24/11/2014

Canto de galo, latidos e cheiro ruim tiram sossego em bairro de Campinas - SP

Aí é difícil avaliar sem conferir.... galera de Campinas tendo chance, dá uma olhada? pode ser coisa de vizinho e coisa e tal.....
-------------------------------
Alguns animais foram flagrados do lado de fora da casa pela vizinha (Foto: Maria Soares / Arquivo Pessoal)
Moradores reclamam desde junho de 'hábitos' de um vizinho aposentado.
Homem tem animais em casa e apartamento e tem perfil de acumulador.

Os tapumes presos às grades da casa no bairro Botafogo, em Campinas (SP), tentam esconder dos olhos o que os ouvidos e o nariz não conseguem negar. Pelas frestas e nas janelas com tela é possível ver alguns cães e gatos e, próximo ao portão da rua, o rastro de urina dos animais que "moram" na residência. Desde junho, moradores convivem com o mau cheiro e os latidos sem hora e, mais recentemente, a cantoria de um galo tem contribuído para tirar o sossego de quem vive ali. "É o dia inteiro de latidos e
a madrugada também. A gente não aguenta os barulhos. É um inferno", conta a vizinha Maria Soares.

Os animais e o problema pertencem a José Antônio Prado, que seria um aposentado segundo os moradores. Prado mora em um prédio em frente à casa onde ficam os bichos. No apartamento ele também teria cerca de 20 gatos. A quantidade exata de animais não pôde ser confirmada porque ele não foi encontrado, nem nos locais e nem no telefone celular, pela reportagem do G1, mas a vizinha estima que sejam ao menos 25 cachorros na casa, fora os felinos. "Ele é agressivo e violento, não pode falar com ele que ele te agride", conta Maria.

As reclamações dos moradores vêm sendo feitas desde junho, quando o causador da discórdia teria começado a acumular os bichos. Segundo Maria, um abaixo-assinado com cerca de 160 assinaturas foi preparado e 15 denúncias foram feitas no Centro de Controle de Zoonoses da cidade. Até boletins de ocorrência por conta das agressões aos vizinhos foram registrados na Polícia Civil. "Nós pagamos impostos e não somos obrigados a passar por isso", revolta-se Maria.

Galo acorda bebê do vizinho
Um dos moradores do prédio, que preferiu não ter a identidade revelada, conta que, desde que o galo passou a integrar o grupo de animais, o seu bebê, que ainda não completou 2 meses de vida, precisa dormir na cozinha.

Entrada da casa é coberta por tapumes (Foto: Mateus Bassi / G1)
"O galo canta das 2h às 9h. O bebê tem que dormir no carrinho. A cozinha é o lugar mais distante do barulho", conta. Em uma gravação em áudio (que pode ser conferida ao lado), o morador registrou os latidos e a cantoria do galo durante a madrugada e, segundo ele, com as janelas de casa fechadas. Dá para imaginar o incômodo durante o horário que deveria ser de descanso para a família. O pai da criança afirmou ter registrado um boletim de ocorrência por perturbação de sossego e tentativa de agressão contra o aposentado, e ainda protocolou a reclamação na Prefeitura de Campinas.

A varanda do estudante Victor Kenje fica bem em frente à casa onde vivem os bichos. Ele reside no edifício há 19 anos e nunca tinha passado por nada igual. "Já teve perturbação com churrasco do vizinho, mas nada assim. O galo canta inclusive durante o dia, de hora em hora, praticamente". Ele diz que ouve brigas entre os animais. "Briga de cachorro acontece sempre, principalmente no calor. Ele grita com os animais. Sempre tem mal cheiro e acumula pombos. Quem gosta de animais não faz isso", desabafa.

A síndica do prédio, Nadir Alves, confirma o problema. Segundo ela, Prado já recebeu duas advertências e uma multa de um salário mínimo por causa do mau cheiro causado pela urina dos gatos no apartamento e pelo incômodo aos vizinhos.

"Vieram pessoas para tentar adotar e ele não doa. Ele falou que não vai pagar a multa e o prédio vai entrar na Justiça", afirma a administradora. O hábito de acumular, segundo ela, chega até a garagem do edifício, onde o aposentado guarda "tralhas e entulho".

Investigações
De acordo com a Prefeitura, o caso do aposentado vem sendo tratado como o de um acumulador. O diretor do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal (DPBEA), Paulo Anselmo Nunes, recebeu as denúncias e afirmou que vai solicitar à Justiça uma autorização para entrar na residência, já que a Vigilância Sanitária tentou vistoriar o local, mas não conseguiu. "Tentamos entrar cinco vezes no imóvel, mas ele não atende. Se constatarmos maus-tratos, aplicaremos a lei ambiental", explica Nunes.

O local não é considerado canil e gatil pelo Departamento de Urbanismo porque Prado não comercializa os bichos, só acumula. Segundo Nunes, 22 casos de acumuladores de animais que chegaram ao DPBEA estão em andamento em Campinas, a maioria denunciada este ano."Onde conseguimos entrar, os proprietários foram notificados e multados pela Vigilância. Eles precisam reduzir a quantidade de bichos ou entraremos com uma ação judicial", explicou. O valor da multa não foi informado.

Sobre os boletins de ocorrência registrados contra Prado, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que ele e os moradores envolvidos prestaram depoimento. O caso foi encaminhado para o Juizado Especial Criminal. Em nota, a SSP explicou que a "investigação apura naturezas consideradas pela lei como de menor potencial ofensivo: ameaça (artigo 147 do CP), injúria (artigo 140) e o artigo 42 da Lei das Contravenções Penais, que é perturbação do trabalho ou sossego alheio".

Cães e gatos vivem dentro da casa que é motivo de reclamação (Foto: Mateus Bassi / G1)
Acumuladores
O problema dos acumuladores, segundo Nunes, é que não basta tirar os animais deles. "É um problema de saúde. A pessoa volta a acumular. Estamos pensando em uma abordagem diferente", conta. O DPBEA está estudando um projeto que reúna a orientação de desapegar dos animais a um tratamento psicológico e psiquiátrico, mas não há um prazo para que ele seja aplicado nos casos da cidade.

Para a psicóloca psicoterapeuta Welleny Gomes Bravo, uma pessoa acumuladora costuma ser compulsiva em estado grave. "É diferente de um colecionador, que tem orgulho de mostrar e não oferece prejuízo social. O acumulador não mostra. É um problema psicológico ligado a algum trauma com origem na infância e adolescência e piora com o tempo. É uma necessidade de preenchimento", explica.

A especialista disse, ainda, que os acumuladores costumam se esconder e se enfurecem quando alguém diz que ele está errado ou que ele precisa de ajuda. O tratamento deve ser psicológico e também psiquiátrico. "Não pode tirar os animais de uma só vez, porque pode causar depressão. Precisa ser um processo lento. A dificuldade é aderir ao tratamento", afirma.

FONTE: G1

6 comentários:

  1. Se for mesmo caso de acumulador é claro que se tem que tratar com psicólogo, porque é ruim para todo mundo inclusive para os animais.
    Mas, sempre fico com um pé atrás com quem reclama de barulho. Para mim o que me perturba é barulho de criança. Dá para processar os pais por causa disso? Tirar a criança da casa porque incomoda os vizinhos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com vc
      moro em uma chacara no meio do mato, para ter paz !! tenho meus animais e dosi galos que cantam muuito, meu vizinho tem muuuitos animais que fazem barulho como gansos, patos, galinhas d angola ( que nao param um minuto sequer de gritar " to fraco to fraco" rs ) ou piam em sinal de alerta, bodes, cabras , caes etc mas sabe o que irrita ? Os gritos do neto dele !! que saco !! Moleque mal educado que consegue gritar mais alto que todos os animais dele e os meus....

      Excluir
  2. Animais correm risco no local porque são indesejáveis e podem sofrer retaliações, desforras e tentativas de morte por parte dos moradores descontentes, com ou sem razão. Tutor responsável também leva em conta o direito de humanos dormirem após um dia de trabalho providenciando para que seus animais não os incomodem tanto. No caso em questão o mais justo e prudente é tutor e tutorados se mudarem para outro local antes que aconteça o pior para uns e outros já que depois não vale chorar pelo leite derramado.

    ResponderExcluir
  3. Reclamar que o canto de um galo incomoda? Este povo ainda acredita que durante a gestação, o útero da mãe é silencioso e que a criança não está acostumada ao barulho?
    Será um acumulador ou implicância de vizinhos chatos? As fotos não mostram fezes dos cães nos quintais. Alguém da causa animal deveria verificar e tirar isso a limpo.

    ResponderExcluir
  4. eu já morei em um apto( hoje tenho a benção de morar no meio do mato em uma chacara !! )e tinha um cao, eu tomava cuidado que após as 22 hrs ele nao incomodasse com seus brinquedinhos ( ele nao era de latir) mas arrastava ate garrafas pet brincando, mesmo qd eu saia e sabia que iria chegar apos as 22 hrs escondia tudo, A vizinha do andar de baixo tinha um bebe que simplesmente se esgoelava a noite inteira, de madrugada principalmente, e um dia ela veio com uma conversinha fiada e percebi que iria reclamar do meu cachorro, nao a deixei falar e disse que ele era meu filho e que durante o dia tinha o direito de brincar como todas as crianças e falei que eu guardava seus brinquedos qd eu saia e lhe perguntei se apos as 22 hrs ele fazia barulho, muito sem graça ela disse que nao, ai taquei na cara que o bebe dela incomodava a noite toda e que eu nunca reclamei....a mulher ficou super sem graça e nunca mais tocou no assunto....

    ResponderExcluir
  5. rosa elisa villanueva25/11/2014 14:07

    Não gostei da reportagem. Concordo com a Victória, pela foto não se veem fezes nem sujeira no pátio. Alguém da proteção animal precisa ir lá para verificar os fatos. Nós temos por vizinho um galo e ele começa a cantar de madrugada. Prefiro mil vezes o canto do galo do que os funks que uns grossos costumam ouvir bem alto. Cococorocó.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪