08/05/2017

Com serviço gratuito suspenso, recolhimento de animais domésticos mortos custa até R$ 800,00 em Curitiba

Esta matéria saiu há alguns dias e não consegui saber se resolveram a situação.... que absurdo!!!!!
------------------------
Contrato entre prefeitura e empresa da área expirou e não há prazo para retomar coleta

onos de animais domésticos que quiserem dar o destino correto a seus pets após a morte desses bichos podem ter de desembolsar até R$ 800 para fazer isso em Curitiba. O serviço gratuito de recolhimento dos animais, até então feito pela prefeitura através do 156, foi suspenso há quase um ano e segue sem previsão para ser retomado.

A situação deste tipo de coleta, que já representou cerca de 23 toneladas de resíduos recolhidos por mês na capital, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, veio à tona nesta segunda-feira (24), na Câmara Municipal. Na ocasião, a vereadora Fabiane Rosa (PSDC) relatou ter recebido uma resposta do Executivo sobre o contrato com a empresa até então responsável pela coleta, a Cavo.

Orçado em R$ 1 milhão por um período de 12 meses, o contrato, informou a prefeitura, expirou em abril passado e não foi mantido por falta de recursos. Há a possibilidade de oferecer o serviço novamente por meio de um novo edital de licitação. Essa concorrência, no entanto, ainda não tem previsão para ocorrer. O edital anterior abrangia também o recolhimento de animais encontrados mortos em vias públicas, serviço que a prefeitura continua prestando por conta própria.

Enquanto o recolhimento estava disponível, o serviço correspondia a metade dos pedidos de remoção feitos pela população à prefeitura. Por enquanto, a orientação é que, em caso de morte de animais domésticos, empresas particulares sejam procuradas para a coleta. As opções aos donos de pets, porém, não são muitas. As três organizações que disponibilizam pacotes de remoção e enterro ou cremação que atendem a capital estão na região metropolitana, nas cidades de Colombo e Pinhais. Segundo levantamento da Gazeta do Povo, o preços dos serviços oferecidos varia entre R$ 290 e R$ 800, dependendo do porte do animal.

Contaminação
Apesar de não oferecer alternativa gratuita, a Secretaria do Meio Ambiente não recomenda o enterro de animais mortos em quintais, sob risco de contaminação. “Ao entrar em decomposição, os animais liberam substâncias que podem contaminar o solo e o lençol freático da região”, esclarece Alexander Biondo, professor de medicina veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Além disso, em caso de morte por zoonoses – doenças que podem ser transmitidas por animais aos humanos, como a leptospirose, por exemplo, o risco direto à saúde dos donos é alto, segundo o professor. Nessas situações, salienta ele, é necessário que a carcaça passe por um procedimento chamado de “micro-ondas” antes de ser enterrada ou cremada. A medida elimina os micro-organismos causadores de doenças.

Para Biondo, faltou orientação da prefeitura à população quando o serviço gratuito foi interrompido. “Com o serviço suspenso, a pessoas ficaram desamparadas nesse âmbito. Seria importante ter sido feita uma cartilha sobre como manusear e proceder sem o amparo do serviço da prefeitura, por exemplo”, salienta. Usar luvas e colocar o corpo do animal em sacos de lixo são alguns dos procedimentos imprescindíveis nesses casos, ensina.

FONTE: tribunapr

2 comentários:

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪