Mostrando postagens com marcador animais marinhos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador animais marinhos. Mostrar todas as postagens

18/06/2017

Salvar animais marinhos no maior centro de reabilitação da Europa

Um dos trabalhos que mais exigem dos biólogos e cuidar de animais marinhos, concordam? é preciso muita dedicação e eu parabenizo sempre este tipo de escolha destes profissionais...
-----------
Centenas de animais marinhos são encontrados todos os anos feridos ou doentes ao longo da costa portuguesa. Desde agosto de 2016, o Centro de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos, o maior do gênero na Europa, já resgatou 262 para tratamento e devolução à natureza. Hoje, as tartarugas Crioula e Tejo, os gansos-patolas Geraldo e Elvis e outras aves marinhas recebem a visita de Marcelo Rebelo de Sousa, na abertura oficial do laboratório da Universidade de Aveiro

A tartaruga Crioula tem o péssimo hábito de devorar tudo o que lhe aparece à frente. Tanto come caranguejos e camarões como plásticos, redes e anzóis. Além disso, tem também um problema na carapaça, que a impede de mergulhar. É um dos pacientes mais difíceis do Centro de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (CPRAM), o maior centro de resgate e salvamento destes animais na Europa, que se localiza na Gafanha da Nazaré, em Ílhavo. Cabe à equipa a difícil missão de a ensinar a mergulhar e a alimentar-se corretamente para que possa ser devolvida à natureza.

O CPRAM está integrado no Ecomare - Laboratório para a Inovação e Sustentabilidade dos Recursos Biológicos Marinhos da Universidade de Aveiro (UA), que é inaugurado hoje pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa cerimónia que conta com a presença da Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino. Um projeto que envolve também o Porto de Aveiro, a Câmara Municipal de Ílhavo, a Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem e a Oceanário de Lisboa.

Todos os anos, centenas de animais marinhos são encontrados feridos ou doentes. "O nosso objetivo é tratá-los, reabilitá-los e devolvê-los à natureza", explica ao DN Amadeu Soares, diretor do Departamento de Biologia da UA. Do Tejo chegou recentemente uma tartaruga, que inaugurou a sala de operações. Tinha ingerido vários tipos de lixo, como redes e anzóis, o que obrigou a uma intervenção cirúrgica. "Está boa, à espera de que o tempo passe", garante o coordenador científico do Ecomare. Tal como a Crioula, a Tejo - como foi batizada - tem um tanque só para si. São quatro, no total, destinados à reabilitação de aves, cetáceos, tartarugas e focas. Mas existem outros mais pequenos na Unidade de Cuidados Intensivos, que alberga os animais acabados de chegar.

No tanque das aves, dois gansos-patolas - o Elvis e o Geraldo - convivem com duas gaivotas. Esperam a chegada de um outro animal da mesma espécie, encontrado ferido e oleado pelos fuzileiros, que ainda se encontra na UCI. Dentro de um dos tanques desta unidade está uma torda-mergulheira, que recupera de um problema de impermeabilização das penas.

Desde agosto de 2016, altura em que começou a funcionar, o centro recebeu 262 animais: 249 aves marinhas, nove mamíferos e três tartarugas. "Chegam de várias formas. Ou é a Polícia Marítima que os entrega, ou é o público que nos avisa." Há, inclusive, uma ambulância - SOS Animais Marinhos - para ir buscar os animais. Entre os principais problemas, há golfinhos e tartarugas que arrojam ou apanhados em redes, animais com "problemas de petroleamento, devido a lavagem de tanques", ou que comem o que não devem, aves com doenças, mordidas, com asas partidas ou queimadas. "Há problemas causados pelas nossas atividades. A queima das penas deve estar relacionada com químicos que andam no mar."

Amadeu Soares diz que a taxa de sucesso na reabilitação é de 55%, quando a nível mundial se situa nos 25%. "Há animais que chegam em condições que não são mesmo recuperáveis. Outros morrem no caminho, ou são encontrados mortos", adianta. Recentemente, a equipa foi chamada para resgatar um golfinho, que apareceu na praia de Santa Cruz, mas o animal acabou por morrer no caminho. "Depois verificámos que estava infetado com um vírus e que iria morrer de qualquer maneira." Já neste ano, foi trazida dos Açores uma foca com uma doença transmissível ao homem. Depois de curada, foi libertada no mar Céltico, perto da Irlanda, com a ajuda de navios de pescadores que, tal como a Marinha, dão boleia aos animais na libertação.

Substitui centro de Quiaios
O CPRAM conta com a experiência de vários anos de trabalho, acumulada no Centro de Reabilitação de Animais Marinhos, que funcionava em Quiaios e cujas atividade foram transferidas para Ílhavo. Está dimensionado para receber picos diários de 300 aves e conta com uma equipa de cerca de 30 pessoas, entre médicos e enfermeiros veterinários, biólogos e tratadores.

A seguir à UCI encontramos um edifício onde se situa o maior tanque do CPRAM. "É o chamado tanque da musculação, que usamos caso os animais precisem de fazer exercício. É quase um ginásio para desenvolverem os seus músculos antes de serem libertados no mar", diz Amadeu Soares. É também aí que está instalada uma estrutura que funciona como hospital veterinário.

É Catarina Eira, investigadora, quem começa a visita guiada. "Na sala da triagem faz-se o primeiro diagnóstico. Verificam-se todos os membros para ver se há fraturas, feridas, traumatismos. Se for preciso algum tratamento mais superficial, faz-se aqui", explica ao DN. É também na triagem que se determina se é preciso um raio X ou uma endoscopia, por exemplo, exames que são feitos na enfermaria, onde também é possível realizar cirurgias de pequena dimensão. Segue-se a sala de lavagem, não só dos animais como também dos substratos onde se encontram, "que têm de ser lavados várias vezes por dia para não haver contaminação". Há também uma sala de secagem e um laboratório de saúde animal, onde são feitas várias análises.

Marisa Ferreira, investigadora da Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem, diz que os maiores desafios são os cetáceos, pois exigem vigilância 24 horas por dia. "Normalmente, quando arrojam vêm em condições muito graves, o que torna tudo muito complicado, em termos de reabilitação. São os casos mais exaustivos e desafiantes", justifica. Além disso, acrescenta Catarina Eira, a medicação e alimentação tem custos elevados, sendo necessárias 16 pessoas para cuidar de um golfinho nos primeiros dias de reabilitação. O objetivo, frisa Marisa, é sempre devolver os animais: "Ficamos muito contentes quando são devolvidos à natureza e podem retomar a sua vida quotidiana."

A outra ala - mais virada para a investigação - alberga um banco de tecidos de animais marinhos, uma sala de amostras líquidas e uma sala com esqueletos, carapaças, crânios.

4,9 milhões de investimento
No total, o Ecomare contou com um investimento inicial de 4,9 milhões de euros, 85% de fundos comunitários e 15% nacionais. Além do "hospital" e da zona dos tanques, tem um outro edifício, onde funciona o Centro de Extensão e de Pesquisa em Aquacultura e Mar, destinado ao desenvolvimento de investigação de excelência para responder a questões da indústria.

Na biblioteca viva de invertebrados marinhos, há diferentes tipos de corais mantidos vivos para investigar compostos bioativos com utilidade na indústria cosmética e farmacêutica. Já na sala multiusos, Sónia Cruz desenvolve o projeto Hulk - Cloroplastos Funcionais dentro de Células Animais. A investigadora explica que há lesmas do mar que habitam nas algas e se alimentam delas, sequestrando-lhes o cloroplasto, o que permite que vivam como plantas. Como o fazem e qual a importância disso são algumas das perguntas para as quais espera vir a ter resposta.

FONTE: DN PT

20/03/2017

"Animais marinhos não são atrações turísticas", destaca associação R3 Animal


É claro que não devem ser considerados atrações turísticas, mas, como não ficar curioso de ver um animal que chega nas praias para descansar. Acho que nestes casos as autoridades deveriam colocar algum policial para garantir que o animal não será molestado.
------------------------
Por meio de nota, a R3 Animal, associação sem fins lucrativos que auxilia a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) e Polícia Militar Ambiental no tratamento e resgate de animais apreendidos e vítimas da ação humana em Santa Catarina, destacou que a presença de animais, como o elefante-marinho visto em Coqueiros e Palhoça na última semana, não deve ser encarada como um atrativo turístico.

O animal visto nos últimos dias é um elefante-marinho-do-sul (Mirounga leonina), que vem para o litoral brasileiro em busca de alimentos e precisa de descanso antes de retornar ao habitat de origem. 

Apesar de despertar a curiosidade da população, a médica veterinária e presidente da R3 Animal, Cristiane Kolesnikovas, ressalta que é imprescindível que as pessoas não se aproximem e permitam que o animal descanse. 

— É uma espécie muito comum nas regiões de águas frias, dos Hemisférios Norte e Sul, que vem para o nosso litoral em busca de alimentos. Antes do retorno, é comum o elefante-marinho-do-sul repousar na orla das praias por até uma semana. Quando não consegue descansar, o animal fica estressado e não tem força suficiente para retornar ao habitat de origem — explica.

A R3 Animal também informa que algumas pessoas entraram em contato relatando que curiosos estão jogando água e cutucando a boca do animal com pedaços de madeira para fazer registros fotográficos. 

— Precisamos lembrar que o elefante-marinho-do-sul é uma animal selvagem e que não pode ser uma atração turística. Além disso, a luz emitida pelos flashs das câmeras e telefones, a aproximação constante e a água jogada no animal pelas pessoas são completamente estressantes — ressalta Cristiane.

As diferenças entre o elefante-marinho e o leão-marinho

O animal que apareceu na Grande Florianópolis não é um leão-marinho, mas um elefante-marinho. Uma das diferenças entre os animais está na forma de locomoção. O elefante-marinho apoia o corpo nas nadadeiras, que ficam direcionadas para frente. No caso do leão-marinho, as nadadeiras ficam direcionadas para a cauda.

Outra diferença são as orelhas, presentes no leão-marinho e ausentes no elefante-marinho. Dada a origem dos nomes, o elefante-marinho macho apresenta o focinho em formato de tromba e o leão-marinho macho possui uma juba que assemelha-se a de um leão.

FONTE: dc.clicrbs

21/02/2017

Epidemia da contaminação de plástico ameaça paradisíaca ilha de Bali

Os mares estão morrendo.... tudo imundo graças ao vandalismo da espécie humana.... destruir o mundo que sobrevive..... não existe explicação para isto, ou melhor, é a comprovação de minha antiga teoria: somos experimentação genética de gente de outros planetas.... só pode!
------------------------
A Indonésia é, com 3,2 bilhões de toneladas de resíduos de plástico, o segundo país do mundo com maior índice de contaminação pelo plástico.

Praias paradisíacas, extensos cultivos de arroz e centenários templos hinduístas fazem parte da propaganda turística da ilha indonésia de Bali, um éden que batalha contra a epidemia da contaminação de plástico.

A Indonésia é, com 3,2 bilhões de toneladas de

13/02/2017

Idosa dedica tempo a animais marinhos e vida à natureza

Engraçado é que a gente lê os comentários de umas "jovens ativistas" que vivem chamando outras pessoas de velhas sem ao menos conhecer o mérito destas que elas supõem estar ofendendo. 

Chamar Brigite Bardot de velha não é vantagem porque todos nós sabemos que o tempo de juventude se foi para ela. Mas, avaliar seu passado e baixar  a cabeça em sinal de respeito para pessoas que trabalham pelos animais há mais tempo, não o fazem preferindo vomitar sua podridão interna..... Olhem o exemplo simples de uma mulher que faz sua gotinha para apagar o incêndio....

30/08/2016

Tanques do AquaRio, que abrirá em novembro, já estão cheios de animais

Hoje, o Bom Dia Rio da TV Globo, fez uma matéria grande sobre o assunto: Tanques do AquaRio recebem espécies . O que falar? fato consumado.... 
------------------------
Foram quatro anos de obras e investimento privado de R$ 120 milhões

RIO - A nova Orla Conde revelou aos cariocas um pedaço da Baía de Guanabara que há muito tempo estava escondido. Agora, ali mesmo, na Região Portuária, já é possível também “mergulhar" em 4,5 milhões de litros d’água,

01/06/2016

Cervejaria produz aros comestíveis para evitar morte de peixes nos EUA

Muito legal!!!! ou seja, quando se quer é possível fazer tudo considerando a tecnologia tão avançada.... Veja o vídeo que mostra a fabricação deste material.... está em inglês, mas, dá para entender direitinho....
---------------------
Material é feito com restos de trigo e cevada que sobram da produção.
Aros plásticos causam deformações e mortes em milhares de animais.

Tartaruga come aro comestível produzido pela Saltwater Brewery 
(Foto: Reprodução/Youtube/We Believers)

Uma cervejaria do estado americano da Flórida criou aros comestíveis para suas embalagens de seis latas, com o objetivo de evitar a imagem dramática de peixes mortos e tartarugas deformadas por

09/05/2016

Tubarão baleia encalha, na costa de Angra dos Reis - RJ

Noutro dia li que, as vezes, devolver o animal é pior. Mas, deixá-lo na areia ou encalhado a morte é certa, né mesmo?
------------------------
Pescadores ajudaram o animal a voltar para alto mar, na praia de Monsuaba.   




23/03/2016

Animais marinhos raros encontrados em jaulas submersas na Indonésia


O pobre animal foi libertado (pelo menos diz a matéria), mas, estes nojentos infelizes não vão prender outros? Ataulfo Alves disse: a maldade desta gente é uma arte.....
----------------
Um grupo de mergulhadores que explorava uma área próxima da remota ilha de Kokoya, na Indonésia, descobriu dois dugongos – mamíferos marinhos raros da família do peixe-boi – presos dentro de jaulas, numa parte mais rasa do Oceano.


Um dos mergulhadores, Delon Lim, disse ao The Dodo que os animais, também conhecidos como “vacas do mar”, seriam mãe e filho e estavam presos em jaulas separadas. Enquanto o jovem

25/12/2015

Tubarões são encontrados mortos em linha 'fantasma' dentro de santuário

Se num Santuário isto acontece, imagina nos outros locais.... que tristeza.....
------------------------ 
Além dos tubarões, tartarugas e rêmoras foram encontradas na linha.
Laje de Santos possui mais de 200 espécies de animais marinhos.

Quatro tubarões foram encontrados mortos, no último domingo (20), na Laje de Santos, no litoral de São Paulo, presos em uma linha 'fantasma' de pesca. Além dos tubarões, tartarugas também foram encontradas por mergulhadores que estavam próximos ao

03/12/2015

Aquário do Rio já começou a receber animais marinhos

Olha, me parece que a coisa é inevitável..... os recursos são particulares e contam com o aval de uma prefeitura e governo de estado.... Só esperamos que não haja a mesma tragédia do tal Aquário do Pantanal.


09/07/2015

Baleias Jubarte trabalham em grupo para caçar

Como o texto da matéria diz, as baleias são seres, realmente, muito inteligentes e fascinantes..... Prende-las é um crime imperdoável para qualquer cidade que permita aquários marinhos..... O vídeo é lindo....
Fonte: One Green Planet
Colaboração: Helô Arruda
------------------------------------------




As baleias estão entre algumas das criaturas mais inteligentes e dinâmicas da Terra. Não é realmente nenhuma surpresa porque os seres humanos são extremamente fascinados por elas. Infelizmente, esse fascínio tem levado as pessoas a capturar baleias de seu habitat selvagem e colocá-las em exibição em parques marinhos para o bem do nosso próprio entretenimento.

Ao longo dos anos nós aprendemos o tamanho do impacto do cativeiro no bem-estar físico e mental

22/06/2015

Inverno traz diferentes espécies de animais para o litoral fluminense

A bicharada gosta do Rio em qualquer época do ano....
------------------------------------------
Baleias, focas, leões e lobos marinhos de várias partes do mundo vem para cá na estação mais fria do ano

Rio - O inverno começa hoje, oficialmente às 13h38, e, com a estação mais fria do ano, é aberta a temporada de espetáculos de animais marinhos e aves do mundo inteiro, que chegam em grupos ao litoral do Rio e por ficam pelo menos até novembro. Eles dão shows à parte na natureza, com suas simpáticas aparições, seja no mar, nas areias das praias ou no céu.

Os visitantes mais apressadinhos já deram as caras na semana passada: um casal de pinguins,

09/06/2015

Animais marinhos são encontrados mortos na Praia do Cassino - RS

Realmente, a destruição do meio ambiente provocada pelo excesso de população humana está acabando com tudo.... O que não entendo é a anestesia das pessoas.... todos sabem e nada fazem... agem como se tudo fosse um fato consumado.... concordam ou é impressão minha?
------------------------------------------


Tempestades no oceano e o descarte irregular de lixo estariam causando a morte de pinguins, tartarugas e golfinhos

23/02/2015

Estudo: animais marinhos estão maiores do que nunca

Será que a tal evolução das espécies está certa mesmo?
---------------------------------------------------------

Animais marinhos estão ficando maiores, de acordo com uma nova pesquisa divulgada pela revista Science nesta sexta-feira. Os estudos analisaram as medidas de 17.208 animais, a maioria dos quais registradas em um tratado de 50 volumes sobre Paleontologia dos Invertebrados. As informações são do Daily Mail.

O time de cientistas da Universidade de Standford, na Califórnia, disse que na maioria dos casos, o tamanho do corpo pode prever a evolução da espécie. Este é um dos estudos mais completos sobre a evolução do tamanho do corpo, que se apoia na regra de Cope, uma teoria que afirma que as linhagens de animais tendem a evoluir para tamanhos maiores ao longo do tempo.

“Nós sabemos que os maiores organismos vivos hoje são ainda maiores que aqueles maiores que viviam nos períodos originários da vida ou nas primeiras fases de evolução”, afirmou o paleobiólogo, Jonathan Payne.

O estudo publicado revela que ao longo dos últimos 542 milhões de anos, o tamanho médio de animais marinhos aumentou 150 vezes.

O que não ficou claro, no entanto, é se o tamanho médio dos animais foi mudando ao longo do tempo e, em caso afirmativo, se isso reflete uma tendência ou direção sobre evolução do tamanho do corpo. “Não é algo que você pode saber por apenas estudando os organismos vivos ou extrapolando o que você vê em escalas curtas de tempo. Se você fizer isso, você com certeza estará errado sobre a taxa, e, possivelmente, também a direção”, disse Payne.

Outra questão ainda estudada é sobre outras espécies em relação ao tamanho: os cientistas tentam testar a regra de Cope em diferentes grupos, e têm obtido resultados mistos, pois nem todas as espécies apresentaram um crescimento – tais como pássaros e insetos.

De qualquer maneira, a equipe acredita que a sua vasta base de dados vai ajudar para o estudo de outras questões relacionadas ao tamanho do corpo; por exemplo, se os organismos perto do equador são, em média, maiores ou menores do que aqueles que vivem em latitudes mais altas.

Fonte: Ambiente Brasil


21/01/2015

O oceano está à beira de uma extinção em massa

Destaquei este trecho da matéria porque é a mais pura verdade:
"De acordo com uma análise inovadora de dados de centenas de fontes, os seres humanos estão na iminência de causar danos sem precedentes para os oceanos e os animais que vivem neles."
O que me impressiona é esta anestesia que rola entre humanos...... Parece que estão drogados diante do iminete destroçamento do nosso planeta provocado pela espécie humana.....
---------------------------------------------------
Nos preocupamos muito com a extinção de animais terrestres, mas e o mar?

De acordo com uma análise inovadora de dados de centenas de fontes, os seres humanos estão na iminência de causar danos sem precedentes para os oceanos e os animais que vivem neles.

“Podemos estar sentados em um precipício de um grande evento de extinção”, disse Douglas J. McCauley, ecologista da Universidade da Califórnia em Santa Barbara (EUA), um dos autores da nova pesquisa.

A boa notícia é que ainda há tempo para evitar uma catástrofe. Em comparação com os

31/03/2014

Animais marinhos de combate são integrados a exército russo

Acho que humanos tem mais é que tomar um foguete e ir para o fim do Universo.... não acham não? Que gente desgraçada e covarde.....
_____________

Golfinho com localizador salta do mar:
programa de treinamento dessas espécies marinhas
foi retomado pela marinha da Ucrânia em 2012
Golfinhos e leões-marinhos treinados pela Força Naval da Ucrânia na Crimeia para missões de combate passaram a integrar as tropas russas

Moscou - Os golfinhos e os leões-marinhos treinados pela Força Naval da Ucrânia na Crimeia para missões de combate passaram a integrar as tropas russas depois da incorporação da península à Rússia

O programa de treinamento dessas espécies marinhas, que havia sido abandonado após a

17/05/2013

Mais de 600 aves e animais marinhos são encontrados mortos na costa do Chile

Neste mesmo pedaço do Chile já houve um episódio idêntico há algum tempo.
Foi comprovado, na ocasião, que era pesca com explosivos. Daí a suspeita  de que o problema foi causado pelo mesmo motivo.... ô, nojo de "serumano"

Jornal da Record News - 17/05/13

03/01/2013

Liberdade para a orca Kshamenk

.
A Izolina Ribeiro, do "Esquadrão Pet", está envolvida nesta luta para libertar a Orca Kshamenk. Queria muito que lessem a postagem feita por ela onde está tudo explicado, inclusive, como este pobre animal foi aprisionado. CLIQUE AQUI.


Assinem a petição  e divulguem, por favor. Eu já assinei e estou divulgando.
http://www.thepetitionsite.com/843/266/179/free-kshamenk-the-orca-from-his-cruel-tormentors/

17/07/2012

Pinguins e mais pinguins chegam ao Rio de Janeiro

.
O Rio está recebendo uma quantidade expressiva de pinguins graças ao frio do sul do Brasil. Tem um site chamado FAUNA DO RIO que oferece as informações sobre o assunto. Muito bom e informativo mesmo.


.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪