27/02/2014

Moradora de rua divide comida e até a 'cama' com 15 cachorros no Rio

Conheci algumas figuras do gênero aqui no Rio de Janeiro. Os animais ficam, aparentemente bem, mas, sempre lamento a situação, pois, os responsáveis são sempre pessoas que bebem e que possuem algum desequilíbrio emocional. O que fazer? empurrar com a barriga.... ter alguem para cuidar deles, mesmo com dificuldades, é melhor do que ver estes animais perdidos e com fome..... Ah, e outra coisa, boa parte de mendigos tem cães para guardá-los de furtos dos seus companheiros ... não se esqueçam disto.....
__________________

Rosana divide carroça com 15 cães
Crédito: Marcelo Bruzzi/Rádio Globo
Mineira vive em esquina movimentada do Centro na companhia dos animais: 'São minha família. A melhor coisa que encontrei nas ruas'

A cena desperta a atenção de quem passa pelo Centro do Rio. Debaixo de sol forte, Rosana Aparecida da Silva, de 31 anos, parte um pão em migalhas e distribui para cada um de seus 15 cachorros. Minutos depois, abre um pacote de biscoito de maisena e repete o ritual. Na movimentada esquina das ruas Camerino e Senador Pompeu, a mulher é exemplo de solidariedade. "Eles são minha família, meus filhos. Me protegem. Se alguém chega perto, começam a latir. Divido as refeições e até a cama", afirma. Os cães ficam
amontoados numa carroça entre papelão, malas com roupas e outros objetos achados no lixo.

Cães dividem espaço dentro de carroça
Crédito: Marcelo Bruzzi/Rádio Globo
Nascida em Conceição do Rio Verde, cidade mineira com cerca de 15 mil habitantes, Rosana vive nas ruas do Rio há mais de dez anos. "Minha irmã morreu atropelada. Fiquei com raiva e viajei em busca de uma vida melhor", conta, sem perder o sotaque de origem. Já os pais ficaram para trás, em Minas Gerais. Na capital fluminense, a mulher rodou pelo bairro de São Cristóvão, na Zona Norte, e chegou a morar numa casa invadida na Lapa, região central. "Morar na rua é muito difícil. Não dá para descansar, não dá para tomar banho direito. A melhor coisa são meus bichos", afirma. "Comecei a andar com dois. Eles tiveram filhos, netos, e agora são 15", completa.

Rosana alimenta um de seus cães
Crédito: Marcelo Bruzzi/Rádio Globo
Os nomes estão na ponta da língua. "O Jokie é o mais brigão. Mas tem o Mike Tyson, Holyfield, Anderson Silva, Máscara, Xuxa, Maria Bonita, Lampião...", afirma, apontando para cada um dos animais. A mineira também conta com a companhia de Moisés, baiano que garimpa o lixo e vende objetos e roupas velhas num brechó, na Praça XV. "Meu marido dorme sentado. Eu pego um pedaço de papelão e durmo com três cães", conta. Hoje, Rosana ganha R$ 70 por mês de Bolsa Família e depende da doação de ração e alimentos.

Os doadores são testemunhas da demonstração de afeto. O jornalista Rafael Maia distribui quentinhas para moradores de rua há três anos e ficou surpreso quando encontrou a carroça lotada de cães. "Os animais são companheiros de todas as horas da população de rua. Foi muito bonito ver a reação dela ao receber comida e bebida: dividiu tudo com os cachorros. Um gesto claro de amor", lembra.
Rosana e seus cães vivem no Centro do Rio
Crédito: Marcelo Bruzzi/Rádio Globo
FONTE: Radio Globo

6 comentários:

  1. Ok, concordo que muitos moradores de rua amam e alguns cuidam bem dos animais, mas se ela começou com 2 cães e eles foram se multiplicando, onde vai parar? Muitos usuários de crack aqui no meu bairro têm cães, os animais protegem os seus pertencem. Eles até cuidam dos bichos, mas faz pouco tempo um morreu atropelado. Uma amiga socorreu outro que estava mordido por pitbul no pescoço e descobriu que o cão tinha tb problema renal. Ela teve que comprar o animal dos mendigos e mesmo assim depois de muita briga. Eles já estão com uma cadela bem novinha e sempre pedem ajuda pra ração. O animal está bem magro. A gente acha que estão com um novo golpe: pedem ração, deixam as pessoas se aproximarem dos animais e depois sugerem que vão mudar dali e não podem ficar com o bicho, mas estão precisando de dinheiro pra voltar pra casa...tem que alguem ajudar e tb ficar com o cachorro. Isso está acontecendo com a cunhada de minha amiga. Dá pra sentir a jogada? Outro fato é que quando a gente (ocorre com todos os donos de cães que conheço) passeia com o cachorro pela rua, muitos usuários de droga pedem pra gente lhes dar o animal. O cão virou moeda de troca entre eles. Eu não duvido do amor dessa senhora pelos cães, mas eles estão na rua e isso é situação de risco. Nesse espaço existem variados tipos de moradores. A rua é perigosa! Quinze? Alguém já os castrou?!

    ResponderExcluir
  2. É bonito ver essa ternura da Rosana com os cães, mas concordo que precisam ser castrados urgentemente, antes que se multipliquem mais e mais e ela mesma fique sem o controle sobre tantos animais, e eles irão ficar à mercê da crueldade das ruas... Os protetores voltados para os cães poderiam dar essa força na castração.

    ResponderExcluir
  3. Fádua - POA27/02/2014 20:33

    Boa reflexão, Rita. Esses dias uma moça, vestida precariamente e muito suja, estava na frente de um shopping aqui em POA com um cãozinho que apresentava sequelas de cinomose. Ela pedia dinheiro para ajudar o cachorrinho, eu fui uma a ajudar. Logo depois ela estava na farmácia comprando cosméticos e, logo que entrei, ela me viu, soltou a cestinha e saiu correndo da loja. Eu não me importaria de ajudá-la se ela tivesse me pedido um sabonete ou um shampoo, pois vi como ela mesma precisava daquilo, mas ela usou como desculpa o cão... assim como ajudo aos bichos, ajudo as pessoas, pena, talvez a miséria humana esteja tão banal que pessoas pobres precisam de novos argumentos para serem percebidas...

    ResponderExcluir
  4. Agora é moda ver mendigos com cachorros nas ruas, eles ja perceberam que as pessoas param.
    Comprei um saco de ração pra um cachorrinho que estava com um mendigo e o cara guardou a ração, voltei, perguntei porque ele tinha guardado a ração, ele disse que ia dar depois, falei ta bom entao faz de conta que acredito em voce !!!,
    Peguei o saco da ração, abri e dei pro cachorro e o bichinho tava faminto.


    ResponderExcluir
  5. Trabalho perto deles.. são bem tratados na medida do possível... precisamos ajudá-los. Precisamos fazer algo por eles...Tanto para o casal quanto para os cahorros... Se puder vem dar uma olhada neles.. Rua Senador Pompeu com rua camerino (centro do rio - Perto da central do Brasil).

    ResponderExcluir
  6. "são sempre pessoas que bebem e que possuem algum desequilíbrio emocional" Vc está generalizando.. Acho q você deve ir até o local para verificar o q vc diz.... Precisam de ajuda..!

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪