RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador cão Orelha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cão Orelha. Mostrar todas as postagens

26 de maio de 2017

Cão 'Orelha' é encontrado por aluna e professora em Uberlândia

Que coisa maravilhosa não? A persistência da Ana Clara e da Ana Boneti foi abençoada e ele foi encontrado..... Olha o que ela escreveu e se quiser saber mais clique aqui:
ORELHA FOI ENCONTRADO!! 🐕💓🐕💓
Depois de 18 dias, nosso amigo tão precioso foi encontrado hoje! Muito obrigada a todos que se dedicaram a nos ajudar e compartilharam de nossa angustia com consolos e tanto amor! O Orelha agora vai pra um lar de muito carinho!! Depois de ter sido levado amarrado em um porta-malas de um carro da UFU Umuarama onde morou por 4 anos e ter sido abandobado no Seringueiras, nosso caozinho finalmente foi encontrado na Unitri por nós depois de tantas e tantas buscas! Nosso guerreiro sobreviveu sozinho entre tantas andanças e carros esses dias! Confiem em Deus, conseguimos!
--------------

Cachorro desapareceu no dia 12 de maio, quando foi levado por um vigilante da UFU para um bairro distante. Ele foi localizado em uma universidade particular; MP havia dito que tomaria providências sobre o caso. 

Após 18 dias desaparecido, o cão “Orelha” foi encontrado na manhã desta quinta-feira (25) em uma faculdade particular no Bairro Gávea, em Uberlândia. O cachorro sem raça definida, que vivia no campus Umuarama da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) sumiu no último dia 12. Na ocasião, o vigilante de uma empresa terceirizada, que presta serviço para a UFU, confessou ao G1 e ao MPMG que deixou o animal no Bairro Seringueira e que foi pago por outra pessoa para realizar o serviço.

Segundo a estudante da UFU, Ana Clara França, todos os dias ela saía junto com a professora da universidade, Ana Boneti, para procurar o cão em lugares que ele tinha sido visto. “Entramos nessa faculdade e fui até à lanchonete grudar alguns cartazes, quando ouvi a professora me gritar de longe no pátio com o Orelha no colo”, contou a Ana.

Ana disse que o cachorro atendeu o chamado do nome que lhe foi dado e que também foi reconhecido pelos machucados, agora já cicatrizados, que ele tinha quando vivia na UFU. “Nós que cuidávamos dele lá, dávamos comida, água e carinho. Reconheceria ele em qualquer lugar do mundo”, disse.

A estudante levou o cachorro para casa e realizou os primeiros cuidados. Ana comentou que agora o “Orelha” será adotado por ela e pela professora. “Ele está bem. Nós agora queremos saber o que vai acontecer com os culpados”, acrescentou.

O G1 entrou em contato com o promotor Breno Lintz, que abriu um procedimento no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para apurar o caso para saber como está o andamento da situação, porém as ligações não foram atendidas.

Orelha desaparecido
Um grupo de estudantes da UFU procurou o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), no dia 12 de maio, relatando o desaparecimento do cão que vivia no campus Umuarama. De acordo com o promotor Breno Lintz, o cachorro que atendia pelo nome de "Orelha" morava próximo ao prédio da biblioteca da universidade e era alimentado por estudantes e funcionários.

Na ocasião, o vigilante de uma empresa terceirizada que presta serviço para a UFU, confessou ao G1 e ao MPMG que deixou o cão no Bairro Seringueira e que foi pago por outra pessoa para realizar o serviço. "Algumas pessoas reclamavam que ele latia muito e que algumas vezes atrapalhava. Não fiz por mal e não quero mais envolver ninguém nisso. Eu deixei o cão no Bairro Seringueira e agora estou atrás dele 24 horas por dia. Estou assustado e com medo de perder o emprego", relatou o homem na época, que preferiu não se identificar.

Breno Lintz também disse que notificou a empresa em que ele trabalha e que notificaria a UFU. "Representantes da empresa terceirizada serão ouvidos no dia 29 de maio. Eles não ofereceram treinamento para o colaborador. E ainda irei notificar a UFU, pois a meu ver eles também são responsáveis pelo ocorrido, pois mantêm o campus aberto quando na verdade deveriam fechar o local como recomenda o Ministério da Educação (MEC)", explicou.

A reportagem tentou contato no dia 19 de maio por telefone com o vigilante, mas as ligações não foram atendidas. O G1 também voltou a falar com a UFU, que informou que só se pronunciaria sobre a notificação após ser acionada pelo MPMG.

Já a empresa responsável pela vigilância da universidade, TBI Segurança, disse em nota que só teria acesso ao conteúdo da denúncia e do resultado das apurações da Promotoria de Crimes Ambientais no dia 29 e maio e que só depois de conhecer os fatos se pronunciaria sobre o ocorrido, adotando as providências adequadas à situação.