• ALÔ, AMIGOS!!!

    Revista Eletrônica "O Grito do Bicho" - Fazendo a notícia na luta pelo direito dos animais do céu, da terra e do mar.

    O resultado é pela Loteria Federal.

    E, o principal, é DIGRATIS E VOCÊ PODE SE INSCREVER TODO DIA !!!
    Boa sorte!!!

Faça sua doação:

Texto

Receba nossos boletins diários no seu e-mail: *

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Cão tratado com células-tronco volta a andar

Que maravilha, não? Por que estes pesquisadores da área humana não aprendem como se faz uma pesquisa de doença no modelo certo? grrrr.... é difícil isto entrar na cabeça destes energúmenos... destes destrambelhados? ah, mas, se assim entenderem, vai ter que acabar com a trambicagem das pseudo-pesquisas, não é mesmo? Estes camaradas vão viver de quê? a industria farmacêutica vai aceitar se ferrar? ô, Céus, como fazer a sociedade civil entender que tudo não passa de paradigmas que precisam ser ultrapassados? até o Obama entra nessa de não querer enxergar o que se passa na cara de todo mundo em se tratando de pesquisas científicas ....

Unifeob/Divulgação
Um cão de 3 anos que ficou tetraplégico foi curado graças a uma técnica com uso de células-tronco. Ele voltou a andar após ser tratado no hospital
veterinário do Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Basto , em São João da Boa Vista (SP). A técnica seria capaz de curar a cinomose, doença que atingiu o animal e pode levar à morte em pouco tempo.


Quem realizou o tratamento gratuito na cachorra de nome Vilma foi a médica veterinária Michele Andrade de Barros, que trabalha com terapia celular desde 2008. O animal sofria de cinomose, altamente contagiosa e causadora de sequelas neurológicas. A chance de vida com a doença é de apenas 5%.

A cadela ficou tetraplégica e, como os cães que não se locomovem mais podem desenvolver outras doenças, nesses casos os proprietários costumam optar pela eutanásia. Foi aí que a proprietária, uma professora de Educação Física, recebeu a sugestão de tentar o novo tratamento que poderia fazê-la voltar a andar. E já na primeira aplicação de células-tronco foi detectada uma melhora na qualidade de vida do animal. Depois, com três aplicações, Vilma voltou a se locomover.

A cachorra hoje leva uma vida normal e, segundo a veterinária, está totalmente curada.  "Existem outras patologias que também podem ser tratadas com células-tronco. Pode até não haver cura total, mas a melhora na qualidade de vida do animal já é muito boa", explica.

Fonte: Estadão

2 comentários:

  1. A grande culpada do atraso na área humana se chama religião.

    ResponderExcluir
  2. Isso é que é experiência científica. Não a que eu li, onde o pseudo cientista QUEBRAVA a coluna de um rato para depois fazer o "conserto". Fala sério! Tanto bicho precisando de cirurgias e tratamento, já com as doenças instaladas, que fazer aparecer doenças de propósito, chega a ser cruel.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porem, não publicaremos palavrões ou ofensas.