30/03/2014

Mesmo cansado e com doença rara, cão-guia não larga casal por nada

Gente, que coisa emocionante.... tanto o c]ao quanto seus donos se amam profundamente.... Quem puder ajudar, participe da Vakinha.

Esvana, 37, e Marcos, 39, com o cão-guia Wyatt

Há seis anos, o labrador Wyatt, 8, com amor incondicional, desbrava os sinuosos e íngremes caminhos das ruas de Jandira, na Grande São Paulo, para o casal de cegos Marcos André Leandro, 39, e Esvana Marques, 37, juntos há doze anos.

O cão também abre portas e amizades, encontra saídas, escadas, elevadores e banheiros, dá segurança e conforto aos passos dos dois.

Mas, há três meses, Wyatt não é mais o mesmo, definha aos poucos. Decorrência de uma doença
raríssima que faz o cobre dos alimentos ser retido nos músculos, que se atrofiam mais a cada dia.

Agora, o bicho vive ofegante, cansado, tem dificuldades para comer e beber água, mas, mesmo combalido, apresenta-se para o trabalho. Foi treinado para servir.

Não recebe mais os arreios, que indicam que é hora de guiar os mestres, perdeu a energia que esbanjava e quase não se anima com bananas, seu petisco predileto.

Wyatt, que já foi saudado por um comandante em pleno voo para o Nordeste -"Senhores passageiros, informo que é um imenso prazer estar conduzindo pela primeira vez na minha vida um cão tão especial, um cão-guia"-, está exigindo cuidados que consomem 40% da renda dos dois funcionários públicos.

Como veio dos EUA, por meio de um convênio firmado entre uma instituição americana e a ONG brasileira Iris, o animal pode ser devolvido, mas essa ideia nem passa pela cabeça do casal.

"Não é só gratidão. É amor. Nos sentimos na obrigação de fazer tudo o que for possível por ele. Naquilo que sempre esperávamos do Wyatt, ele sempre nos atendeu prontamente. Nos resta fazer o mesmo por ele", conta Esvana.

Tratado como "filho", os "pais" do bicho temem que, ao entregá-lo de volta à organização, não saibam mais de seu destino.

"Como vamos ficar bem sem saber se ele ficará bem e receberá os cuidados que precisa de outras mãos? Depois que ficou doente, ele não nos abandona um minuto. Quando vou ao banheiro, ele fica na porta, levanta-se do chão mesmo com dificuldade", afirma Marcos.

INTERNAÇÃO

Os primeiros sintomas da enfermidade do bicho, a hepatite crônica por cobre, surgiram em janeiro, quando Wyatt passava férias na praia com a família. Ele tinha dificuldades de respirar e quase não fazia cocô.

Em uma internação de seis dias em uma das melhores clínicas veterinárias de São Paulo, foram dezenas de procedimentos até que fosse descoberta a doença. Precisou de transfusão de sangue, respiração mecânica e medicação intensiva. A conta: R$ 12 mil.

"Gastei as economias que tínhamos juntado para uma cirurgia que seria feita em minha mulher e contraí um empréstimo consignado. A conta ficou ainda mais cara porque, como somos cegos, alugamos um carro e pagamos um motorista para agilizar o transporte do Wyatt e o nosso até a clínica", diz Marcos.

Atualmente, o cão precisa tomar sete medicamentos. Eles servem para desde a eliminação do cobre do organismo até para diminuição das dores. Também precisa de ração especial -R$ 254 o pacote de 10 kg-, fazer exames permanentes, além de cuidados básicos como banhos e vacinas. O total de gastos mensais é de R$ 2.000.

As contas estão sendo bancadas pelo casal, mas Marcos e Esvana estão chegando no limite de suas possibilidades e abriram uma campanha na internet parar arrecadar fundos: www.vakinha.com.br (busque por "tratamento de saúde do meu cão-guia").

Não há previsão do tempo de vida que resta ao cão, mas há chances de cura para a doença caso o tratamento seja realizado à risca.

Fonte: Folha UOL

10 comentários:

  1. OLÁ, ESTAVA LENDO SOBRE ESTE CÃO, EMOCIONANTE O AMOR E GRATIDÃO DO CASAL PELO ANIMAL E VICE-VERSA.

    ResponderExcluir
  2. conceição30/03/2014 10:51

    quase me acabei, demaissssssss
    que lindo casal.

    ResponderExcluir
  3. Genteee, vamos ajudar!!!!!!! Um pouco que cada um de nós contribua na "vakinha" já ajuda! Bora lá!!!!
    Somos muitos e todos amamos animais, não adiantam só lindas palavras! Temos que agir! Vamos ajudar o Wyatt !!!!!!!
    Lígia

    ResponderExcluir
  4. Já contribui, é super fácil. Não precisa nem sair de casa, pela internet, com cartão de crédito, pufff, já foi....ótimo! Animem-se!
    Lígia

    ResponderExcluir
  5. Eu vou ajudar com o que posso. Amanhã pago o boleto.
    A vakinha correta é esta http://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=259165, pois tem outra falsa no site !

    ResponderExcluir
  6. Quero saber como faço para ajudar realmente...

    ResponderExcluir
  7. Não consegui a conta certa para fazer um pequeno deposito na vakinha.
    Vocês podem me ajudar por favor??

    ResponderExcluir
  8. Wyat Anjinho de Luz desse Casal... Vai dar tudo certo! Vamos rezar para você melhorar!! E pedir a Deus o seu MILAGRE!!!

    ResponderExcluir
  9. Querida Sheila Moura, só uma sugestão, não seria melhor colocar o endereço da "Vaquinha" completo para evitar confusões? Segue o link: http://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=259165. Abraços e tudo de bom ...

    ResponderExcluir
  10. Vou colocar lá, tá? obrigadão

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪