24/02/2016

Embrapa reconhece que bezerro e mãe sofrem com o aparte

Eu publico este tipo de matéria para todos tomarem conhecimento como as coisas acontecem e que as autoridades reconhecem que há maltrato e desespero dos animais criados para consumo. Temos que ficar a par e usar no momento certo de apelação pelo fim da criação de animais de consumo. O grifo na matéria é nosso.
------------------------
Bezerro desmamado na Embrapa não se estressa e ganha peso mais rapidamente

Manejo racional separa filhotes das mães apenas por um corredor, eliminando fugas e reduzindo rompimento de cercas pelos animais apartados

Um manejo diferenciado na hora de fazer o desmame de gado bovino na Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP), está mostrando bons resultados. Os bezerros de corte, com cerca de oito meses de idade, são separados da vaca apenas por um corredor, em pastos diferentes,
nos quais a mãe e o filho mantêm contato visual, auditivo e olfativo.

Segundo a pesquisadora Cíntia Marcondes, essa forma de desmame, chamada de racional, diminui o estresse causado pela separação e melhora o bem-estar. Ela explica que o novo manejo está sendo usado desde 2014 em animais cruzados e, em 2015, em exemplares da raça canchim.

No método tradicional de desmame, o bezerro é apartado da mãe e levado a locais distantes, para que não haja nenhum tipo de contato. Para minimizar o estresse, é comum o pecuarista colocar algumas vacas junto aos bezerros para servirem de "madrinhas". Nesse método, nenhuma das fêmeas é mãe do animal desmamado e os problemas causados pela separação continuam.

O veterinário da Embrapa Raul Mascarenhas afirma que os animais da Fazenda Canchim, sede da Embrapa Pecuária Sudeste, adaptaram-se bem e demonstram um grau menor de estresse, comparando-se ao manejo em que ficavam distantes das mães. Não ocorreram mais fugas e houve redução de rompimento de cercas e lesões nos animais, informa o veterinário.

Na desmama tradicional é comum que tanto as vacas como os bezerros permaneçam vocalizando durante dias. Muitos animais, ao ouvirem o berro dos filhos, arrebentam cercas para irem ao seu encontro. Nesse percurso, há grande chance de sofrerem acidentes. Além disso, passam mais tempo caminhando e estressados. Com isso, deixam de se alimentar, ruminar e descansar, causando prejuízos econômicos ao produtor. O estresse reduz o ganho de peso do bezerro e afeta sua imunidade, deixando-o mais vulnerável a doenças.

Teste
Para confirmar os benefícios da desmama racional, os pesquisadores da Embrapa realizaram a avaliação de temperamento em dois grupos de bovinos da raça canchim. Foram comparados 236 animais da desmama tradicional e 227 da racional. No teste analisaram-se informações de reatividade animal em ambiente de contenção móvel, como na balança de pesagem, local onde são contidos para realizar a medida de reatividade.

No experimento foi utilizada uma nova tecnologia. O Reatest, desenvolvido pela zootecnista Walsiara Maffei, durante seu doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais, é uma metodologia usada para medir o temperamento por meio da reatividade.

Um dispositivo eletrônico quantifica a frequência e a intensidade dos movimentos do bovino no processo de pesagem, numa escala de 1 a 9.999 pontos. Durante 20 segundos, o equipamento capta a reatividade e os dados ficam armazenados em um software específico. As maiores pontuações indicam animais mais reativos, ou seja, que apresentam maior estresse quando contidos na balança.

Segundo a pesquisadora Patrícia Tholon, a análise do experimento mostrou que animais submetidos a desmama racional foram menos reativos que o grupo da tradicional. "Os maiores valores de reatividade foram apresentados pelas fêmeas, mostrando que o sexo influencia consideravelmente a expressão dessa característica", explica Patrícia.

O método da desmama racional já foi implantado definitivamente na Embrapa Pecuária Sudeste, diz a pesquisadora Cintia Marcondes. "Outros lotes de animais serão avaliados para dar maior robustez às análises", afirma.

O objetivo é identificar a porção genética da característica de temperamento para poder utilizá-la na seleção dos animais da raça canchim, já que tal comportamento teria influência no desempenho do animal. De acordo com a Embrapa, bovinos reativos têm menor ganho de peso diário, desempenho reprodutivo inferior, resistência mais baixa a ecto e endoparasitas que animais mansos. Além disso, o manejo seria mais difícil e os riscos de acidentes de trabalho, mais altos.

FONTE: canalrural

7 comentários:

  1. Realmente a maldade existe em vários graus, dar um beliscão é melhor do que um tiro, no entanto dourar a pílula não adianta, gado para abate é prática de barbarismo que civilizações evoluídas já deveriam ter banido de uma vez por todas do Planeta, priorizando o cardápio sem cadáveres nele, ao invés de ficar picando e assoprando pra não doer na pele das vítimas que continuarão sendo as mesmas infelizes e desgraçadas vítimas a caminho da morte. Proteger animais é mais do que isso, é não matá-los para comê-los e não seremos menos maus por isso se os tivermos abraçado e beijado antes de dizer adeus, para que Deus nos considere à Sua imagem e Semelhança.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, eu também acho que é preciso combater com todas as forças todo maltrato aos animais. Toda pessoa que come carne tem obrigação de se engajar nesta luta, para que os ditos "animais de corte" tenham vida boa e morte digna, rápida e sem dor. Mas tornar-se vegetariano não basta, não nos livra dessa obrigação. Afinal, de que são feitas as rações que alimentam todos os cães e gatos domésticos, e até mesmo os animais selvagens resgatados, mesmo que vivam em santuários? Pretender que se tornem também vegetarianos é violar a natureza desses carnívoros.
    É um assunto espinhoso, mas incontornável para os protetores de animais.
    (Lilian)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem AINDA é carnívoro, colega, tá sempre buscando uma desculpa para sua participação nos massacres de animais para consumo. Não existe abate humanitário nem morte digna, rápida e sem dor. Meu filho merece mais do que isso, animais também. Realmente tornar-se vegetariano não basta porque laticínios são produtos roubados de bezerros bebês, não nos pertencem, imprescindível ser vegano para ser coerente com a compaixão e a justiça. A não ser assim, seremos cúmplices dos assassinos de animais que recebem seu salário de sangue para criar seus filhos com "dignidade". Cães podem ser veganos numa boa: Baixe o livro "Cães Veganos" grátis em PDF:
      http://www.behavetech.com/vegandogsspanish.pdf
      “Violar a natureza de animais carnívoros” não é tão grave quanto trucidar, despedaçar, esquartejar animais terrestres, aquáticos e aéreos para que degustemos suas vísceras alicerçados em pseudos direitos humanos roubados de animais inocentes, com direito à vida, tanto quanto nós. Animais selvagens vegetarianos são exemplo de resistência, força e robustez, como por exemplo girafas, elefantes, orangotangos, zebras, antílopes, rinocerontes e búfalos. No futuro, animais selvagens carnívoros terão de mudar o cardápio conforme profecias: “O lobo viverá com o cordeiro, o leopardo se deitará com o bode, o bezerro, o leão e o novilho gordo pastarão juntos; e uma criança os guiará.
      A vaca se alimentará com o urso, seus filhotes se deitarão juntos, e o leão comerá palha como o boi.
      A criancinha brincará perto do esconderijo da cobra, a criança colocará a mão no ninho da víbora.
      Ninguém fará nenhum mal, nem destruirá coisa alguma em todo o meu santo monte, pois a terra se encherá do conhecimento do Senhor como as águas cobrem o mar.”
      Isaías 11:6-9


      Excluir
  3. Creio, verdadeiramente, haver um mito quanto a necessidade de ingestão de carnes por animais carnívoros. Digo isso porque tenho uma amiga vegana, que teve uma gatinho que se alimentou somente de frutas por toda a sua vida - adorava melão - e viveu 15 anos. Mas usar outros animais - que não os "de consumo" - para tentar justificar a não evolução humana rumo ao desapego da carne é, no mínimo, falta de argumento.

    ResponderExcluir
  4. Que felicidade ler depoimentos elevados. Sandra, vc deixou meu dia mais feliz, concordo com tudo o que escreveu, é claro como a luz. Não conhecia a citação em Isaías, e sentindo como tantas pessoas estão compreendendo a necessidade da evolução parando de consumir animais, acredito realmente que esse dias irão chegar.

    ResponderExcluir
  5. Jorge Romano25/02/2016 13:57

    Ainda precisam de testes para comprovar o óbvio. Os artistas globais deviam visitar um abatedouro antes de encher os bolsos de dinheiro proclamando mentiras sobre a industria da carne e se tornando uns calhordas.
    Para muitos da geração de 50, é difícil a mudança de hábitos, mas faz parte da evolução e ela precisa acontecer. NADA justifica a crueldade na matança de animais para consumo. A medicina já jogou por terra a necessidade da proteina animal. O que existe é o vicio de uma cultura ultrapassada de quem se nega evoluir.

    ResponderExcluir
  6. Pelo menos num aspecto parece que estamos de pleno acordo: propaganda de carne é um negócio obsceno e imoral. Perdi total o respeito pelas figuras que se prestam a isso.
    Enquanto não chega o futuro em que todos os animais serão irmãos e não se agredirão uns aos outros, talvez devamos voltar nosso olhar para o passado, para nossos tão desprezados (e agredidos e dizimados) irmãos indígenas, a maioria dos quais tornava a caça um ritual sagrado, com respeito aos ciclos reprodutivos e, sobretudo, gratidão a quem morre para ser alimento (o que algumas vezes incluía também os vegetais). Entre os inuit, no Pólo Norte, os anciãos se deixavam morrer na neve quando achavam que era hora, então viravam alimento de urso, que eventualmente seria caçado, por isso todo aquele que caçava um urso "honrava" a carne dele como a de um familiar que retornava ao lar. Que diferença entre isso e um comercial de alguém escolhendo a melhor "peça" de carne no super... É isso, nossa total falta de reverência e respeito e carinho, com TUDO o que vive e deseja viver, que está levando a humanidade para um iminente apocalipse.
    De resto, desculpem, seria hipocrisia da minha parte pretender que transformarei meus dois gatinhos em herbívoros. Ou que condenarei as pessoas que andam pela cidade distribuindo ração industrializada aos animais que resgatam ou apenas alimentam. Mas parabenizo a pessoa que conseguiu manter saudável, à base de frutas, um felino aos seus cuidados.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪