13/06/2013

Camundongos desenvolvem alergia à picada do Aedes aegypti

Pausa para horário de descontrole:
arghhhhhhhhhhhhh.... tô me rasgando toda!!!!!!!!!! nojo!!!!!!!!! vejam a que tortura os ratinhos são expostos!!!!!!!!!!!! ah, é rato pode? pior que tem gente que se acha protetora que me escreve dizendo que sou muito radical e que é assim que se descobrem remédios para nós, os tais humanos..... urghhhhhhhhhhhhhh.... vou me rasgar mais, pera aí!!!!!!!!!!! como esta "criatura" conseguiu prender os ratinhos nesta posição por horas para serem picados? alguém tem idéia da tortura que foi isto? erghhhhhhhhhhh...................... vou vomitar!!!!!!!!!!! nojo!!!!!!!!!!!!!!!!

De volta a minha fleuma, leiam a matéria e reflitam.........

Roedores foram expostos a grande quantidade de picadas dos mosquitos
foto: autora do experimento

Estudos realizados no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP abrem novas possibilidades para pesquisas em doenças alérgicas.

Após analisar a resposta de camundongos expostos a grande quantidade de picadas de mosquitos Aedes aegypti e que receberam desafio intranasal com o extrato da glândula salivar do inseto, a bióloga Michele Silva de Barros detectou que os animais desenvolveram uma forte reação alérgica pulmonar, ao mesmo tempo em que parecem apresentar um processo de
dessensibilização, que é quando a resposta do organismo à exposição a alérgenos torna-se menor.

Na pesquisa, Michele buscou caracterizar o perfil da inflamação alérgica nos animais quando sensibilizados pelas picadas e desafiados com os componentes da glândula pela via intranasal para indução da reação no pulmão.

“A sensibilização seguida do desafio intranasal é capaz de induzir a migração de células, especialmente eosinófilos, para o espaço broncoalveolar”, explica Michele.

“Já se sabia que os componentes presentes na saliva do mosquito é que causam a sensibilização do hospedeiro e podem eventualmente desencadear uma alergia”, comenta a pesquisadora. “Neste trabalho, queríamos saber como era a resposta imune desencadeada por camundongos expostos a essa saliva”.

“Foi possível observar a produção de anticorpos específicos contra componentes da saliva do mosquito e dessensibilização, assim como também pode ser observado em seres humanos”, relata Michele. Assim, o modelo de sensibilização natural pela exposição a picadas seria uma importante ferramenta de estudo sobre a ação dos componentes da saliva do mosquito, podendo também ser utilizado para pesquisas mais aprofundadas sobre doenças alérgicas.

Dessensibilização
A possível dessensibilização pôde ser notada a partir de dados incomuns, que indicam que os roedores apresentam um tipo de resposta diferente, considerada mista por conta do perfil de anticorpos observado. Na dosagem dos anticorpos, a pesquisadora notou, além de anticorpos característicos de alergia (IgE e IgG1), outro tipo pouco encontrado nessas respostas, denominado IgG2a. Além disso, os testes realizados com os animais também apontaram a ausência de hiperreatividade das vias aéreas, caracterizada pela dificuldade respiratória, que costuma ser comum em respostas alérgicas pulmonares.

“A presença tanto de anticorpos IgE e IgG1 quanto IgG2a talvez indique um processo natural de dessensibilização”, conta. Para ela, é possível que a pesquisa tenha levado os animais a uma fase de dessensibilização graças ao número de vezes e ao tempo em que foram expostos à saliva do Aedes aegypti durante as picadas. “Conforme os camundongos foram expostos mais vezes aos mosquitos, observamos um aumento na produção de anticorpos IgG2a”, descreve a pesquisadora.

A dissertação de mestrado de Michele, Padronização de modelo de inflamação alérgica pela exposição a picadas de mosquitos Aedes aegypti foi apresentada em setembro de 2012. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Imunologia Experimental do ICB sob a orientação do professor Anderson de Sá Nunes. Segundo a bióloga, ainda é necessário estudar as reações alérgicas que ocorrem diretamente na pele dos animais, além de investigar outros parâmetros que de fato confirmem a dessensibilização às picadas em função da grande exposição a elas.

Por Bruna Romão | Agência USP

4 comentários:

  1. Nojo nojo nojo!!! Repulsa total!! Sheila vc quiz dizer pseudo protetores ne?! FALA SÉRIO!!! SER HUMANO DEVERIA SER EXTINTO!!

    ResponderExcluir
  2. http://vhemt.org/ Sheila poderia fazer um post sobre esse movimento ne?! Seres humanos é a maior praga planetária da terra, seres parasitas, que inventaram o planeta e destroem tudo em seu caminho!! Extinção voluntária humana JÁ!!

    ResponderExcluir
  3. São cientistas de bostas,gostam da tortura.

    ResponderExcluir
  4. Ana Lucia Nunes13/06/2013 20:23

    Inacreditável como o ser humano consegue se superar a cada dia em bestialidade !
    É chocante ver o tamanho da crueldade e eles nem se incomodam.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪