Mostrando postagens com marcador Centro de Primatologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Centro de Primatologia. Mostrar todas as postagens

22 de julho de 2017

Filhote de macaco que perdeu a mãe em Mato Grosso é levado para viver no RJ

O problema de animais viverem em cidades passam pelo risco da eletrocução.... Dá muita dó, gente!!!!
------------ 
Mãe do filhote morreu eletrocutada em Juína (MT) e macaco foi resgatado em janeiro. Animal tem 6 meses de vida e vai começar um processo de reprodução e perpetuação da espécie.

Um filhote de macaco bugio-ruivo, que foi resgatado depois de ficar órfão ao perder a mãe, foi enviado para crescer e viver no Centro de Primatologia do Rio Janeiro (CPRJ), situado em Guapimirim. De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), o animal, que tem seis meses de vida, chegou ao Rio de Janeiro na terça-feira (18).

O macaco foi resgatado em janeiro deste ano, no município de Juína, a 737 km de Cuiabá, por uma equipe do Batalhão de Proteção Ambiental. Segundo a Sema, a mãe do animal morreu eletrocutada e ele ficou sob os cuidados de uma moradora até as equipes providenciarem o transporte para levá-lo ao batalhão.

Animal tem 6 meses de vida e vai começar um processo de reprodução e perpetuação da espécie no Rio de Janeiro (Foto: Sema/MT)

Em Cuiabá, uma pessoa ficou com a guarda provisória do filhote até que a transferência dele para o Rio de Janeiro estivesse oficializada.

O macaco saiu do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, na noite de segunda-feira (17), e enfrentou 17 horas de voo para chegar ao destino.

De acordo com a médica veterinária da Sema, Isabela Ferreira, a viagem foi tranquila. O animal passa bem e se prepara para o processo de adaptação ao novo lar.

Conforme a Sema, o CPRJ fica em um cenário florestal integrado ao Parque Estadual dos Três Picos, ocupando uma área de quase 270 hectares, em meio a uma riqueza biótica extremamente significativa. O local possui uma metodologia de trabalho voltada para a manutenção e reprodução das espécies de primatas da Mata Atlântica.

De acordo com o coordenador de Fauna e Recursos Pesqueiros da Sema, Christiano Justino, a espécie desse macaco apresenta uma dentição não muito especializada, alimentando-se de uma grande variedade de alimentos, principalmente frutas. Por isso, são importantes para os ecossistemas onde vivem, sendo os dispersores de sementes e, consequentemente, formadores de florestas.

FONTE: G1

RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪