09/09/2013

Bode expiatório: ritual onde um bode era queimado e outro deixado morrer no deserto

Por conta da postagem que fiz contando sobre o ritual judaico de usar galinhas para livrar seus seguidores dos pecados que cometeram até então, uma leitora nos lembrou muito bem a questão do "bode expiatório" que está lá no Velho Testamento. Para não ficarem me enchendo a paciência alegando que estou perseguindo os judeus, que sou nazista, que sou parente do Hitler, e mais argumentações de quem não tem como justificar tamanha baboseira, estou reproduzindo a Wikipédia. Agora não percam tempo de me escreverem ofendendo ou falando palavrão que não vou publicar. Vou continuar gritando e informando a todo mundo sobre rituais que usam animais, doa a quem doer!!!!!

William Holman

O bode expiatório era um animal que era apartado do rebanho e deixado só na natureza selvagem como parte das cerimônias hebraicas do Yom Kippur, o Dia da Expiação, a época do Templo de
Jerusalém. Este rito é descrito na Bíblia no livro do Levítico. 1 2

1 - Na Torá[editar]
Dois bodes eram levados, juntamente a um touro, ao lugar de sacrifício, como parte dos Korbanot do Templo de Jerusalém. No templo os sacerdotes sorteavam um dos bodes. Um era queimado em holocausto no altar de sacrifício com o touro. O segundo tornava-se o bode expiatório, pois o sacerdote punha suas mãos sobre a cabeça do animal e confessava os pecados do povo de Israel. Posteriormente, o bode era deixado ao relento na natureza selvagem, levando consigo os pecados de toda a gente, para ser reclamado pelo anjo caído Azazel.

2 - A visão cristã[editar]
Na teologia cristã, a história do bode expiatório no Levítico é interpretada como uma prefiguração simbólica do autossacrifício de Jesus, que chama a si os pecados da Humanidade, tendo sido expulso da cidade sob ordem dos sacerdotes. Tipologicamente o bode expiatório é a figura do Messias, que fora enviado ao deserto para ser tentado pelo Diabo.
Outra visão muito popular no cristianismo compreende que os dois bodes são símbolos de Cristo e Satanás, uma vez que a expiação propriamente dita se realiza com a morte do primeiro bode e como não existe expiação sem "derramamento de sangue" (Hebreus 9:22,23), não há expiação pela morte do segundo bode, que apenas é levado para o deserto e morre à míngua. Ele representa Satanás (ou Azazel, seu braço direito, um demônio do Deserto) que é enviado ao abismo por 1000 anos, onde refletirá sobre a obra maléfica que realizou contra os seres humanos.
Sentido figurado do termo[editar]

3 - Em sentido figurado, um "bode expiatório" é alguém que é escolhido arbitrariamente para levar (sozinho) a culpa de uma calamidade, crime ou qualquer evento negativo (que geralmente não tenha cometido). A busca do bode expiatório é um ato irracional de determinar que uma pessoa ou um grupo de pessoas, ou até mesmo algo, seja responsável de um ou mais problemas sem a constatação real dos fatos.
A busca do bode expiatório é um importante instrumento de propaganda. Um clássico exemplo são os judeus durante o período nazista, que eram apontados como culpados pelo colapso político e pelos problemas econômicos da Alemanha.
Os grupos usados como bodes expiatórios foram (e são) muitos ao longo da História, variando de acordo com o local e o período.
Atualmente, o uso de bodes expiatórios é cada vez mais combatido e, quando esta tendência é levada ao seu extremo, podem ser criadas regras sociais de controle da linguagem, como no caso do politicamente correto.

Fonte - WIKIPÉDIA
_______________
Texto citado em blog:

Willian James

Desde a época do Antigo Testamento, o ritual mais importante para o povo judeu é o dia do Yon Kippur (dia do perdão), onde dois bodes eram preparados e levados ao Templo perante o Senhor e, mediante sorteio, um seria queimado sobre o altar do sacrifício e o outro se tornaria o bode emissário (expiatório) que seria deixado com vida e enviado para o deserto. Encontramos esse preceito em Levítico 16:7-8, 21-22: “Também tomará ambos os bodes, e os porá perante o SENHOR, à porta da tenda da congregação. E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma pelo SENHOR, e a outra pelo bode emissário... E Arão porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem designado para isso. Assim aquele bode levará sobre si todas as iniquidades deles à terra solitária; e deixará o bode no deserto”. O foco da cerimônia era o arrependimento do homem e a misericórdia de Deus em perdoá-lo. Depois diz em Levítico 23:29 “Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo.” A palavra afligir significa humilhar. Por isso o perdão deve ser precedido de aflição, humilhação. E só haverá humilhação com reconhecimento de culpa. Esse reconhecimento de culpa deve ser completo, cabal, ou seja, deve abranger todos os envolvidos na questão. Se o teu pecado não ofendeu nenhuma outra pessoa, quer crente ou descrente, humilha-te diante de Deus e pede perdão a Ele somente. Mas, se o teu pecado é público, neste caso, a humilhação e o perdão devem também ser públicos. “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós... Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” (I Jo. 1:8,10). Quanto maior a posição que se exerce na liderança de uma igreja, maior será a necessidade de se observar esse princípio.

Fonte: Direito de Pensar
_________________

Matéria bem informativa:
Bode Emissário: A quem ele representava: Cristo ou Satanás?

11 comentários:

  1. Amigos e amigas leitores : A vinda de Jesus Cristo ao mundo encerrou estas práticas narradas no Antigo Testamento !! Podem se certificar de que no Novo Testamento não são mais usadas estas práticas .. e é claro que todos nós nos dias atuais devemos nos contrapor com todas as nossas forças às práticas hediondas e cruéis que ainda existem .. contra nossos irmãos os animais. Abraço amistoso e fraterno aos leitores de O Grito do Bicho, sou Renata Cheferrino, somos Veganos do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  2. Os rituais e sacrifícios da Lei Mosaica, eram apenas simbólicos e prefiguravam uma aliança ainda maior, que seria a vinda de Cristo. Com o advento de Jesus e sua paixão, todos esses simbolismos foram extintos (sacrifícios de animais, restrição alimentar, guarda do sábado, etc). Como os judeus, descendentes direto dos hebreus, guardam até hoje os preceitos da Lei Mosaica, até a "vinda" do Messias para eles.

    ResponderExcluir
  3. O único ser no planeta terra que representa satanás é o ser humano. Os seres humanos, seus deuses suas religioes inventadas. Nenhum outro ser que ja passou ou passa por esse planeta é capaz de usar a morte, a agonia, o sofrimento de um outro ser, para tentar limpar sua propria podridao. A inveja dos "seres religiosos" da pureza da alma dos animais chega ao patologico. O problema é que nao vamos aprender nunca. Chamam de "tradicao" a hipocrisia, a barbarie, a ignorancia, a falta de amor, de falta de etica, e outras sombras que vivem na alma humana.
    Na proxima semana, em nome de uma santa qualquer provavelmente filha do capeta, em Tordesillas na espanha um monte de covardes alucinados vao torturar um touro maravilhoso. Talvez um dia o ser humano conseguira varrer do planeta toda forma de religiao inventada e com ela todos os seus dicipulos demoniacos. As outras especies do planeta irao agradecer aos ceus por isso. Mas antes disso vamos estar de olho nas barbaries psicopaticas praticadas por qualquer religiao.
    Estamos de olho em voces e vamos denuciar. Dora

    ResponderExcluir
  4. Eliza. Muito malassombrado esses rituais. Mas é mais fácil matar um bicho que fazer um mudança interior.

    ResponderExcluir
  5. Jesus se entregou como sacrício total e suficiente por toda a humanidade, para que não houvesse mais necessidade de mais nenhum tipo de sacrifício de animais ou humano.Ele já pagou tudo.Ele já pagou na cruz o preço pelas nossas almas e pelos nossos pecados. Só te temos que aceitar este sacrifício de Jesus para sermos purificados e perdoados. O sangue de Cristo nos lava,. nos limpa de todo pecado. Basta ir a ele com coração contrito e arrependido e pedir o perdão e a cobertura do seu sangue nos lavando de todo pecado.

    ResponderExcluir
  6. isto tudo é um grande absurdo, colocar seu pecados em algo ou alguém e achar que esta livre das consequências, cada um respondera pelo que fez de bom ou ruim, não há bode ou messias que nos livre disto!

    ResponderExcluir
  7. Adelaide Souza09/09/2013 16:46

    "Porém Jesus Cristo ofereceu só um sacrifício para tirar pecados, uma oferta que vale para sempre, e depois sentou-se ao lado direito de Deus". Isto é , estamos debaixo da graça, favor imerecido, dado pelo "cordeiro de Deus". Meu Deus, quem não entendeu isso não sabe o que é ser Cristão, pisa na cruz.

    ResponderExcluir
  8. Não é questão de ser ateu, judeu, cristão, muçulmano, etc. Independente de religião, o sacrifício de animais em rituais religiosos denota, na minha opinião, o atraso mental e espiritual de quem o pratica. Eu já acho a autopenitência uma prática questionável, imagina praticar a penitência em um ser inocente, sob o pretexto de se purificar, ou qualquer outro. Façam-me o favor!
    Tenho a certeza de que a grande maioria dos judeus considera esses sacrifícios absolutamente desnecessários e irracionais.
    Silvan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se alguém quer autoflagelar, tudo bem, afinal o corpo é dele, a cabeça é dele. Mas sacrificar animais para apaziguar seus pecados, é absurdo! Jesus Cristo sacrificou-se pelo homem!
      Não importa qual a religião, sacrificar animais é bestialidade humana!

      Excluir
  9. - Cada uma.... o cara peca, e outro ser é quem paga...eita ser humano incoerente..

    ResponderExcluir
  10. As religiões sempre foram cruéis com os animais, isso não é de Deus,Jesus na cruz nada tem a ver com Deus,fazem muita barbarie em nome desses rituais que nada mais são que pratica egocentrista e vaidosa.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪