19/08/2015

Após protesto, vereador recua em projeto para autorizar animais nos ônibus - Nova Odessa - SP

Agora, vejam isto..... Bem, pode ser que não tenha sido bem escrito o tal PL.... Alguém leu?
-------------------------------------

Motoristas e cobradores protestam na Câmara contra projeto de 
Leitinho para liberar animais dentro de ônibus

O vereador de Nova Odessa Cláudio José Schooder, o Leitinho (PDT), pediu vista do próprio projeto de lei, que prevê que animais domésticos podem ser transportados em ônibus da cidade. A decisão foi
motivada pela revolta de condutores e cobradores, que marcaram presença na sessão de ontem, e pelo parecer contrário da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação).

Cerca de 30 motoristas e cobradores foram à sessão protestar contra a medida, que previa que animais de pequeno porte, até 10kg, poderiam ser transportados pelo dono ante pagamento de uma passagem a mais, em cestos de viagem e com a carteira de vacinação em dia.

Leitinho explicou que a ideia era que o cobrador ou o motorista verificasse a carteira de vacinação. "É igual ao caso dos idosos. O motorista vê se tem idade suficiente e autoriza. Não vejo toda essa polêmica, não."

Segundo o secretário geral do Sindicato dos Condutores de Americana e Região, Nadir José Migliorin, o projeto traria uma função que não cabe ao motorista. "Não somos contra o animal, o problema é que a fiscalização ia sobrar para o cobrador e para o motorista. Precisaria ter outra pessoa para isso. Não é papel do motorista", disse.

O vereador afirmou que vai procurar o sindicato para discutir possíveis adequações no texto. "Vou conversar com eles e ver o que é melhor para reformular o projeto. Vou adaptar, mas não desistir", disse.

Para o vereador Celso Gomes Reis Aprígio (PSDB), o projeto serve apenas para trazer "problema" para a Câmara. "Não tenho nada contra animal, mas o motorista tem que cuidar do volante. Como vai ficar cuidando de animal? Se um deles escapar, pode provocar acidente. Ele (Leitinho) quer trazer problema para a Câmara para depois ficar criticando o trabalho dos vereadores", disse.

O presidente da Câmara, Vladimir Antonio da Fonseca (SD), classificou a medida como inviável. "Como vai transportar esses animais em horário de pico? Vai tirar o lugar das pessoas para o cachorro usar? Animais devem ser transportados em locais apropriados. Tenho oito cães e sei bem como é isso. Esse projeto é totalmente inviável", afirmou.

5 comentários:

  1. Se o animal seria transportado dentro de uma caixa, não vejo motivo para fiscalização de caderneta de vacinação, já que ele não teria contato com ninguém. Infelizmente quem não tem carro, nem como pagar um táxi, vai continuar sem poder transportar o animal para o veterinário, coitados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viviane Larosa19/08/2015 11:04

      Verdade Ana, concordo plenamente contigo.

      Excluir
  2. Como o povo gosta de complicar!

    ResponderExcluir
  3. para quê o motorista ver a carteira se o bicho paga passagem e vai dentro da caixa ? Então vão ter que ver os passageiros tbém. Tem uns bẽbados, sujos, fedidos,....

    Neusa

    ResponderExcluir
  4. O problema é q hj em dia o motorista também é cobrador então realmente pode ficar inviável
    E se fosse um cartão eletrônico com a identificação do animal que passasse na catraca (como os cartões de pagamento das passagens), será que seria muito burocrático?
    As empresas também iriam poder controlar as passagens pagas para animais pois se não tivessem controle o motorista/cobrador poderia ficar com o dinheiro
    O cartão poderia ser como uma carteira de saúde

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪