23/07/2015

As cadelas Keira e Kala iam ser mortas, mas salvaram-se porque se abraçaram - Georgia - USA

Chamo isto de estar no lugar certo e na hora certa. Não fosse a sensibilidade da fotógrafa...
---------------------------------

"Alguém tem de nos salvar ou seremos as próximas", lia-se na legenda da fotografia que correu mundo.

Fotografia © Malena Evans

Duas cadelas que iam ser abatidas nesse próprio dia foram salvas por uma fotografia colocada no Facebook em que as duas se abraçavam. A história, que rapidamente se tornou viral, começou com a
associação de direitos dos animais Angels Among Us, sediada no estado norte-americano da Georgia, que publicou a fotografia que salvou as duas cadelas.

"Alguém tem que nos salvar ou seremos as 'próximas'", lia-se na publicação, escrita da perspetiva da cadela castanha, Kala, que abraça a cadela preta com as patas da frente.

A associação Angels Among Us escreveu que as cadelas seriam abatidas no próprio dia no canil onde se encontravam se não fossem adotadas, visto que já não havia famílias pertencentes à organização que pudessem ficar temporariamente com elas. "Elas vão ficar bem desde que fiquem vivas", escreveram na publicação do Facebook.


A adoção demorou apenas duas horas e seis minutos, escrevia mais tarde a associação. Kala e Keira foram adotadas, e entre o momento de publicação da foto e o momento em que as cadelas já estavam fora do canil passaram apenas duas horas. A fotografia foi tirada por staff do canil, que pratica o abate quando os animais passam muito tempo sem ser adotados e é preciso criar espaço para novos animais recolhidos da rua. O caso de Kala e Keira teve um final feliz graças à fotografia que comoveu tantos nas redes sociais.

Fonte: Diário de Notícias

10 comentários:

  1. Que bênção! Deus conceda muitas coisas boas para o adotante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! as meninas e o adotante são show de bola!

      Excluir
  2. Vida longa, saudável, amorosa e feliz para Kala, Keira e seus Tutores.Todos os finais deveriam ser assim. Rita de Cássia - Curitiba/PR

    ResponderExcluir
  3. Felicidades para duas e seu tutor.

    ResponderExcluir
  4. Tomara fiquem bem e felizes - é sempre esse o sentimento e desejo.

    ResponderExcluir
  5. Jorge Romano23/07/2015 20:40

    É....., um abraço sempre faz bem. Pratica estranha e cruel desse canil: abater para abrir vagas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirar das ruas faz parecer que não existe abandono lá
      Será que pelo menos castram para evitar dar continuidade a esse ciclo?

      Excluir
  6. Que iniciativa ilegal é essa??????? Matar pra dar lugar a outro animal?????? Meu Deus!!!!!!!!!!!!!!!!! Crueldade demais!!!!!!!!!!!!!!!!! Deus abençoe tutor e filhotas que são muito lindas!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. No Brasil, mesmo sem criar espaço para novos animais recolhidos, a proteção animal não tem a capacidade de sacrificar o animal por culpa disso. O pessoal se vira, descabela, faz apelos, mas sacrificar: não!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Vitoria, eu não sou a favor da eutanasia mas já trabalhei em vários abrigos, brasileiros e posso te dizer que - grandes abrigos que não abatem com injeção letal, abatem por superpopulação ( os cães ou matam-se por disputas dentro do canil ou por doenças impossiveis de controlar em abrigos superlotados). Em abrigos, a situação a longo prazo, é morrer ou morrer. O ideal seria fecharem o comércio de pets ( animais de estimação) só assim, aos poucos, a situação poderia ser estabilizada.. mas enquanto existirem idiotas comprando animais, existirá abandono e abrigos superlotados, infelizmente.

      Excluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪