acirrado. Pawltro venceu nas urnas uma gata e um burro. Sua plataforma eleitoral para ser eleita foi ter o melhor sorriso. No total, ela somou 3.300 votos.

É a quarta vez que um cão vence as eleições na cidade. Pawltro vai ocupar a vaga deixada por Lucy Lou, uma cadelinha da raça border collie.

A eleição é uma grande brincadeira. Desde 1990, Rabbit Hash elege um animal como prefeito para angariar fundos para melhorias da cidade.

Na eleição deste ano, um total de US$ 9.000 (cerca de R$ 30 mil) foi angariado. Esse dinheiro será usado na reconstrução de uma loja no centro da cidade, que foi alvo de um incêndio.

FONTE: Uol

1 de junho de 2017

Homem alimenta araras em sua varanda

Olha isto, gente!!!!!! eu sei que está errado alimentar animais silvestres em qualquer lugar do mundo, mas,  é uma delícia ver esta interação homem X animal, ou não? coisa muito linda......
------------------

26 de abril de 2017

Pesquisa comprova: conversar com os animais não é sinal de loucura, mas sim de inteligência

Por isto que todos nós somos super inteligentes.... kakakakaka....
------------------------
Quem nunca foi flagrado conversando com um animal de estimação? Tentar humanizar ou racionalizar os pets é prática comum dos seres humanos, e ao contrário do que muitos pensam, conversar com eles não é sinal de loucura, mas sim de inteligência.

Pelo menos é o que mostrou pesquisa realizada pelo Dr. Nicholas Epley, professor do departamento de ciências comportamentais da Universidade de Chicago. “Historicamente, a humanização de objetos e bichos sempre foi considerada como algo infantil e estúpido, mas é na verdade um subproduto natural desenvolvido pelo cérebro humano”, diz.

Um dos sinais mais comuns da antropomorfização é nomear coisas. O que ocorre porque além da habilidade de enxergar rostos em tudo, humanos atribuem mentes pensantes ao que gostam, dando-lhes características de gente. O hábito é visto pelos especialistas como sinal de inteligência. “Não existem outras espécies que ajam dessa forma. É isso que faz do homem o animal mais inteligente do planeta”, explicou o Dr. Epley.

Para tentar separar rostos amigos de predadores, buscamos por sinais na face dos outros. Esse instinto é tão forte que se torna normal dar rostos às coisas. Apesar de estudos ainda não terem feito um link claro entre a antropomorfização e a inteligência social, o professor diz que a associação é muito forte, pois quanto mais os humanos entendem outras mentes, mais conseguem interpretar intenções. Por outro lado, pesquisa divulgada pela revista Science, realizada por pesquisadores da Universidade Eotvos Lorand, em Budapeste, mostrou que os cachorros não só entende o som, como também compreendem as palavras direcionadas a eles. Exames feitos com aparelhos de ressonância magnética mostraram que eles reconhecem palavras distintas, independentemente da entonação da voz. Assim como o cérebro humano, o hemisfério cerebral esquerdo processa palavras e o direito processa a entonação. Segundo os especialistas, o processo de domesticação desenvolveu a estrutura cerebral de algumas espécies.

24 de abril de 2017

Para resistir até 18 minutos sem ar, este rato vira uma planta

Animais são, indiscutivelmente, superiores a espécie humana considerando a vida natural do planeta.
------------ 
Usando a frutose como reserva de energia, o simpático rato-toupeira-pelado ri da cara do perigo - e se dá bem em ambientes onde o ar quase não chega

Feio, sim, mas com conteúdo. Um verdadeiro alien da família dos roedores, o rato-toupeira-pelado é um bicho estranho não só por causa da aparência. Por trás desse corpo enrugado, sem pelos e de dentões enormes, há uma capacidade de sobrevivência inacreditável.

Feio, sim, mas com conteúdo. Um verdadeiro alien da família dos roedores, o rato-toupeira-pelado é um bicho estranho não só por causa da aparência. Por trás desse corpo enrugado, sem pelos e de dentões enormes, há uma capacidade de sobrevivência inacreditável.

Pesquisas anteriores já haviam descrito sua habilidade de nunca contrair câncer, e os resultados de um estudo inglês adicionam mais um tópico à lista de bizarrices que o envolve: conseguir ficar sem oxigênio numa boa, por incríveis 18 minutos. Mais intrigante que a habilidade, é como ele se vira para fazer isso – imitando um mecanismo metabólico até então exclusivo das plantas.

Assim como os demais mamíferos, os ratos-toupeira-pelados obtém sua energia a partir da queima de glicose. Havendo oxigênio, a glicose é transformada pelo corpo em ATP, molécula menor que é a fonte primária de energia das células.

Numa emergência, a quebra da glicose sem oxigênio pode ser mantida por curtos períodos, apesar de ser 20 vezes menos eficiente. Mas a vida embaixo da terra não é das mais fáceis – tanto que o ar em abundância pode ser considerado artigo de luxo. A solução encontrada pelo rato-toupeira foi simplesmente passar a produzir ATP a partir de frutose – processo que tem custo zero de oxigênio.

A frutose é o principal carboidrato de reserva das plantas. Ela é um dos produtos da fotossíntese, juntamente com a glicose e a sacarose. Estas outras duas são transformadas em frutose a partir de uma série de reações químicas, e ficam armazenadas nos frutos ou sementes das plantas – e são obtidas pelos animais por meio da alimentação.

Os ratos-toupeira conseguem utilizá-la como fonte energética porque possuem moléculas e enzimas capazes de quebrar a frutose – que tem bem menos energia, mas que pode representar a sutil diferença entre morrer e permanecer vivo.

Um experimento conduzido na Univerisdade de Illinois, nos EUA, uniu em um ambiente com disponibilidade zero de oxigênio ratos-toupeira-pelados e outras cobaias, usadas como controle. Na ausência de ar, ambos os grupos “apagaram” instantaneamente. Só que, diferente dos ratos comuns, que com o desmaio já partiram desta para uma melhor, os ratos-toupeira permaneceram em um estado de “animação suspensa”, por cerca de 18 minutos.

Nesse estado, os processos vitais se desaceleram quase que por completo, sem provocar a morte. Apesar de órgãos vitais como cérebro e coração permanecerem intactos, eles seguem funcionando em ritmo bem diferente – o coração, por exemplo, vai de 200 batidas por minuto do estado normal para meros 50 batimentos.

As consequências dos baixos níveis de oxigênio levam os animais a uma espécie de transe: eles param de se mover, ficam com os olhos semi-cerrados, e têm a pulsação reduzida drasticamente. Ao mesmo tempo, surgem picos de frutose no sangue – como retratado no estudo, publicado na revista Nature.

A estratégia pode ter evoluído em decorrência do estilo de vida um tanto precário que eles mantém, explica Thomas Park, autor da descoberta e professor da Universidade de Illinois. As tocas dos ratos-toupeiras costumam ser abafadas, e eles têm de conviver e até dormir junto de um grande número de vizinhos pelados.

No vídeo abaixo (feito pelo The Guardian), os pesquisadores dão mais detalhes sobre esse mecanismo, tão estranho quando os próprios ratos-toupeira-pelados. “Se fazer de planta” tem outro significado para esses animais – e não tem nada a ver com ignorar as circunstâncias.


FONTE: super.abril

21 de abril de 2017

Pombos têm a mesma habilidade humana para acumular sabedoria

Pois é.... aí vem esta turma de bobalhões dizendo que eles são ratos alados.... pobres pombos.....
------------------------
Aves desenvolvem inteligência coletivamente, assim como nós
RIO — Dizem por aí que ser chamado de "cérebro de passarinho" não é a coisa mais agradável do mundo. A expressão costuma ser associada à burrice. Mas agora um estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) veio salvar a reputação das aves. Segundo pesquisadores, os pombos são, além dos seres humanos, a única espécie do planeta capaz de transmitir sabedoria através das gerações.

Embora muitos animais ensinem habilidades básicas para seus filhotes, como aprender a caçar, até agora não se sabia de nenhuma espécie que acumulava coletivamente técnicas e experiências, como faz a Humanidade.

Agora, os cientistas britânicos descobriram que os pombos-correios conseguem melhorar sua eficiência em percorrer grandes distâncias ao longo do tempo.

O experimento consistiu em mandar casais de pombos voarem uma rota específica e, em seguida, substituir continuamente um deles, que já estava experiente, por outra ave que nunca havia voado aquele trajeto.

Assim, foi possível conferir que as aves individuais conseguem passar sua experiência em percorrer uma trajetória a outro pombo. Os pesquisadores concluíram que o desempenho e a inteligência coletiva do grupo melhoraram e as rotas eram cumpridas com mais eficiência.

— A comunidade científica acreditava que somente os seres humanos teriam a capacidade cognitiva para acumular conhecimento em uma sociedade. Nosso estudo mostra que os pombos também contam com esta habilidade, e conseguem melhorar progressivamente um problema comportamental ao longo do tempo — descreve Takao Sasaki, coautor da pesquisa, publicada na revista "Nature Communications".

— A melhoria gradual não é devido a novas ideias sobre como percorrer uma trajetória. Na verdade, as inovações vistas em cada geração vêm de uma forma coletiva de inteligência, que surge através da união de casais que buscam em conjunto a solução de um problema. Em outras palavras, duas cabeças são melhores que uma — explica a coautora do levantamento, Dora Biro.

FONTE: oglobo

12 de abril de 2017

Casal de gansos domesticados atrai olhares e vira atração em Poços de Caldas - MG

Só estou preocupada que os gansos vão ficar adultos e com eles não tem muita conversa não.... Será que ao saírem vão ficar passivos? sei não...
----------------------
Um fazendeiro em Poços de Caldas (MG) tem chamado a atenção de moradores e turistas ao passear com seus animais de estimação pelas ruas do Centro. Um deles é um cachorro que já está na família há 12 anos, mas é o casal de gansos domesticados que tem causado espanto na cidade.

O Tico e a Teca são barulhentos e um tanto quanto desengonçados. O casal de gansos tem apenas três meses de vida, vivem longe da roça e já estão mais do que acostumados com os sons da cidade. O dono dos animais conta que cresceu em uma fazenda e que sempre lidou com as aves.

“A gente sempre criou esses gansos na fazenda, desde o tempo do meu pai. Meu pai já tinha criação lá na fazenda e ele sempre trazia pra criar aqui na cidade, mas depois que pegava certa idade e empenava, ele levava de volta pra fazenda. E há uns meses atrás nasceram esses dois e eu resolvi trazer pra cá, pra fazer companhia pra gente”, contou o fazendeiro e dono dos animais, Luciano Junqueira.

Morando em uma casa no Centro da cidade, o casal de bicudos tem tratamento especial. Os gansos são alimentados com ração. A fêmea ganha até brilhos para enfeitar as penas e não dispensa um colo e um cafuné. Já o Tico é mais genioso e fica sempre em alerta quando alguém quer se aproximar do dono.
E assim como a maioria dos animais de estimação, Tico e Teca também adoram passear e fazem isso todos os dias. O casal conta com a companhia do Tango, o cão da família da raça Golden Retriever, de 12 anos. “O Tango é fundamental, sem o Tango eles não saem. Eles adoram o Tango”, contou Luciano.

Na hora do passeio, Tango, de coleira, vai à frente. Atrás de Luciano, seguem Tico e Teca obedientes. A distância da casa até o Centro é curta, mas o passeio é sempre demorado, porque a cada passo dos animais, eles são parados por curiosos que registram a cena.
“Curioso, né. Não é muito comum isso no dia a dia e sempre que eu vejo alguma coisa, principalmente, desse tipo eu paro para fotografar”, disse o fotógrafo Gustavo da Silva Mendonça.

Em um dos endereços mais movimentados de Poços de Caldas, a Rua Assis Figueiredo, o jeito é andar enfileirado para dar passagem para tanta gente. Durante o percurso não tem quem não olhe para eles. “Por um lado eu achei estranho, por outro lado eu achei bem legal. E dá vontade de ter um ganso”, contou Gabriel Arão, de 8 anos.

Eles também chamam a atenção de quem está no trânsito do Centro da cidade, mas para alguns a rotina dos gansos já passou a ser respeitada. “Eu acho interessante, porque a gente aprende a respeitar os animais. Eu acho ótimo”, contou o oficial de cartório Benedito Pomarico.
“É uma maneira da gente mostrar que os animais são capazes de amansar, de serem adestrados, de serem mansos, de acompanhar. Eles são amigos da gente, na verdade, né”, finalizou o dono dos gansos.

Fonte: G1 - EPTV

20 de março de 2017

"Animais marinhos não são atrações turísticas", destaca associação R3 Animal


É claro que não devem ser considerados atrações turísticas, mas, como não ficar curioso de ver um animal que chega nas praias para descansar. Acho que nestes casos as autoridades deveriam colocar algum policial para garantir que o animal não será molestado.
------------------------
Por meio de nota, a R3 Animal, associação sem fins lucrativos que auxilia a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) e Polícia Militar Ambiental no tratamento e resgate de animais apreendidos e vítimas da ação humana em Santa Catarina, destacou que a presença de animais, como o elefante-marinho visto em Coqueiros e Palhoça na última semana, não deve ser encarada como um atrativo turístico.

O animal visto nos últimos dias é um elefante-marinho-do-sul (Mirounga leonina), que vem para o litoral brasileiro em busca de alimentos e precisa de descanso antes de retornar ao habitat de origem. 

Apesar de despertar a curiosidade da população, a médica veterinária e presidente da R3 Animal, Cristiane Kolesnikovas, ressalta que é imprescindível que as pessoas não se aproximem e permitam que o animal descanse. 

— É uma espécie muito comum nas regiões de águas frias, dos Hemisférios Norte e Sul, que vem para o nosso litoral em busca de alimentos. Antes do retorno, é comum o elefante-marinho-do-sul repousar na orla das praias por até uma semana. Quando não consegue descansar, o animal fica estressado e não tem força suficiente para retornar ao habitat de origem — explica.

A R3 Animal também informa que algumas pessoas entraram em contato relatando que curiosos estão jogando água e cutucando a boca do animal com pedaços de madeira para fazer registros fotográficos. 

— Precisamos lembrar que o elefante-marinho-do-sul é uma animal selvagem e que não pode ser uma atração turística. Além disso, a luz emitida pelos flashs das câmeras e telefones, a aproximação constante e a água jogada no animal pelas pessoas são completamente estressantes — ressalta Cristiane.

As diferenças entre o elefante-marinho e o leão-marinho

O animal que apareceu na Grande Florianópolis não é um leão-marinho, mas um elefante-marinho. Uma das diferenças entre os animais está na forma de locomoção. O elefante-marinho apoia o corpo nas nadadeiras, que ficam direcionadas para frente. No caso do leão-marinho, as nadadeiras ficam direcionadas para a cauda.

Outra diferença são as orelhas, presentes no leão-marinho e ausentes no elefante-marinho. Dada a origem dos nomes, o elefante-marinho macho apresenta o focinho em formato de tromba e o leão-marinho macho possui uma juba que assemelha-se a de um leão.

FONTE: dc.clicrbs

17 de outubro de 2016

Como os ursos fazem suas necessidades fisiológicas durante a hibernação de 7 meses?

Gente, agora para liberar este 'tampão"..... ui.... tadinhos......
------------------------
Dormir por meses pode ser o desejo de muitas pessoas, mas esse é um privilégio exclusivo dos ursos. Os animais chegam a hibernar por 7 meses. E você já chegou a se perguntar como eles fazem com suas necessidades fisiológicas? O siteMegacurioso respondeu a pergunta.

Já que nesse longo período de hibernação os ursos não se alimentam, o corpo dos animais

17 de junho de 2016

Por que os gatos têm hábitos tão esquisitos?

Kakakaka.... só o título da matéria já é motivo p´ra gente se deliciar, não?
------------------------
Os ancestrais do gato aprenderam a ser caça e caçador - e o seu pet ainda anda pela sala como se estivesse na selva.

De dentro de uma gaveta, do alto da estante ou embaixo do móvel, você vê dois pares de olhos brilhantes se destacando na escuridão. Parece o início de filme de terror, mas é uma experiência diária para quem tem gatos e para os milhões de fanáticos que transformam os vídeos felinos

23 de outubro de 2015

Cão desperta a curiosidade de vacas


Achei o encontro bem curioso.... elas curiosas e ele valentão.....
--------------------------------------------

31 de agosto de 2015

Você já tinha imaginado como as girafas dormem?

Leitora Sandra mandou p´ra gente..... Caramba, sempre soube que girafas dormem pouquíssimo e em pé. O  metabolismo baixa  igual a outros tantos animais e eles ficavam meio letárgicos.... daí recuperavam suas forças.... Olha só que engraçado a grandona deitada.... que trabalheira deve dar para levantar, não? E sei que elas se deitam somente quando se sentem muito seguras de não precisar sair correndo de algum predador....
-------------------------------------------


Dê uma boa olhada nestes fotos de girafas dormindo, porque não é sempre que você vai ver essa cena. Na verdade, apesar de ser o animal mais alto, girafas têm os requisitos mais curtos de sono de

15 de maio de 2015

Golfinhos também possuem redes sociais!

A comparação é muito boa.... Nossa colaboradora Helô nos mandou a curiosidade.... E ainda matam e aprisionam estes seres... 
-----------------------------------------------------------


Eles podem não estar no Facebook ou no Twitter, mas os golfinhos, de fato, formam redes sociais altamente complexas e dinâmicas, de acordo com um estudo recente realizado por cientistas no Porto Branch Oceanographic Institute (HBOI) na Florida Atlantic University. 

Os golfinhos são conhecidos por serem animais altamente sociais, e uma equipe de pesquisadores da HBOI estudou mais de perto as interações em um grupo de animais que vive na lagoa  Indian River (IRL), descobrindo como eles se misturam e com quem eles passam o tempo.


 Através de pesquisas  intensivasde foto-identificação realizadas na lagoa, realizadas ao longo de um período de seis anos e meio, os pesquisadores foram capazes de aprender sobre os padrões de

21 de abril de 2015