12/07/2011

ABATE HUMANITÁRIO E BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE CONSUMO: VOCÊ, O QUE ACHA?

Recentemente, aconteceram algumas mudanças no Ministério da Agricultura sobre o bem-estar e abate de animais de consumo. Vários leitores me perguntaram se eu ia me pronunciar sobre a questão. Demorei por achar que é preciso se falar, primeiro, da evolução das cabeças que atuam na proteção animal.

Eu mesma, em 1996, com auxilio da SUIPA, consegui mais de 30 mil assinaturas pedindo o uso da pistola pneumática para atordoamento seguro (?) na matança dos animais nos matadouros. E naquela época, não tinha este troço de internet... era tudo na mão mesmo.

Entreguei ao Ministério Publico as assinaturas, acompanhada de Suzana Vieira, Lúcia Veríssimo e Arlete Salles. Muitos artistas assinaram. As assinaturas eram duplicadas porque eram, também, voltadas a ação contra a Farra do Boi em Santa Catarina.

O resultado foi que, dois meses depois, o Ministério da Agricultura modificou a legislação federal, incluindo a exigência do uso da tal pistola para a realização do "abate humanitário". Com isto quero dizer que, as cabeças evoluem.

Confesso que sou contra ficarmos sentados no toco recriminando ações alheias. Mas, creio que, na atualidade, poderíamos juntar forças para uma mudança de comportamento até mesmo dentro da proteção, já que muitos não são vegetarianos quanto mais veganos.

Enfim, mas, quem sou eu p´ra conversar a respeito, não? acho que isto é questão de coerência, mas, não sou a dona da verdade, claro!

Então, para não dizer que não toquei no assunto por algum suposto motivo, vou publicar uma discussão bem interessante sobre o tema, retirada da lista SBV-Floripa. CLIQUE AQUI PARA LER.

O Diário de Cuiabá, fez a matéria informando:
"O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento estabeleceu a Comissão Técnica Permanente de Bem-Estar Animal (CTBEA) para intensificar iniciativas para o bem-estar dos animais de produção e de interesse econômico nos diversos sistemas pecuários brasileiros, que inclui bovinos, aves e suínos, entre outros. As atribuições estão definidas na Portaria nº 524, publicada no Diário Oficial da União da última quarta-feira, 22 de junho."
LEIA MAIS

Esta matéria do Globo Rural rolou no princípio de mês de junho deste ano... Você, o que acha?


.

15 comentários:

  1. A minha única dúvida é a seguinte: QUEM VAI FISCALIZAR ??? Pois é, num país onde não existe nenhuma espécie de fiscalização, onde quem cumpre as leis o faz por princípios, personalidade, caráter, etc., onde os infratores e criminosos deitam e rolam, pois nada lhes acontece, a cada lei que surge me dá vontade de rir. Mesmo sendo trágico. Fico imaginando a lei sendo cumprida. Por quem???

    ResponderExcluir
  2. Tema muito controverso por possuir diversos matizes. Já me falaram que do ponto de vista espiritual, esses animais estão tendo a possibilidade de encarnar e evoluir através das experiências na matéria e que se não fosse a alimentação carnívora nem tantos teriam tal oportunidade. Verdade ou desculpa, não sei, mas acho que em não se conseguindo mudar de uma só vez, é melhor que se consigam pequenas mudanças que paulatinamente farão uma grande diferença. Os mais radicais não devem estar de acordo, mas acho que pouco é melhor do que nada. Não me agrada ver que seres viventes sejam comercializados (humanos também o são), mas este não é o paraíso, este é um planeta em evolução de provas e expiação. Há sempre dois lados em todos os assuntos em questão, vivemos a dualidade em tudo. Não há nenhuma verdade absoluta no planeta. É preciso fazer sempre o máximo para acabar com a exploração animal, mas não podemos ser radicais e intransigentes, pois não mudaremos nada. Se não é possível mudar a cabeça das pessoas em 100%, comecemos com 1% e vamos ganhando terreno pouco a pouco e nos infiltrando no território do adversário transformando-o em aliado.

    arminda

    ResponderExcluir
  3. Sou vegetariana , mas como nao
    posso mudar a mentalidade do resto
    do mundo, entao para mim, o abate
    humanitario, e a forma mais etica de
    se sacrificar um pobre animal.
    Deveria ser assim no mundo inteiro
    e deveria ser lei!
    Nunca entendi o porque de um animal
    sofrer tanto so para encher a barriga
    de alguem, que nem ao menos se
    importam com a maneira com que
    sao tratados ou abatidos.

    ResponderExcluir
  4. Novamente não pude ser o video. Desde pequena, apesar de ter sido carnívora por quase toda a minha vida, nunca pude entrar em açougues. Eu como um mínimo de carne ainda, na forma de molhos prontos, e quase só isto. ah, também alguma pizza que contenha presunto. Ser vegana não pretendo, mas vegetariana gostaria.

    Como não vi o video, sobre o mesmo não posso opiniar. Mas quanto ao abate humanitário... ou não diria somente isto... mas conceder uma vida DIGNA aos não-humanos que serão abatidos, é tema aqui na Alemanha. Aqui a sociedade protetora dos animais luta por uma vida digna e um abate sem sofrimento - falo dos não-humanos. As leis de proteção dos "animais" serão reforçadas, e não será mais permitido o confinamento de galinhas e porcos. Eles terão que ser criados em condições dignas.

    Sou a favor sim, completamente - de uma vida digna (o termo em alemão é este mesmo (Würde der Tiere - dignidade dos animais) e de uma morte indolor.

    Depois me contem o que estava no video. Eu só olhei a figura dos cadáveres de frango e fiquei com o estômago embrulhado.


    Abraços,


    Vera Rodrigues-Rath, membro da Deutscher Tierschutzbund e. V - soc. protetora dos animais da Alemanha)

    ResponderExcluir
  5. rosa elisa villanueva12/07/2011 16:27

    assisti ao programa e a repórter avisou: são cenas fortes, mas fortes são as cenas do assassinato cruel e covarde da maioria dos animais de consumo por todo o país. na minha opinião deve-se ter uma lei garantindo o abate humanitário para que nóis ativistas possamos fiscalizar.

    ResponderExcluir
  6. anselmo padula12/07/2011 17:42

    O certo seria nenhuma animal morrer para servir de alimento.
    Já que atualmente nao dá para abolir isso, que ao menos eles tenham uma vida digna e uma morte instantânea e indolor.
    Se nao dá pra fazer tudo, faça o que dá.

    ResponderExcluir
  7. karina medaglia12/07/2011 18:37

    fiscalização no Brasil e´conversa fiada, não é ser radical ser contra a exploração de animais, quando promovemos sua morte so para nosso proprio beneficio, do ponto de vista espiritual os animais (todos não so os não humanos) precisam reencarnar pra evoluir , mas do ponto de vista espiritual dos humanos nos so teremos uma real evolução etica e moral da sociedade quando pararmos de consumir animais seja por qual maneira e finalidade for, antes disso nem falemos em paz entre os seres humanos , fim da violencia, a violencia começa nos matadouros e termina nas ruas de nosas cidades.

    ResponderExcluir
  8. CARLA SÁSSI12/07/2011 19:06

    A QUESTÃO APÓS CONCRETIZADO O ABATE HUMANITÁRIO, É CONSEGUIR Q OS ANIMAIS DE PRODUÇÃO TENHAM SEU COMPORTAMENTO NATURAL GARANTIDO...
    PQ SÓ O ABATE, O FIM DA CADEIA DE PRODUÇÃO, NÃO GARANTE NENHUM BEM ESTAR A UM ANIMAL QUE PASSOU SUA VIDA ENCLAUSURADO, APENAS AMENIZA...QUEM CONHECE UMA GRANJA DE SUÍNOS OU FRANGO, SABE COMO FUNCIONA.
    ESSA SERÁ A PRIMEIRA CONQUISTA DE MTAS LUTAS...MAS VAMOS Q VAMOS...DESISTIR JAMAIS...
    BJO SHEILA

    ResponderExcluir
  9. Heloisa Arruda12/07/2011 20:20

    E quanto às condições em que são criados os animais?? manipulados genéticamente para converter ração em carne com eficiência, empilhados, engaiolados, em baias sem espaço para se mexer, sem poder ciscar, rolar na terra ou brincar no sol...

    ResponderExcluir
  10. Concordo com o comentario da Carla, so quem conhece uma granja sabe o sofrimento que passa o frango, o pior sao as matrizes de suino que ficam em baias por uma vida e apos parirem sao levadas para o abate, mesmo que estejam com febre, e geralmente esta carne é usada para fazer embutidos( presunto,etc) moro em regiao produtora de suinos e perto de frigorificos. Agora gostaria que a WSPa fosse visitar um grande confinamento de bovinos. La é dado alimento geralmente, silagem seca e os bois ficam debaixo de sol e chuva. Se formos em uma fazenda convencional veremos que os bois quando chove, ou tem sol estes animais se protegem debaixo de arvores e estas nesmas arvores serve para que os mesmos se coçem. Em um confinamento eles ainda nao sabem ficar em baixo de outro animal e se coçar nas pernas de seu semelhante. Realmente temos que fazer campanhas. E quanto ao metodo em que sao abatidos cavalos? E as vacas prenhes onde seus terneiros sao exportados para o Japao? E o metodo halal. Todos estes metodos sao aprovados pelo Ministerio da Agricultura atraves de leis. Gostei do belo exemplo que deu a Autralia que cancelou por alguns dias a exportaçao de gado vivo para a Indonesia ao saber que os animais que eram vendidos para la sofriam para ser abatidos. Se fosse aqui no Brasil com a ganancia dos exportadores isso nao teria nenhuma repercussao. Aqui em Santa Catarina no mes de julho vao ser embarcados 4 mil terneiros para a Uniao Europeia para serem abatidos assim que chegarem no local de destino.Devemos nos unir para dar um basta na chamada ganancia.

    ResponderExcluir
  11. Caramba, eu não sei. São dois lados que entram em conflito, o meu coração, e a minha razão. Mesmo tendo todos os cuidados, me doi ver esses bichinhos de cabeça para baixo levando choque. É quando cortam seu pescoço, eu vi várias aves se batendo. Jesus amado, é muito triste.

    ResponderExcluir
  12. Acompanho o blog diariamente, mesmo achando que tem muitos "xiitas" por aqui. Mas é bom saber que, às vezes, há espaço para a tolerância. Ótimo post!

    ResponderExcluir
  13. É uma situação controversa e desesperadora ao mesmo tempo.

    Querer que o planeta torne-se vegano é algo muito utópico e a longuíssimo prazo, sinceramente falando.

    Me sinto imensamente feliz pelo número de conscientes (pessoas que deixaram de comer animais) estar crescendo, mas a escala ainda é pequena diante do que observo.

    Fico numa posição de dualidade imensa, entre querer um comportamento ideal, justo, igualitário e de discernimento do ser humano frente aos animais e "precisar acatar" uma nova linha de conduta nos abatedouros como uma "solução" para uma situação que é lugar-comum numa sociedade.

    Pensar no que pode melhorar no presente a eles (sofrerem um pouco menos) e no que eu luto e faço por eles e para eles.

    Não posso exigir que alguém torne-se vegano, então apoio práticas que minimizem o sofrimento deles no agora?

    Eu me puno e me critico demais por isso.

    ResponderExcluir
  14. Abate é abate e nunca será humanitário.

    ResponderExcluir
  15. Vital Fernandes18/07/2011 00:48

    Assisti ao vídeo e do que vi, já não gosto há muito tempo, mas principalmente não gostei mesmo foi do que ouvi. Todas as falas deixam claro que a preocupação principal é com o lucro econômico. Ninguém quer perder compradores exigentes ou oferecer carne de "má qualidade ou aparência pouco atraente". Sinceramente, me deu o maior desânimo. É apenas uma maneira de diminuir o sofrimento final desses pobres condenados, e também um modo de deixar os carnívoros humanos com a sensação de que "não são tão maus assim..."
    Tudo muito triste...

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, porém, não publicaremos palavrões ou ofensas.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

EM DESTAQUE


RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪