05/12/2014

Moradores da Zona Sul de SP reclamam de ataques de sabiás

Gente, eu queria entender o que estas pessoas tem na meleca da cabeça.... deve ser porque Tico e Teco devem sair do ar ao mesmo tempo..... O mundo é dos pássaros..... Será que eles querem que os matem? ô nojo!!!!!!! Por aqui tenho gaviões, sanhaço, rolinhas, pombos, urubu, carcará e sabiá aos montes. Fico feliz da vida!!!!!! Ollha só a foto de um deles:
---------------------------


Até cachorro foi bicado pelos pássaros.
Prefeitura diz que área deve ser isolada.

Moradores de Chácara Klabin, bairro da Zona Sul de São Paulo, reclamam de ataques constantes de pássaros na calçada. Os animais saem do ninho para bicar as pessoas e animais que passam pela Rua Pedro Pomponazzi.

"Eles vêm sem você esperar. Atacaram o cachorro e a minha cabeça também", reclamou a educadora Fabiana Prando.

A artista plástica Mônica Cruz conta que seu filho foi atacado no rosto, e que ela procurou a Prefeitura para tentar resolver o problema. "Entrei em contato e a Prefeitura me pediu que
eu isolasse a área porque eles não vêm retirar. E eu não posso sair isolando uma área", disse.

Os pássaros são sabiás-do-campo, segundo o ornitólogo (profissional que estuda aves) Johan Dalgas Frisch. Ele descobriu um ninho na árvore em frente a um prédio, o que explica os ataques. "Ela [sabiá] está com dois filhotinhos. Ela não vai querer, como toda mãe, que alguém chegue perto deles. Ela defende o território", disse.

Os ataques mudaram a rotina até de um cachorro. O animal teve que mudar o caminho que costumava traçar nas calçadas do bairro. "Ele está um pouco traumatizado, ele está apavorado. Não gosta mais de passar lá", disse o zelador José Rodrigues.

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente informou que não pode fazer nada com as aves, que são protegidas por lei ambiental, que a área deve ser isolada. Apenas quando o passarinho cair do ninho é que o morador deve ligar para o 156. A Prefeitura, nesses casos, manda para o local um veterinário para avaliar o pássaro.


FONTE: G1
-----------------------------------------------------------------------------

02/12/2014 13h04 - Atualizado em 02/12/2014 13h04
Moradores da Zona Sul de SP reclamam de ataques de sabiás
Até cachorro foi bicado pelos pássaros.
Prefeitura diz que área deve ser isolada.

Do G1 São Paulo
Facebook

Moradores de Chácara Klabin, bairro da Zona Sul de São Paulo, reclamam de ataques constantes de pássaros na calçada. Os animais saem do ninho para bicar as pessoas e animais que passam pela Rua Pedro Pomponazzi.

"Eles vêm sem você esperar. Atacaram o cachorro e a minha cabeça também", reclamou a educadora Fabiana Prando.

A artista plástica Mônica Cruz conta que seu filho foi atacado no rosto, e que ela procurou a Prefeitura para tentar resolver o problema. "Entrei em contato e a Prefeitura me pediu que eu isolasse a área porque eles não vêm retirar. E eu não posso sair isolando uma área", disse.

Os pássaros são sabiás-do-campo, segundo o ornitólogo (profissional que estuda aves) Johan Dalgas Frisch. Ele descobriu um ninho na árvore em frente a um prédio, o que explica os ataques. "Ela [sabiá] está com dois filhotinhos. Ela não vai querer, como toda mãe, que alguém chegue perto deles. Ela defende o território", disse.

Os ataques mudaram a rotina até de um cachorro. O animal teve que mudar o caminho que costumava traçar nas calçadas do bairro. "Ele está um pouco traumatizado, ele está apavorado. Não gosta mais de passar lá", disse o zelador José Rodrigues.

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente informou que não pode fazer nada com as aves, que são protegidas por lei ambiental, que a área deve ser isolada. Apenas quando o passarinho cair do ninho é que o morador deve ligar para o 156. A Prefeitura, nesses casos, manda para o local um veterinário para avaliar o pássaro.

6 comentários:

  1. fabiola ratton05/12/2014 12:13

    Uma vrz um sabiá atacou a cabeça do meu cachorro filhote enquanto ele fazia cocô tadinho, ficou com trauma e nao foi mais no quintal. Mas isso pq a Sabiá estava com ninho, passou a época dos filhotes não aconteceu mais. E eles nunca atacaram as pessoas , pq já são acostumados com a gente. o cachorro é que era novidade. Depois disso eles se acostumaram tb com o cachooro e até dividiam os mesmos potes. Passarinhos não atacam do nada, deve ser defesa dos filhotes. Esse povo acha que está num filme de hitchcok/

    ResponderExcluir
  2. Já fui atacada várias vezes,e nunca reclamei,deixa o passarinho viver em paz,no muro da minha casa faço questão de colocar mamão pra ver eles comerem,pessoas que reclamam de tudo deveriam morar em isolamentos.

    ResponderExcluir
  3. Moro próximo à Chácara Klabin e nunca presenciei nenhum ataque de pássaro. Acho que trata-se de defesa deles por se sentirem ameaçados por essas pessoas. Que gente doente!!

    ResponderExcluir
  4. QUALQUER TERRITÓRIO DO BRASIL ERA FORMADO DE MATAS NATIVAS. AOS QUE SE APOSSARAM E TRANSFORMARAM A VIDA DOS HABITANTES QUE ALÍ VIVIAM, PEDE-SE UM POUCO DE TOLERÂNCIA E MENOS EGOÍSMO - REFLITAM.

    ResponderExcluir
  5. Sempre tive a maravilhosa visitas de sabiás, Ben-Te-Vi e inúmeros pássaros e nunca fui bicada, nem mesmo, meus cachorros. O que acontece é que na Chácara Klabin só tem gente fresca, metida a besta e de miolo mole que não sabe admirar a natureza. Os incomodados que se mudem!

    ResponderExcluir


  6. Eu ja fiz de tuuuuuuuuuuuuuuuuuudo pra ver um passarinho vir beber uma aguinha na minha janela e nekas e esse povinho claustrofóbico se queixando a toa.

    Ahhhhhhhhhhhhhh vai procurar sua turma , povinho mal amado é uma merrrrrrrrrrrrrrrda mexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxmo viu !!!!

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪