27/04/2015

Por que gostamos mais de pets do que de outras pessoas?

Matéria imperdível!!!!!!!!!! Graças a Deus faço parte do lado que se preocupa, mata e morre por um animal!!!!! Tem gente que acha absurdo nossa postura de valorizarmos mais a vida destes seres do que a de "crianças" que, em percentual bem ínfimo, serão alguns de nós no futuro.... o resto ficará indiferente ou fará tudo de ruim contra a vida animal. Tô errada?
---------------------------------

Pesquisas revelam que nos preocupamos mais com animais indefesos do que com nossos semelhantes

No fim de 2013, uma pesquisa feita pelo Ibope com mais de 10 mil pessoas revelou que 80% dos internautas brasileiros têm um animal de estimação em casa. Mais da metade dos entrevistados têm um cachorro, dos quais 28% são vira-latas.

O que mais chama atenção na pesquisa é o quanto é gasto por mês com os animais: 46% gastam mais de R$ 75 com os pets, com a média de gasto mensal de cerca de R$ 100. Ou seja, anualmente um cachorrinho pode custar pelo menos R$ 1.200. Banho toda semana não é pra todos, mas ainda assim o número é grande: 52% dos animais tomam banho pelo menos uma vez por quinzena. Todos esses números provam o óbvio: os animais de estimação fazem parte da nossa vida. Mas gostamos mais deles do que dos nossos próprios semelhantes?

Existem muitos exemplos nos Estados Unidos de cachorros mortos por policiais em apreensões de
seus donos. Segundo o FBI, nos EUA, cerca de 400 civis são mortos por ano em confrontos com a polícia, já com cães o número é indefinido pela agência. Em uma contagem feita por Merrit Clifton, do site Animals 24-7, de 300 a 500 cães morrem por ano em ocorrências policiais. Para muitas pessoas imaginar um pobre cachorrinho levando um tiro indigna muito mais do que um ser humano na mesma situação. Acha a citação absurda?

Dois sociólogos da Universidade de Northeastern corroboram com a ideia do último parágrafo quando dizem que “as pessoas ficam mais chateadas com as notícias de abuso de animais do que com ataques dirigidos para os seres humanos”. Os pesquisadores Arnold Arluke e Jack Levin fizeram uma série de estudos dessa relação fraterna entre humanos e animais e os resultados são assustadores.

Um dos estudos consistia em mostrar manchetes de um falso assassinato no campus da universidade aos estudantes. Arluke e Levin faziam um rodízio sobre as vítimas: um filhote de cachorro, um cachorro adulto, um bebê humano e um homem adulto.

A história em que a vítima era um ser humano adulto suscitou, de longe, os menores índices de estresse emocional nos estudantes. Uma pontinha de esperança surge quando o "vencedor" é anunciado: o bebê humano. No entanto, o filhote de cachorro leva o segundo lugar, seguido de perto do cão adulto. Arluke e Levin concluem que a importância emocional varia de acordo com o nível de opressão: quanto mais indefesos e desprotegidos, mais dó sentimos.

Em outro experimento, psicólogos da Universidade Georgia, perguntaram para 573 pessoas quem elas salvariam em um cenário hipotético que dava chance de apenas um indivíduo sobreviver: cão ou humano.

Segundo os pesquisadores, dois fatores são levados em conta nesse momento de decisão. Primeiro: quem é a pessoa em perigo. Um desconhecido perderia a vida por um cachorro. Segundo: quem é o cão em perigo. 40% dos entrevistados salvariam seu animal de estimação ao invés de um turista estrangeiro.

Ao que parece, a maioria das pessoas vive de acordo com a célebre frase do filósofo ambiental Chris Diehm: "o paradoxo dos gatos em nossas casas e vacas em nossos pratos."

16 comentários:

  1. A resposta é muito fácil.
    Leia com atenção a reportagem do santuário da Brigite Bardot.
    As aberrações que são contra os peludinhos, tanto lá como cá, são as mesmas merdas, não muda nada somente o sotaque.
    Como eu posso deixar de gostar dos bichos depois de ler bizarrices como a da matéria citada.
    Da raça umana eu tenho vergonha e desprezo.
    Quanto aos peludinhos, eu amo, aprendo e sempre rezo agradecendo a Deus por serem os peludinhos a invenção mais linda de Deus. Morro por eles, choro por eles, me divirto com eles e sempre e com certeza serão meus escolhidos em qualquer opção.
    ótima semana para todos !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita sua colocação Carlos.....disse tudo e mais um pouco, os anjinhos são a criação mais perfeita....penso EXATAMENTE como vc....
      Abs

      Excluir
    2. maria do carmo27/04/2015 21:43

      Assino embaixo!

      Excluir
    3. Eu também!

      Excluir
  2. Já nasci assim:amando animais e dou sim minha vida pela deles, sem pestanejar. Fiz coisas inimagináveis...(risos) e não me arrependo. Ninguém arrisque a maltratar um animal perto de mim. Já azucrinei a vida de muito vizinho...Já comprei até briga. Quanto a máxima aí em cima...Hum... Gato e cachorro na minha casa e vaca comendo feliz seu capim lá no campo.
    Iraí

    ResponderExcluir
  3. Fádua Andrade27/04/2015 11:41

    Eu morro pelos meus pets. E salvaria o bicho, lógico. Se escrevo isso em outro blog ia ser chamada, na mais carinhosa das hipóteses, de louca. Me espanta é que ninguém entre as pessoas que profere que deveria "adotar uma criança ao invés de um cachorro" não adota nem criança, nem cachorro... oras vão se catar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. maria do carmo27/04/2015 21:42

      Concordo com você Fádua Andrade....tem gente que vive gritando aos quatro cantos: nossa! porque não adota uma criança...porque não ajuda um asilo...aí eu respondo, prefiro ajudar bicho a ajudar gente. Tem o criança esperança,,,minha casa minha vida...o diabo que o carregue...mas não doam um tostão...e repito suas palavras: oras...vão te catar!!!!!

      Excluir
  4. Amo,sempre amei o animais,minha mãe sempre falou: ela gosta mais de bicho do que de gente,tive a opção de não ter filhos humanos,mas tenho meus filhos de pelos,faço de tudo pra eles terem uma vida digna,de qualidade,com amor e respeito,pois todos vieram da rua e com ela trouxeram sequelas do abandono,mas hj são muito,mas muito amados.

    ResponderExcluir
  5. Amar um ser inocente e puro é bem fácil. Quem não se enternece com a delicadeza de uma ave qualquer que seja? ou pelos olhos meigos e piedosos de um gatinho? Quem não se apieda de um cãozinho que, humilde, se afasta após levar um pito? E aqueles imensos olhos tristes de um cavalinho que parecem encerrar toda a dor deste mundo? E o tamanho em contraste com a mansidão e os belos olhos de uma vaquinha? Como posso fechar meus olhos a tudo isto se quando saio à rua o que vejo é apenas falta de respeito, "esperteza" e toda a sorte de maldade de que o ser humano é capaz? Não posso ir contra meu coração, ele jamais "amadureceu" e continua sem juízo.

    ResponderExcluir
  6. Penso como você, Marcia Caetano, agora vejo que sou "normal".
    Gosto de "gente" e de bicho. Mas o bicho é indefeso, irracional e desprotegido, o ser humano tem inteligencia, o livre arbítrio e a lei que o protege.
    Todo animal tem que ser livre e viver conforme a sua natureza. por isso eu escolho o animal e o tal humano que se dane.

    ResponderExcluir
  7. Simplesmente pq eles são maravilhosos, lindos inocentes e não enchem o saco de ninguém. Amo todos os animais e nessa pesquisa o filhote de cachorro estaria em primeiro lugar para mim. Optei por não ter filhos pq humanos são deprimentes e tem muita gente no mundo não precisa de mais. Escolhi cuidar de animais, pois com eles NUNCA me decepcionei. Ajudo asilos e creches tbm e claro na maioria das vezes os animais faço a minha parte como ser humano, mas os animais são meu bem querer. Podem me chamar de louca......nem ligo!!!!! rsrsrs e enquanto eu viver meu amor e preocupação será deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viviani, fique tranquila... vc. está entre pessoas que preferem amar os animais....
      bjs

      Excluir
  8. E precisava fazer pesquisa para concluir o óbvio?
    Um colega de trabalho que conheci na década de noventa, vivia me acusando de eu me preocupar mais com animais indefesos do que com nossos semelhantes, isso porque eu cuidava de um cão idoso que havia sido abandonado no prédio, quando a empresa anterior se mudou. No entanto, esse colega, que se considerava mais evangélico que os outros, já que fazia questão de decorar trechos da Bíblia, acelerava o carro quando via um animal atravessando a rua, criticava os outros quando estes só precisavam de um conselho, menosprezava sua esposa por esta não ter podido lhe dar filhos.
    Aí eu pergunto: “Quem precisa de um sujeito assim para fazer companhia”?

    ResponderExcluir
  9. Meus preferidos, sempre são os peludinhos, pois são nossos amigos, colegas sem falsidades, melhor criatura q Deus fez, sincera no Planeta Terra!!!

    ResponderExcluir
  10. Ufa, sempre fiquei preocupada comigo mesma, por preferir de longe um animal a um humano e sempre sofria quando divagava se num acidente tivesse que escolher entre um humano e um animal e eu escolhia o animal...rs, agora estou mais sossegada, vi que muuuitoss sao iguais a mim!!

    ResponderExcluir
  11. Jorge Romano03/05/2015 23:12

    Mania de quem não faz nem uma coisa nem outra de criticar quem faz alguma coisa. Cada um tem o seu apelo. Nunca vi um protetor criticar quem ajuda criança ou idoso, então por que criticar os que protegem animais? Eles são tão indefesos e sentem quanto os os outros dois.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪