25/11/2014

Égua da cavalaria da PM morre eletrocutada na Arena Pantanal

Sei que é um acidente, mas, que dó.....
--------------------------
Égua da PM morreu após levar um choque em gramado perto da Arena Pantanal.
Grupo da cavalaria fazia a segurança no entorno do estádio, em Cuiabá. 
PM que montava o animal também recebeu o choque mas conseguiu sair.

Uma égua que pertencia à cavalaria da Polícia Militar morreu neste domingo (23) depois de receber uma descarga elétrica em um gramado próximo a Arena Pantanal, em Cuiabá. De acordo com a Cavalaria da PM, um grupo de policiais fazia o monitoramento montado na região após
o jogo entre Santos e São Paulo. Os animais e os policiais sentiram o choque e tentaram sair do local, no entanto, um dos cavalos caiu ao ser atingido por uma descarga. A égua se chamava Andrômeda.

O G1 tentou mas não conseguiu contato com a assessoria da Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) sobre o acidente. “Nós estávamos realizando o monitoramento montado em seis conjuntos, passando por essa grama, quando em determinado momento eles [os cavalos] tiveram uma reação adversa e começaram a pular. A maioria deles conseguiu sair mas um dos nossos animais não conseguiu e caiu. O policial que estava junto sentiu um choque, mas conseguiu se desvencilhar do animal e se afastar”, detalhou o tenente da cavalaria, Lucas Maciel.

Os policiais da cavalaria tentaram retirar o animal da grama, porém, a égua não teve nenhuma reação. "Foi tarde demais, em questão de segundos ela parou de se mexer. Posteriormente nossa veterinária constatou a morte", comentou o tenente.

Segundo os policiais militares, uma equipe da Cemat, concessionária de energia, foi ao local e teria constatado o problema na eletricidade. "Pelos equipamentos eles verificaram que existia uma fuga de eletricidade. Foi o nosso animal, que era bastante querido, mas poderia ter sido uma criança", criticou o PM.

A Cemat informou que o local onde ocorreu o acidente é de responsabilidade da Secopa e que a empresa cuida apenas da energia externa, nas ruas e postes.

FONTE: ExpressoMT

6 comentários:

  1. rosa elisa villanueva25/11/2014 11:22

    Mais uma herança dessa Copa que serviu para uns poucos terem lucros. tadinha.

    ResponderExcluir
  2. Culpas à parte, quem sofreu foi a pobre égua. Se não fosse explorada, não estaria naquele lugar nem perderia a vida por nada...

    ResponderExcluir
  3. Coitadinha! Mas, como sempre digo, essa não sofrerá mais.

    ResponderExcluir
  4. O acidente só ocorreu porque uma das empresas foi irresponsável, se a vistoria foi feita periodicamente, isso não teria acontecido. Infelizmente, no Brasil ninguém dá a mínima para a prevenção de acidentes, sempre espera acontecer.

    ResponderExcluir
  5. o que é "fuga de eletricidade"? e por que não matou um humano antes? como se explica que ninguém tenha passado por ali antes da patrulha montada?

    ResponderExcluir
  6. Não foi acidente. Foi negligência mesmo. Vejam o que encontrei sobre "fuga de eletricidade":

    Fugas de corrente
    A fuga de corrente é uma espécie de "vazamento" da corrente elétrica. Para facilitar a detecção desse problema, os circuitos devem ter um dispositivo chamado DR (Disjuntor Diferencial Residual). Esse elemento desarma no caso de fuga de corrente e, com isso, evita choques em pessoas e danos em equipamentos.
    O DR é um fator de proteção e, por isso, sua instalação é obrigatória particularmente em circuitos de tomadas de áreas úmidas, como banheiros e cozinhas. Em redes sem DR, o que não é permitido, o principal sinal de que existe fuga de corrente é o choque elétrico ao tocar aparelhos com carcaças metálicas.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪