13/11/2017

O dia em que Janot investigou o cachorro de Dilma

Acompanhamos o caso de perto sobre o cão Nego da Dilma e ao final estão todas as postagens que fizemos. Podem tirar suas conclusões....
--------
A presidente eleita Dilma Rousseff, deposta por meio de golpe parlamentar-jurídico, passa por novo linchamento. Desta vez a questão é a morte de seu cachorro Nego, um
labrador. A presidente precisou publicar nota de esclarecimento em seu site depois que um deputado resolveu denunciá-la por crueldade com os animais.

A história seria engraçada se não fosse trágica. Dilma mandou sacrificar o animal, que sofria muito, por orientação do veterinário. Padecia de displasia coxo-femural, que impede o animal de andar e até de se levantar, e de mielopatia degenerativa. Essas doenças são incuráveis e provocam dores intensas nos bichinhos. A decisão, embora difícil, precisou ser tomada.

Como se a história até aqui não fosse trágica o suficiente, Rodrigo Janot, então procurador-geral da República, aceitou a denúncia e mandou o caso para a Justiça Federal do Distrito Federal, que o enviou às autoridades policiais do Distrito Federal.


Por mais ridículo que possa parecer, o deputado em questão, Ricardo Izar, foi chamado a depor para confirmar a acusação. Ele disse à Gazeta do Povo que não acreditou que isso iria render, pois que as denúncias que ele faz de maus-tratos de animais nunca prosseguem. “Talvez por ser a Dilma, essa foi”, disse ele ao jornal.

Leia a nota publicada por Dilma em seu portal.

Ainda sobre a morte do cachorro Nego
A propósito de notícias divulgadas pela imprensa sobre a abertura de investigação para apurar as circunstâncias da morte do cachorro Nego, o labrador de Dilma Rousseff, a assessoria de imprensa da presidenta eleita esclarece:

1. Nego nasceu em setembro de 2003 e morreu em setembro de 2016. Foi dado de presente por José Dirceu ainda em 2005 para Dilma Rousseff, quando ela assumiu a chefia da Casa Civil no governo Lula. Nego foi criado e amado pela presidenta e familiares durante os quase 12 anos em que conviveu com ela. Era um cão grande e forte, que gostava de nadar e correr. Era um dos prediletos de Dilma Rousseff.

2. A partir de 2015, Nego passou a apresentar displasia coxo-femural, doença típica dos labradores, além de mielopatia degenerativa. Ele tinha dificuldade de andar e, por conta da mielopatia, ficava agitado e buscava se movimentar de qualquer jeito. Por isso, sofria muito e deveria ser sacrificado, conforme orientação médica.

3. A presidenta relutou e adiou o quanto pode, com a esperança de uma recuperação da saúde do labrador. E isso, infelizmente, não veio a ocorrer. Nego foi sacrificado, para tristeza de Dilma Rousseff em setembro do ano passado. Era um cachorro excepcional, companheiro e inteligente.

4. Diante disso, é lamentável que, mais uma vez, queiram usar a relação de carinho e lealdade entre um cachorro e sua dona para reforçar a sórdida campanha acusatória que criou o ambiente para o Golpe de 2016, por meio do fraudulento impeachment sem crime de responsabilidade.

5. Essa campanha hedionda, baseada em falsidades, violência, intolerância e preconceito se perpetua mesmo agora, um ano após ter sido consumado o golpe parlamentar que retirou Dilma Rousseff do poder.

6. A perseguição chegou a ponto do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot determinar a abertura de um inquérito policial. Como se investigações mais graves não devessem ser apuradas, como a compra de votos para a aprovação do impeachment.

7. É lamentável que isso ocorra no país que virou sinônimo de Estado de Exceção. Aos olhos do mundo, vale tudo para achincalhar a imagem e a honra de Dilma Rousseff.

8. Tudo tem sido feito para satisfazer a sanha doentia de golpistas. Como mostra o deputado Ricardo Izar Júnior (PP-SP), que proferiu sórdidos ataques a Dilma, e se vangloria de ir depor contra a presidenta eleita do país numa história da qual não tem conhecimento nem sequer envolvimento direto. Apenas a busca pelos holofotes abjetos da mídia.

FONTE: jornalggn
---------------
Nossas postagens a respeito:









4 comentários:

  1. Não gosto da Dilma, acho que ela prejudicou o Brasil a tal ponto, que precisaremos de décadas para desfazer o mal que ela fez. Mas não acredito que ela tenha desejado e feito mal ao cão. Os labradores sofrem mesmo com essa doença, e se ela quisesse ter feito a eutanásia por maldade, acho que ela não teria esperado tantos anos.

    ResponderExcluir
  2. Acho um absurdo essa perseguição a Dilma... Ela fez tanto pelo país e foi impichimada sem nenhum crime de responsabilidade comprovado, só p atender a sanha de golpistas corruptos q queriam o poder! E pior, usarem isso p denegrir sua imagem. Uma vergonha! Só esse paisinho corrupto p fazer isso...Argumento do mais baixo calibre.

    ResponderExcluir
  3. Triste ��... Mas também acredito que a presidente Dilma não faria isso com o Nego.

    ResponderExcluir
  4. Dilma sofreu um golpe inaceitável. Tão logo veio o resultado da eleição, Aécio sem saber que estava sendo gravado disse: Nós vamos fritar essa mulher, e quanto pior melhor pra nós. O pior era pro povo. E Nego precisou ser sacrificado para parar de sofrer. Que perseguição!

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪