11/01/2014

Novo grupo de defesa dos animais vai supervisionar produções de Hollywood

Vejam vocês... Sempre tive notícia de que ONG´s de proteção animal acompanhavam as filmagens de cenas com animais. Agora tivemos ciência de que estas mesmas "vendidas ao poder dos diretores de Hollywood" estavam deixando rolar casos como o comprovado do tigre PI.
_________________________

Foto Ilustrativa - Google
RIO - Um novo grupo de defesa dos animais pretende supervisionar com mais transparência as produções de Hollywood. A decisão acontece após a revista "Hollywood Reporter" denunciar, em novembro, que bichos sofreram maus tratos durante as gravações de filmes populares nos Estados Unidos.

A Movie Animals Protected (MAP) pretende ameaçar a supermacia da American Humane Association (AHA), principal organização que
hoje trabalha para proteger a integridades dos animais usados nas filmagens. O novo grupo será encabeçado por Barbara Casey, ex-autoridade da AHA.

Ela acompanhou a operação de diversos funcionários da AHA, durante 13 anos, antes de ser demitida em janeiro de 2012. Casey alega ter confrontado os produtores de "Luck", série da HBO em que vários cavalos morreram.

A reportagem do "Hollywood Reporter" apresentava evidências de que a American Humane Association abafou, sistematicamente, casos de maus tratos e mortes, tudo para preservar as relações com poderosos produtores de Hollywood. O texto explica como o grupo se tornou "parte da indústria que deveria regulamentar".

De acordo com a publicação, que manteve a maior parte das fontes sob anonimato, um treinador deu socos em um cachorro no set de "Resgate abaixo de zero" (2006), filme da Disney estrelado por Paul Walker; um esquilo foi esmagado nas filmagens da comédia romântica "Armações do amor" (2006), com Matthew McConaughey e Sarah Jessica Parker; e dezenas de ovelhas e cabras morreram em "O Hobbit: Uma jornada inesperada". Treinadores já haviam denunciado a morte de bichos nos bastidores do épico de Peter Jackson.

Além disso, O tigre usado em "As aventuras de Pi" (2012), que rendeu o Oscar de direção a Ang Lee, teria quase se afogado (embora o animal tenha sido recriado em computação gráfica na maior parte das cenas, um modelo real foi necessário em determinados momentos).

A AHA argumentou que os incidentes aconteceram de maneira não intencional ou "não relacionadas ao trabalho".

4 comentários:

  1. Muito bem, que assim seja no mundo todo. Que a nossa voz não se cale por aqueles que não podem falar.

    ResponderExcluir
  2. Beth Vieira11/01/2014 17:16

    A eterna briga: supremacia financeira X valores éticos e sentimentais... Quando a vida terá mais valor que o vil metal???

    ResponderExcluir
  3. Não importa se foi intencional ou não, aconteceu, é o bastante! Quanto a afirmação de que as mortes e ferimentos não estão relacionadas ao trabalho, indica que imaginam ser as pessoas tão acéfalas quanto eles.

    ResponderExcluir
  4. Os argumentos da AHA não mais importam, o que importa é que abafaram e tentaram esconder a sujeira em que se envolveram, ao invés de cumprir a missão de proteger a integridade daqueles pobres animais. Esta ONG deveria ser processada e seus integrantes presos!

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪