• ALÔ, AMIGOS!!!

    Revista Eletrônica "O Grito do Bicho" - Fazendo a notícia na luta pelo direito dos animais do céu, da terra e do mar.

    O resultado é pela Loteria Federal.

    E, o principal, é DIGRATIS E VOCÊ PODE SE INSCREVER TODO DIA !!!
    Boa sorte!!!

Faça sua doação:

Texto

Receba nossos boletins diários no seu e-mail: *

terça-feira, 23 de junho de 2015

Após um ano, zoológico de Paulínia continua sem previsão de reabertura - SP

Agora, enquanto isto, os animais ficam como? Quem acredita no que a Prefeitura fala? eu acredito no amigo Flávio Lamas, claro!!!!!!
----------------------
Bichos que ainda estão no parque devem ir para santuários, diz entidade.
Prefeitura rebate críticas e nega que a área pública esteja abandonada.

Onça pintada e pavão no zoológico fechado de Paulínia, SP (Foto: Carlos Alciati Neto/ G1).

Um ano após o fechamento para reforma, o Parque Ecológico “Armando Muller”, em Paulínia (SP), que abriga um zoológico, continua sem prazo de reabertura. Em meio à crise política e econômica que atinge o município, a prefeitura afirma ter projetos para a área, mas não dá detalhes do que será feito e nem informa quando a visitação será liberada. Para entidade de proteção e defesa dos
animais, os bichos que ainda estão no local devem ser encaminhados para santuários.

Com o fechamento do parque, os moradores e também visitantes da região perderam uma importante área de lazer. Desde então, os interessados em passear em um zoológico precisam viajar para cidades próximas como Americana (SP) e Campinas (SP).

A dona de casa Jéssica dos Santos não sabia da reforma. Ela veio de Cosmópolis (SP) com os dois filhos para passear no espaço e encontrou cadeados nas entradas. "Meu marido veio fazer uma entrevista de emprego e a gente ia aproveitar para ver o zoológico. Achei que já tinha sido reaberto. É uma pena, o meu filho mais novo ainda não conhece. Era lindo lá dentro", lamentou.

Fechamento
O espaço foi fechado no dia 19 de maio de 2014 para passar por uma reforma. Apesar de não receber visitantes, alguns animais ainda moram no parque como o pavão e a onça pintada flagrados pelo G1.

O aposentado Reginaldo Francisco da Silva, de 62 anos, afirma que alguns animais não estão mais lá porque já morreram.

"Quando eu trabalhava aí, tinha uma onça preta, mas ela morreu. O babuíno também não se ouve mais. Aqui de fora não dá para ver todos os bichos. As jaulas ficam lá para dentro", relata.

Além disso, o alambrado que cerca o parque está danificado, o que pode facilitar a entrada de pessoas não autorizadas no local e colocar em risco os animais.

Problemas psicológicos
Para Flávio Lamas, vice-presidente do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais de Campinas, e que acompanha a situação do zoo de Paulínia, os bichos que ainda permanecem no parque não estão em boas condições de saúde.

"Os animais não estão em uma boa condição. Em um zoo que um monte de gente vai ver, o que a administração faz? Ela cuida para que eles estejam bem, pelo menos, aparentemente, agora, imagine onde não tem ninguém vendo?", afirma.

Para ele, para evitar que os animais desenvolvam problemas psicológicos causados pelo confinamento, a prefeitura deveria encaminhá-los para santuários.

"Lá não tá na melhor condição. Uma vez que aquilo não está atingindo o objetivo, fecha de uma vez e encaminha os poucos que estão lá e não morreram para santuários. O animal confinado cria problemas psicológicos irreversíveis", destaca.

Reabertura
Em nota, a prefeitura de Paulínia afirmou que José Pavan Junior (PSB) está empenhado em reformar e em reabrir o Parque Ecológico o mais rápido possível. Porém, disse que ainda é preciso buscar no mercado empresas especializadas neste tipo de área para montar o processo licitatório para fazer as obras.

Sobre os animais que permanecem no zoológico, a prefeitura não informou quantos são e nem quanto custa mantê-los na área. Mas, ressaltou que o local não está abandonado e que tem a estrutura para atender as necessidades dos bichos, por meio de equipe técnica formada por veterinário, biólogo, tratadores e cozinheiros.

Em relação ao alambrado, a administração disse que não há destruição da cerca por vandalismo, já que a guarda municipal realiza rondas constantes no local. Ela afirmou que o problema foi causado pela queda de uma árvore após um temporal em janeiro de 2014.

FONTE: G1

2 comentários :

  1. Odeio Zoo! Nao deveria existir mais nenhum

    ResponderExcluir
  2. Há certos momentos em certos lugares, em que certa proteção animal é tão fraca!

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porem, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.