23/08/2012

Imagens mostram cavalo na pista seletiva da Avenida Brasil - RJ

.
Esta cena foi passada, primeiramente, no Bom Dia Rio do dia 21/08/12 e a apresentadora disse que haviam ligado para o CCZ e que lá não atenderam o telefone. No RJTV do mesmo dia já deram a informação correta e o numero certo de ligar, ou seja, chamar no 1746.

Vamos esculhambar quando houver razão, mas, quando não houver a gente tem que reconhecer. Aliás, vocês sabem porquê o jornalismo de nenhum órgão de comunicação se tocou em informar ao público que já existe este serviço? é porque, até hoje, a Superintendência de Vigilância Sanitária não comunicou que a prefeitura já tem plantão permanente para atendimento de emergências com animais. é dose cavalar, né?

Será que não tiveram tempo desde 17 de julho? hehehe... ô lerdeza!!!! Acho que eu vou fazer o serviço deles...

4 comentários:

  1. Desculpe, mas este telefone da prefeitura 1746 não serva para nada. Pelo menos eu tive uma experiência super negativa. Há um mes mais ou menos eu procurei um telefone para denunciar maus tratos. A moça que trabalha na minha casa era inquilina de uma mulher que tinha DEZ cães e não os alimentava e nem deixava água para eles. Ela que cuidava destes cães por ter pena deles. Ela se mudou e ficou muito preocupada com os cães e tentamos imediatamente fazer uma denúncia de maus tratos e todos os telefones que nos deram não atendiam. Ligamos para o tal 1746 e lá nos disseram que iriam lá em 5 (CINCO) dias e eu disse que era urgente, pois se demorassem este tempo todo os cães que já eram desnutridos iriam morrer e ela disse que este era o prazo e que nada poderiam fazer. Fiquei muito furiosa. Mandei um email para você, Sheila, onde contei a história toda e você me sugeriu que neu fizesse uma BO e uma denúncia e que eu fosse lá com um policial, só que eu teria que ter um lugar para onde levar os cães. Isto me doeu profundamente, pois eu não tinha para onde levá-los. Na minha casa não tem lugar para tantos cães e na casa da moça que trabalha comigo, menos ainda. Você imagina como isso me doeu... não poder fazer nada... e alguns dias depois a Eliane soube que duas das cachorrinhas provavelmente morreram, pois apenas contaram que elas ficaram num quartinho e não sairam mais de lá e a pessoa nem sequer foi no tal quartinho para ver como estavam. Me senti mal sabendo que os bichinhos estavam lá morrendo de fome e sede, mas o que eu poderia fazer, sem ter o que fazer, sem ter para onde levar, sem encontrar nenhum tipo de ajuda???
    Me senti completamente desamparada. Entreguei nas mãos de São Francisco de Assis e não procurei mais saber deles para não sofrer por uma coisa que eu não consigo solucionar. A prefeitura não faz absolutamente NADA. Se eu soubesse de algum abrigo para onde poderia levar os cães, eu teria levado TODOS.
    Sheila, querida, não estou reclamando de você. Agradeci muito a sua atenção de ter respondido prontamente ao meu email, só que a solução que você me apresentou, seria ótima se eu tivesse para onde levar a turminha toda. Me senti arrasada por não poder tirar os pobrezinhos daquela situação. Levar para a SUIPA seria pior ainda. Você não acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Layla, desculpe discordar totalmente de vc., porque:
      1 - nem sempre as coisas podem ser como desejamos, por mais corretas que sejam desejadas;
      2 - o 1746 tem este problema de dar um prazo para atendimento, e vamos tentar ver se pressionamos para melhorar isto;
      3 - o problema de acomodar os animais é geral e para isto não há milagres. Somos um país que ainda engatinha com a questão de defesa animal;
      4 - agora, não acho que levar para a SUIPA seria pior.... Vc. acha que seria pior? vc. tem idéia do quanto esta entidade faz das tripas coração para salvar e recolocar os animais? não acho que ela mereça tamanha rejeição de sua parte ou de qualquer outra pessoa. Sugiro que vá pessoalmente conhecer o trabalho herculeo que se faz naquela SUIPA.... depois que conhecer, mudará todo este pensamento.

      Excluir
    2. Bebel da SUIPA24/08/2012 17:36

      Sheila, agradeço por voce SEMPRE defender a SUIPA. É lamentável que pessoas que NUNCA pisaram na SUIPA tenham uma opinião formada sobre a realidade de um abrigo NAO EUTANÁSICO. Será que essas pessoas que tanto criticam a SUIPA têm uma solução para o abandono de animais? O que elas fariam, todos os dias, se encontrassem diversos cães amarrados no portão de suas casas? O que elas fariam se encontrassem todas as manhãs,em seus portões, caixotes de madeira velha, "pregados", mantendo aprisionados, ninhadas de gatinhos subnutridos e remelentos,misturados com urina e fezes, juntamente com a gata-mãe, novamente prenha e repleta de esporotricose? E qual seria a atitude dessas pessoas se encontrassem, no portão de suas casas, cavalos esquálidos, velhos, com o corpo repleto de feridas purulentas?
      Entregar "nas mãos" de S.Francisco de Assis e fechar os olhos, "para não sofrer" são atitudes de pessoas covardes, porque quando se quer proteger um ser vivo, não se tem desculpas esfarrapadas. A gente arregaça as mangas e coloca o cavalo até em cima do fogão do nosso quitinete. Dia seguinte, novas alternativas aparecerão, certamente! Por isso, a SUIPA continua atuante e existindo há SESSENTA E NOVE ANOS, porque mesmo com a ajuda espiritual do nosso "Chiquinho" de Assis, SEMPRE abraçamos e abrigamos, da maneira como podemos, os seres vivos carentes,sejam animais humanos ou não humanos. Os craqueiros, que acordam no portão da SUIPA, todas as manhãs, também merecem um copo de café e um pão. Os não humanos também sofridos, recebem assistência veterinária,abrigo, alimentação e carinho. Esse é o trabalho de uma proteção animal: abrigar e cuidar. Se o animal irá sobreviver é uma outra situação.Muitos não resistem e outros são guerreiros e conseguem vencer mais uma etapa na vida.... O que não aceito é a COMODIDADE HUMANA que prefere utilizar as mesmas antigas desculpas como: "não tenho espaço em minha casa"; "meu abrigo tem um LIMITE!"; "meu marido mandou eu escolher entre ele e mais um animal em casa"..... Todos acham "lindos" os abrigos do "primeiro" mundo. Espaço, sol,grama verdinha, cães sem sarna, correndo, gatos gordos, deitados em caminhas confortáveis, em salas sem um único cocozinho.....WHAT WONDERFUL WORLD!!!, já cantava Louis Armstrong,para os soldados neuróticos e cansados, em plena segunda guerra mundial.... Acontece que as pessoas "fingem" desconhecer que, lá no "primeiro" mundo, se mata prá cacete, na maioria dos abrigos! E, as autoridades de saúde, além de recolherem e matarem "em nome da lei e da saúde humana", ainda perseguem os pouquissimos NO KILL SHELTERS (abrigos que não matam) existentes.....
      Sheila, o que as pessoas precisam se posicionar é: se são favoráveis a matar os animais para que os abrigos fiquem espaçosos e cheirosos ou se concordam em trabalhar, arduamente,sem medir esforços, para salvar vidas indefesas. Abrigos que não matam e que não fecham as portas para seres vivos que precisam de ajuda estarão SEMPRE superlotados e, um deles, se chama SUIPA.
      Obrigada pela oportunidade de publicar esse meu desabafo!
      Bebel da SUIPA

      Excluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪