17/03/2014

Uso de cavalo em peça 'Eu Não Sou Bonita' causa protestos

Aqui no Rio, temos lei que proíbe isto.... quem escreve a matéria abaixo é a BARBARA GANCIA
 _________________

Imagem Google
"Cacilda!", exclamei ao entrar na plateia do teatro Cacilda Becker, na noite de anteontem, para assistir ao espetáculo "Eu Não Sou Bonita", com direção e atuação da espanhola Angélica Liddell. 

Não, infelizmente meu clamor não estava vinculado à admiração pela gloriosa atriz que batiza a casa. 

Fato está que dei de cara com um cavalo branco que, de tão grande, mais parecia um boi zebu. Minto, um alce. 

O pobre animal estava entocado num canto
do palco atrás de um monte de feno, cena assaz perturbadora. Mais deslocado do que o Jean Wyllys em Marcha pela Família com Deus pela Liberdade. 

Enquanto a protagonista não chegava ao palco para nos brindar com sua crítica à brutalidade da sociedade patriarcal, relembrando abuso vivido na infância, eu viajei perdida em conjecturas. 

"E esse animal é mesmo necessário em cena?", pensei. Lembrei de "Equus", de Peter Shaffer, em 1975. Minha mãe me levou para assistir na Broadway, estrelada por Anthony Perkins. Que show! 

A maneira como eles resolveram a presença de cavalos em cena matou. Eficiente, sintética, máscaras, tamancões, bailarinos e pronto. 

E "O Rei Leão"? Alguém precisou levar um zoológico ao palco? Não o fazem porque ofenderia a Sociedade Protetora dos Animais? 

Uma imponente Angélica Liddell entrou em cena jorrando versos em choro. "Cansei de ser mulher, de ter vergonha; ensinaram-me a detestar meu corpo... Homens, ignorantes e asquerosos..." 

A atriz é performática, bem anos 1980. Vai abrindo uma cerveja e outra e afogando as mágoas do tamanho do equino. Você começa a entender que ela sofreu alguma barbaridade da grossa. 

Só quem não se comove é o cavalo, que não para de mastigar alfafa e parece se incomodar a cada vez que ela quebra um objeto ou grita. 

De repente, um punhado de ativistas está sobre o palco exibindo cartazes. "Tirem o animal!"; "Animal não é propriedade!"; "Sejamos artistas, não algozes". 

No mínimo, é interessante ver a interferência de jovens expressando os direitos de quem não tem voz ativa, não? Ali não houve nem sombra da violência usada na invasão daquele laboratório de pesquisa dos beagles. 

Manifestante protesta contra o uso de animais no teatro 
Só que o público não viu graça. Devo ter tido a má sorte de cair com a plateia mais intolerante do mundo, a mais sem graça. Vai ver, sobrei com a turma que considera "arte" uma coisa que deve ser levada muito, muito a sério. 

A garotada pediu para dizer umas palavras e avisou que iria embora logo. Que o quê? Homens adultos, mulheres refinadas, supostos apreciadores de cultura levantaram enfurecidos e, amparados na unanimidade de respeitadores da ordem, partiram para um bullying violento e despudorado para cima dos manifestantes. 

A porta-voz tentou falar, mas foi abafada pela gritaria. Lembrou-me da cena deprimente que presenciei no ano passado, ao mediar um debate da blogueira cubana Yoani Sánchez e trogloditas a impediram de falar. Intransigência no lugar de diálogo. Minha razão se sobrepõe à sua. Em nome do quê? 

Finalmente, depois de serem xingadas, humilhadas e tratadas por loucas, as moças puderam falar. Uma das manifestantes desceu do palco e sentou-se, tremendo, na cadeira ao meu lado. "Como a senhora se chama?", perguntou. Respondi. Ela havia me visto filmando. 

"Sou estudante de veterinária, posso lhe garantir que o cavalo não deveria estar ali, a senhora entende, sabe o que é um ser senciente?" 

Sei sim, é um ser capaz de sentimentos como dor e agonia e emoções próximas ao pensamento. Mais do que muitos ali parecem dominar. Inclusive a protagonista. 

Sim, porque para quem se pretende atriz e deseja denunciar injustiça e preconceito, o ato de jogar seus irmãos de armas aos leões mostrou a medida de sua sinceridade. 

No ano que vem, já sabemos para quem não dar nosso suado dinheiro público. Lamentável espetáculo. 

EU NÃO SOU BONITA
QUANDO hoje, às 23h; amanhã, às 20h
ONDE teatro Cacilda Becker, r. Tito, 295, tel. (11) 3864-4513
QUANTO grátis (ingressos uma hora antes)
CLASSIFICAÇÃO 18 anos 

FONTE: Folha de SP

8 comentários:

  1. Dinheiro público? Mas não se faz nada neste país sem dinheiro público??? E o lucro também é público???

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ! Texto muito bem escrito.

    ResponderExcluir
  3. Fádua Andrade17/03/2014 13:38

    Além de tudo, parece que o cavalo nada tem a ver com o enredo! absurdo! parece produto de quem quer fazer algo criativo sem possuir criatividade alguma. Adoro artes,mas não se pode admitir qualquer tipo de besteira só por se apresentar como tal. O senso crítico, aliás, deve acompanhar a arte para que não vire um monte baboseiras! Espero que ninguém mais vá assistir a essa porcaria.

    ResponderExcluir
  4. Palco e pessoas batendo palmas são situações de estresse pro animal. É uma questão de bom senso. Realmente não acredito que um cavalo no palco seja necessário.

    ResponderExcluir
  5. Ótimo texto, espero que se toquem e retirem o cavalo de cena.

    ResponderExcluir
  6. "Cada macaco no seu galho".

    ResponderExcluir
  7. tambem gosto de arte, de comida, de religião, gosto de tudo, contanto que não envolva exploração animal, porque nesse caso, não gosto de nada!

    ResponderExcluir
  8. É apenas mais uma idiota que julga-se "atriz". Oh!, Deus, dai-me paciência.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪