Mostrando postagens com marcador Batalhão Ambiental. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Batalhão Ambiental. Mostrar todas as postagens

05/05/2017

Em 3 anos, mais de 1,6 mil animais silvestres foram salvos em MT

Com a quantidade de traficantes e caçadores que andam a solta, tanto trabalho acaba sendo inócuo.... que coisa mais triste..... De qualquer maneira, é muito legal o que policiais fazem....
------------------------
Os animais merecem respeito. Com esse lema, o Batalhão da Policia Militar de Proteção Ambiental de Mato Grosso (BPMPA) tem resgatado, salvando e protegido como verdadeiros heróis ecológicos há 34 anos.

De 2015 a 2017, o batalhão resgatou 1.631 animais silvestres. Desse total, 1.246 foram reintroduzidos ao meio ambiente, 272 estavam com sequela permanente e 113 morreram devido às condições extremas em que foram resgatados.

Somente nos três primeiros meses deste ano, o batalhão realizou 159 resgates de animais. Desse total, 70 já foram devolvidos ao meio ambiente. Ainda nesse primeiro trimestre, a unidade confeccionou 532 boletins de ocorrência, 741 Autos de Inspeção, 91 Autos de Infração, 164 Termos de Apreensão, 65 de notificações e 44 de embargos e interdições.

O resgate dos dois felinos são apenas algumas dentre centenas de ocorrências atendidas pelo Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental em Mato Grosso.

No ano passado, a unidade resgatou quatro jaguatiricas, duas onças pardas e duas onças pintadas, entre os 851 resgates de animais realizados. Desse total de animais, 498 foram devolvidos ao meio ambiente.

O Batalhão atua desde o ano de 1983 em Mato Grosso, nas atividades de policiamento e fiscalização ambiental, na proteção da fauna, flora, recursos hídricos e florestais, das águas e mananciais, na repressão da poluição, caça e pesca ilegal, queimadas e desmatamento não autorizados.

O efetivo é de 200 policiais militares, distribuídos nas unidades de Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres, Rondonópolis e Barra do Bugres, municípios que abrangem diversidades de rios, áreas do pantanal mato-grossense e áreas de fronteira propensa ao tráfico de animais silvestres.

A unidade realiza operações própriaS e em apoio a outros órgãos, como a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), por meio da Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema).

O comandante do batalhão, tenente-coronel PM Rodrigo Eduardo Costa, afirma que grande parte das ações da unidade é provocada por denúncias. “Mas realizamos também operações tanto terrestres como fluviais, e ações em apoio aos órgãos”, disse. Atualmente o BPMPA está com 123 animais que foram resgatados.

Fauna

RD News visitou o batalhão e encontrou entre os animais araras, papagaios, baitacas, maracanás, periquitos, gaviões, falcão, coruja, gralha azul, canário da terra, macaco prego, onças parda e pintada, e veado são algumas das espécies que estão em processo de recuperação no batalhão para posterior reintrodução ao meio ambiente.

Para realizar os primeiros cuidados a esses animais que, na maioria das vezes, são resgatados em condições de maus tratos, o batalhão conta com o Centro de Triagem de Animais Silvestres.

O responsável, 3º sargento PM Joelson de Paula, explica que quando o animal resgatado chega ao batalhão é recolhido no Centro de Triagem, onde é feita a observação do animal. “Se percebermos algum comportamento diferente do que o comum daquele animal, ele passa para o setor de patologia para verificar a origem daquela anormalidade”, disse.

O sargento explica que, os animais chegam ao batalhão nas mais diversas situações, por isso passam por uma quarentena antes de entrar na unidade. “Ele pode vir com uma bactéria ou uma doença que pode comprometer os plantéis que já estão no batalhão. Por isso, eles passam por uma triagem e os primeiros cuidados para posterior reintrodução”, contou.

Os animais resgatados, na maioria das vezes, possuem sequelas permanentes. No Centro de Triagem é feito o primeiro atendimento e depois são encaminhados aos hospitais veterinários da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) ou Universidade de Cuiabá (Unic).

As espécies de animais resgatados variam de acordo com o período do ano. Em período chuvoso, são mais comuns os resgates de serpentes, marsupiais e mamíferos. Já entre setembro e outubro, são mais frequentes os resgates de aves, que estão em fase de procriação, como as araras, papagaios, periquitos, que são os alvos mais escolhidos pelos traficantes.

“Uma vez que o batalhão intensifica a fiscalização, tanto nas rodovias quanto em barreiras policiais, aumenta a quantidade de apreensão desses animais em contrabando”, disse o sargento.

Atendimento

O médico veterinário voluntário do Centro de Triagem de Animais Silvestres do batalhão, John Beaumont realiza o primeiro atendimento dos animais resgatados. Ele está há quase um ano atuando no batalhão e conta que, desde então, cuidou de 380 casos.

O mais raro que ele atendeu foi o de uma arara azul que chegou no dia 18 de março deste ano. O animal estava sendo criado em cativeiro e chegou ao batalhão com algumas sequelas. “Ela estava com o comportamento alterado, não conseguia manter o equilíbrio”, contou.

O profissional explicou que os animais mantidos em cativeiro desenvolvem comportamento alterado porque muitas vezes não recebem estímulos mentais necessários para a sua espécie.

O resgate de animal geralmente é feito por meio de denúncia, por meio do número 190. “Temos uma equipe para fazer esse resgate 24 horas por dia. Nossa principal missão é retirar o animal para que ele não sofra danos maiores, colocar a população em tranquilidade e devolver esse animal ao meio ambiente”, explicou o comandante do batalhão.


Animais por Sedex
O sargento ressaltou ainda a nova modalidade de tráfico de animais silvestres, que é feito por meio dos Correios. “Esse ano já fizemos três apreensões que foram acionadas diretamente pelos Correios, por meio de Sedex. São animais exóticos, como serpentes e aracnídeos”, falou.

O batalhão não atende apenas casos de resgate de animais que seriam traficados, mas também de entrega voluntária. “Muitas vezes, a pessoa pega um animal pela beleza, mas não conhece o comportamento desse animal. Quando ele é filhote, é mais tranquilo. Quando começa a crescer e desenvolver o seu instinto natural da espécie, ele deixa de ser agradável e, nesse momento, o que acontece é a entrega voluntária”.

Segundo o sargento, hoje o contrabando de animais silvestres no Brasil está em terceiro lugar entre as modalidades mais rentáveis de crime, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e de armas.

“Mato Grosso está na área central do País, e por isso temos várias saídas, várias rotas de fuga para o tráfico, e todos os dias estamos combatendo esse crime. Diariamente, temos animais trazidos para o batalhão, que são resgatados não somente por nós, mas também por outras instituições”, contou.

FONTE: rdnews

19/09/2016

Animais estariam morrendo de fome no Batalhão Ambiental, deputada pede explicações - MT

A deputada não sabe de nada...... a maioria dos lugares que recolhe animais silvestres está na maior penúria porque nosso país não leva a sério o caso do tráfico de animais.... Tomara que ela tenha sorte de arrumar comida lá em Mato Grosso. Detalhe que a gente está tão preocupada com os animais morrendo de fome no Zoológico de Gaza e na Venezuela, né mesmo?
------------------------
"O que nos chega é que os animais estão inclusive passando fome", denuncia Janaina Riva.
A deputada estadual Janaina Riva (PMDB) apresentou nesta quarta -feira (14) requerimento em regime de urgência para que o governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, preste informações sobre a situação que se encontram os animais apreendidos, que estão alocados no Batalhão Ambiental de Mato

RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪