10/08/2013

Experimento prova que crustáceos sentem dor

Vamos mandar para Ana Maria Braga? lembra que publiquei sobre ela ter esquartejado siris, lagostas e outros ao vivo em seu programa? Relembre.
Aliás, em janeiro deste ano já havia saido uma matéria enorme na Veja e na Folha de São Paulo sobre o tema: Crustáceos sentem dor, revela estudo. Mas, o que adianta tanto estudo e comprovação se continuam fazendo tudo do mesmo jeito? a proteção animal se anula tanto nesta área.....
___________________
Caranguejos e lagostas são cozidos vivos e não são protegidos pelas leis dos direitos animais porque eles não sentiriam dor - mas uma nova pesquisa pode mudar este conceito

Lagostas são vendidas e cozidas enquanto estão vivas, para, supostamente, preservar o sabor e a textura da carne do animal. A mesma coisa acontece com caranguejos e outros crustáceos que não são protegidos pelas leis de direitos animais. Até o momento, a ciência considerava que esses bichos não eram capazes de sentir dor - em vez disso, eles passariam por uma espécie de 'percepção da dor' chamada de nocipção, que causaria o impulso de se afastar de algo prejudicial. Mas agora
essa noção pode mudar: de acordo com um novo estudo publicado na revista Nature, realizado pelo pesquisador de comportamento animal Robert Elwood, da Universidade de Belfast, os crustáceos podem, sim, sentir dor.

Para chegar a essa conclusão, Elwood analisou se os crustáceos conseguem aprender através da dor, como vertebrados, ou apenas respondem a estímulos imediatos para evitar situações desconfortáveis, como supõe o modelo da nocipção. Ele analisou o comportamento de caranguejos que podiam se abrigar em duas tocas construídas pela equipe de cientistas. A primeira dava choque nos animais e a segunda era segura. A conclusão foi que caranguejos que já haviam passado pelo choque escolhiam, com uma maior frequência, a segunda toca, se comparados com caranguejos que nunca haviam passado pela experiência. Ou seja: o choque foi sentido e a experiência na primeira toca se tornava aversiva.

Em uma segunda etapa do estudo, um conceito similar foi usado para analisar o comportamento do Pagurus bernhardus, conhecido popularmente como Bernardo-eremita no Brasil - uma espécie de crustáceo que usa conchas abandonadas por outros animais para se proteger. Os animais eram expostos a dois tipos de concha - um que a espécie é conhecida por preferir e uma segunda concha genérica. Ao escolher se mudar para a concha mais popular, os bichos levavam choques. Quando, novamente, eram colocados na mesma situação de escolha, eles se mudavam para a concha menos popular entre sua espécie, contrariando seus instintos para evitar a dor.

De acordo com Elwood, resultados como estes fariam com que, se estivéssemos falando de vertebrados, como ratos, por exemplo, os animais fossem poupados de mortes dolorosas (como serem cozidos vivos). "Estamos nos comportando de forma ilógica ao termos leis que protegem ratos da crueldade, mas não os crustáceos", declarou o cientista em uma convenção realizada em Newcastle, na qual ele apresentou suas conclusões.

FONTE: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI340955-17770,00-EXPERIMENTO+PROVA+QUE+CRUSTACEOS+SENTEM+DOR.html

10 comentários:

  1. Eu sempre achei uma barbaridade cozinharem estes animais vivos!
    Se tem vida, lógico que sente medo e dor!
    Quando é que a raça "desumana" vai parar de causar sofrimento p/ os animais?

    ResponderExcluir
  2. tem que ser muito ordinario pra jogar um bicho vivo na agua quente

    ResponderExcluir
  3. Sempre achei indigno o que fazem com esses pobres animaizinhos. Os seres "humanos" e "civilizados" são, em verdade, bárbaros e cruéis.

    ResponderExcluir
  4. Aos oito anos de idade, vi meu pai jogar caranguejos vivos numa panela de água fervente, e foi uma cena terrível, traumatizante mesmo ver aqueles bichinhos morrerem daquela forma tão trágica. Nunca comi nenhum crustáceo e acreditem, hoje sou feliz por ter me tornado uma ruminante: só legumes, verduras, grãos... Sem dor aos outros seres vivos e sem dor na consciência e no coração.

    ResponderExcluir
  5. Evidente que esses animais têm um sistema nervoso que lhes permita sentir... e mesmo que houvesse a dúvida, a eles deveria ser dado o benefício da dúvida, ora!
    Silvan

    ResponderExcluir
  6. Esse experimento é só uma afirmação do q já sabíamos...

    ResponderExcluir
  7. E precisa de pesquisa pra isso? E uma lógica básica, um ser vivo para se manter a assim, deve ter medo, o medo e um sistema de autodefesa natural, para sentir medo o ser vivo deve sentir dor outro mecanismo de autodefesa, se não sentisse nenhum dos dois, o animal não fugiria, não tentaria escapar quando capturado e quando ferido não teria noção do mesmo, o que levaria a mais danos físicos e consequentemente a morte. Não e previsão ser cientista, génio, ou seja lá o que for pra entender a natureza, basta observa lá... Triste...

    ResponderExcluir
  8. É obvio que sentem dor...nem precisa de "experimento".

    ResponderExcluir
  9. Ana Lucia Nunes11/08/2013 22:13

    E ainda gastam rios de $$$ para comprovar o que já se sabia ???

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪